Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

casaco

casacocasaco | n. m.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ca·sa·co ca·sa·co


(alteração de casaca)
nome masculino

[Vestuário]   [Vestuário]   [Vestuário]  Peça de roupa, geralmente de mangas compridas, que se fecha à frente com botões, fecho de correr, etc., e que cobre o tronco, vestindo-se sobre outras peças de roupa.Ver imagem

Confrontar: cassaco, cossaco.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "casaco" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

E até o famoso casaco de couro

Em VISEU, terra de Viriato.

Roger Schmidt viu toda a segunda parte debaixo de chuva torrencial sem casaco ..

Em O INDEFECTÍVEL

...viajar de avião de modo confortável, é sempre necessário levar um cobertor ou um casaco consigo, mas quase ninguém sabe o motivo pelo qual faz tanto frio na cabine..

Em NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO AVIATION NEWS

...percurso para o estádio surgem duas surpresas: o número de americanos que reconhecem o casaco do Benfica que visto e a quantidade enorme de adeptos dos Patriots que caminham...

Em O INDEFECTÍVEL

O casaco azul e os olhos vermelhos do Mustang homenageiam a loja de neon do pai...

Em NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO AVIATION NEWS
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


No seguinte exemplo, o pronome do complemento directo deve vir antes ou depois do verbo?
- Já fizeste o trabalho?
- Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo.
- Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo.
Nas frases indicadas, as locuções verbais acabar de fazer e ter de fazer correspondem a construções em que os verbos acabar e fazer, seguidos da preposição de, são verbos auxiliares. Em geral, em locuções verbais com verbos auxiliares ou semiauxiliares (excepto com os que formam tempos verbais compostos: ex.: tem lido, foi lido), o clítico é colocado depois do verbo principal (ex.: O livro é interessante e posso lê-lo em dois dias; Ele veio visitar-me esta semana), podendo haver, menos consensualmente, colocação do clítico depois do verbo auxiliar ou semiauxiliar (ex.: O livro é interessante e posso-o ler em dois dias; Ele veio-me visitar esta semana). No entanto, quando a construção do verbo auxiliar ou semiauxiliar inclui uma preposição, especialmente de ou por, o pronome clítico pode ocorrer antes ou depois do verbo auxiliar (ex. Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo), mas não depois do verbo auxiliar (ex. *Sim, acabei-o de fazer; o asterisco indica agramaticalidade).
Esta reflexão aplica-se também à outra frase apresentada (Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo), mas nesse caso será ainda possível a opção Não, ainda o tenho de fazer, pois o advérbio ainda tem a propriedade de atracção do clítico (ver os casos referidos nas alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos).




Para a pergunta: Viu-nos na praia de Tróia? há 2 respostas possíveis: Vi-os ou Vi-vos. Qual a diferença e porquê?
As duas respostas apontadas para a pergunta correspondem a dois tratamentos diferentes. Em vi-os trata-se do pronome pessoal o (a, os ,as) usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por você ou tratamento por o senhor, a senhora (vi-os será então equivalente a ‘vi os senhores’ ou ‘vi vocês’). Em vi-vos trata-se do pronome pessoal vos usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por vocês ou tratamento por vós (vi-vos será então equivalente a ‘vi vocês’ ou ‘vi vós’).

No português europeu, as formas de tratamento por você (ou afins, como nos exemplos o senhor não pode passar; o João pode fechar a janela, por favor?; o professor desculpe, mas está enganado) criam muitas incongruências e são por vezes pouco claras para os falantes. Por um lado, estas formas de tratamento, como os pronomes tu ou vós, indicam a pessoa a quem o falante está a dirigir a sua mensagem, pelo que se trata semanticamente de uma segunda pessoa. Por outro lado, gramaticalmente, estas formas de tratamento obrigam ao uso da terceira pessoa (qualquer concordância com a segunda pessoa do singular ou do plural é agramatical, como se pode verificar nos exemplos antecedidos de asterisco: *o senhor não podeis passar; *o João podes fechar a janela, por favor?; *o professor desculpe, mas estás enganado). Por corresponderem gramaticalmente a uma terceira pessoa (equivalente nas concordâncias com os verbos, por exemplo, a ele ou eles), estas formas de tratamento devem, segundo alguns gramáticos, usar os pronomes clíticos de terceira pessoa (o, a os, as para complemento directo: ex.: eu vi-os; lhe ou lhes para complemento indirecto: ex.: eu entreguei-lhes) em vez do pronome vos (complemento directo: ex.: eu vi-vos e indirecto: ex.: eu entreguei-vos).

pub

Palavra do dia

pi·ca·ú pi·ca·ú


(origem duvidosa)
nome masculino

[Brasil]   [Brasil]   [Ornitologia]   [Ornitologia]  Designação dada a várias aves da família dos columbídeos. = POMBA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/casaco [consultado em 30-11-2022]