Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

pall

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
Palm (norma brasileira)
rall (norma brasileira)
Wall (norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Gostaria de saber se alguma das seguintes frases está incorrecta: 1. O carro podê-lo-ia ter atropelado; 2. O carro poderia tê-lo atropelado.
Por favor, consulte uma dúvida muito semelhante em mesóclise e verbos auxiliares. Especificamente sobre este exemplo, deve dizer-se que o pronome pessoal átono (ou clítico) o é normalmente colocado em posição enclítica (isto é, depois do verbo) relativamente ao verbo principal (ex.: poderia atropelá-lo), do qual depende semanticamente. No caso da frase em análise, trata-se de um tempo composto, construído com o verbo auxiliar ter e o particípio passado do verbo atropelar, pelo que o pronome é colocado em posição enclítica relativamente ao verbo auxiliar (ex.: poderia tê-lo atropelado).
Esta é a posição mais consensual e menos polémica, mas há verbos, como poder, cujo comportamento se aproxima do de um verbo auxiliar e esse comportamento torna aceitável a posição enclítica relativamente a este verbo. Se se tratar do modo condicional ou do futuro do indicativo, o pronome terá de ser mesoclítico, isto é, deverá ocorrer no meio da forma verbal (ex.: podê-lo-ia atropelar, podê-lo-á atropelar). Se houver outro verbo auxiliar na locução verbal, como na frase em apreço, a mesóclise no verbo poder é também possível, embora de aceitação menos generalizada (ex.: podê-lo-ia ter atropelado).

Adicionalmente, e porque os clíticos correspondem a uma questão complexa, poderá pesquisar, na caixa de pesquisa das dúvidas linguísticas, o tópico clíticos ou o tópico pronomes.




O substantivo RAIVA pode ser regido pelas preposições POR ou CONTRA? Exs: raiva por meu inimigo, raiva contra meu rival
De acordo com o Dicionário de Regimes de Substantivos e Adjetivos, de Francisco Fernandes (25.ª ed., São Paulo, Editora Globo, 2000), o substantivo raiva pode ser regido pelas preposições a (ex.: tenho raiva a quem lhes fez mal), de (ex.: ela ficou com raiva de mim) ou por (ex.: sentimos raiva pelos amigos que não nos ajudaram). Relativamente à preposição por, é de salientar que há casos em que a mesma é usada com o substantivo raiva mas que não faz parte da sua regência, pois trata-se do introdutor de uma oração causal (ex.: tremia de raiva por ter perdido o jogo; esta frase é semanticamente equivalente a tremia de raiva por causa de ter perdido o jogo). Pesquisas em corpora e em motores de busca da Internet revelam que a preposição contra também pode ser usada com este substantivo (ex.: encheu-se de raiva contra o vizinho), mas o número de ocorrências é baixo. As mesmas pesquisas revelam que a preposição de é bastante mais usada com este substantivo do que qualquer outra das preposições mencionadas.

Palavra do dia

zur·va·da zur·va·da


(origem obscura)
nome feminino

[Portugal: Trás-os-Montes]   [Portugal: Trás-os-Montes]  Forte aguaceiro. = BÁTEGA, CHUVADA, ZERBADA, ZURBADA, ZURVANADA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/pall [consultado em 26-02-2021]