Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

lata

latalata | n. f.
3ª pess. sing. pres. conj. de latirlatir
fem. sing. de latolato
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

la·ta la·ta


nome feminino

1. Folha de ferro, delgada e estanhada (ex.: anel de lata).

2. Recipiente feito desse material (ex.: lata de cogumelos; sardinha em lata).

3. Canudo que se leva a tiracolo, e em que se guarda algum documento.

4. Canudo para onde vai o algodão que sai da carda.

5. Vara ou cana transversal de uma parreira.

6. Caibro.

7. [Informal]   [Informal]  Automóvel velho, em mau estado ou de fraca qualidade. = CALHAMBEQUE

8. [Informal]   [Informal]  Cara, rosto, face.

9. [Portugal, Informal]   [Portugal, Informal]  Ausência de vergonha (ex.: eles ainda tiveram a lata de negar tudo; é preciso ter muita lata para se recandidatar ao cargo). = ATREVIMENTO, DESCARAMENTO, OUSADIA, TOPETE

10. [Gíria]   [Gíria]  Litro.

11. [Portugal: Algarve]   [Portugal: Algarve]  Maçador, indivíduo importuno.

12. [Portugal: Trás-os-Montes]   [Portugal: Trás-os-Montes]  Courela, belga.


ter cara de lata
Não ter vergonha, mentir sem escrúpulo.


la·tir la·tir

- ConjugarConjugar

(latim glattio, -ire)
verbo intransitivo

1. Soltar latidos (ex.: o cão latiu a noite toda). = GANIR, LADRAR

2. [Figurado]   [Figurado]  Dar gritos. = GRITAR

3. [Pouco usado]   [Pouco usado]  Latejar, palpitar.


la·to la·to


(latim latus, -a, -um, largo, extenso, vasto)
adjectivo
adjetivo

1. Amplo; dilatado.

2. Extensivo.

nome masculino

3. [Portugal: Algarve]   [Portugal: Algarve]  Baraço curto de pita.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "lata" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

Ingredientes 200 g de canelones, 4 latas de atum ao natural, 300 g de queijo creme, 1 lata pequena de tomate...

Em VISEU, terra de Viriato.

Bernardino Barros a ganhar a Liga dos Campeões da lata estratosférica!!

Em O INDEFECTÍVEL

Do álbum seguinte, Da Lata (1995) sairiam Garota Sangue Bom , Brasil É o País do Suingue e Veneno...

Em Geopedrados

...livros, deslizo para ali, enfio uns desenhos numa pasta e fecho a caixa de lata dos pastéis de óleo..

Em 100 cabeças

E, além de água em lata (plásticos são

Em NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO AVIATION NEWS
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.




Como se escreve? Eu não consigo deitar-me cedo. Eu não consigo me deitar cedo. Não consigo perceber se o não está associado ao primeiro ou segundo verbo, pois nos verbos reflexos na negativa os pronomes vêm antes do verbo.
O verbo conseguir, à semelhança de outros verbos como desejar, querer ou tentar, tem algumas propriedades análogas às de um verbo auxiliar mais típico (como o verbo ir, por exemplo). Nestes casos, este verbo forma com o verbo principal uma locução verbal, podendo o clítico estar antes do verbo auxiliar (ex.: eu não me vou deitar cedo; eu não me consigo deitar cedo) ou depois do verbo principal (ex.: eu não vou deitar-me cedo; eu não consigo deitar-me cedo). Isto acontece porque o verbo considerado auxiliar ou semiauxiliar pode formar com o verbo que o sucede uma locução verbal coesa, como se fosse um só verbo (e, nesse caso, o clítico é atraído pela partícula de negação não e desloca-se para antes da locução verbal) ou, por outro lado, o verbo conseguir pode manter algumas características de verbo pleno (e, nesse caso, o clítico me pode manter-se ligado ao verbo principal deitar, de que depende semanticamente). Nenhuma das duas construções pode ser considerada incorrecta, apesar de a segunda ser frequentemente considerada preferencial.

Nesta frase, o marcador de negação (o advérbio não) está claramente a negar o verbo conseguir e é semanticamente equivalente a "eu deito-me tarde, porque não sou capaz de me deitar cedo". Se estivesse a negar o verbo deitar-se (eu consigo não me deitar cedo), teria um valor semântico diferente, equivalente a "eu sou capaz de me deitar tarde", devendo nesse caso o clítico estar colocado antes do verbo deitar.

pub

Palavra do dia

za·gai·ar za·gai·ar

- ConjugarConjugar

(zagaia + -ar)
verbo transitivo

1. Arremessar zagaia, tipo de lança curta.

2. Ferir ou matar com esse tipo de lança.

verbo transitivo e intransitivo

3. [Pesca]   [Pesca]  Pescar com zagaia, tipo de engodo artificial.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/lata [consultado em 27-09-2021]