Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

secos e molhados

secoseco | adj. | n. m. | n. m. pl.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

se·co |ê|se·co |ê|


(latim siccus, -a, -um, seco, magro, sadio, sóbrio, insensível)
adjectivo
adjetivo

1. Que não tem água ou humidade. = ENXUTOHÚMIDO, MOLHADO

2. A que foi retirada a humidade.

3. Sem vegetação. = ÁRIDO, DESÉRTICOFÉRTIL

4. Que perdeu o viço. = MURCHO, RESSEQUIDO

5. Que não tem muita gordura. = DESCARNADO, MAGRO

6. Que é de poucas palavras; que não demonstra afecto. = ÁSPERO, DESCORTÊSAMÁVEL

7. Que se não comove. = INSENSÍVEL, RUDE, SEVEROSENSÍVEL

8. Que não tem ornamentos (ex.: notícia seca).

9. [Informal]   [Informal]  Que está esgotado ou despejado.

10. Que é áspero e curto, sem ressonância (ex.: ruído seco).

11. Sem suavidade (falando-se de obras de arte).

nome masculino

12. Baixio de areia que a vazante deixa a descoberto.

13. Lugar sem água.


secos
nome masculino plural

14. [Brasil]   [Brasil]  Conjunto de géneros alimentares sólidos ou secos que se vendem geralmente em mercearias e outras lojas de retalho, por oposição aos molhados.


secos e molhados
Conjunto de géneros alimentares sólidos e líquidos que se vendem geralmente nas mercearias e em outras lojas de retalho.

Tipo de comércio a retalho em que se vende esse conjunto de géneros alimentares.

Confrontar: ceco.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "secos e molhados" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

até a saída de Ruy e o falecimento de Magro. Genesis se tornou outra banda sem Peter Gabriel, mas sobreviveu bem. Supertramp sem Roger Hodgson é mais difícil de aceitar. O Yes atual não tem nenhum integrante fundador. Os Secos e Molhados voltaram em 1978 e desde então persistem com as mais diversas

Em Blog do Emilio Pacheco

agências de notícias e os portais que dominam a veiculação das notícias. É comum, repetindo as palavras de Millôr Fernandes de que “Imprensa é oposição, o resto é secos e molhados ”, que os jornalistas sejam oposição ao governo (embora a moda tenha se acentuado, agora, pois, passaram anos aplaudindo

Em Vis

estouraram os Secos e Molhados . Eu tinha 13 anos naquela época, e foi deles o meu primeiro show da vida. O teatro ficou no escuro, uma luz estroboscópica começou a piscar e de repente lá estava ele materializado no palco, rodopiando feito um dervixe. Essa entrada triunfal estragou todos os outros shows do

Em www.tonygoes.com.br

Ney de Souza Pereira ( Bela Vista , 1 de agosto de 1941 ), mais conhecido como Ney Matogrosso , é um cantor , diretor e ator brasileiro . Ex-integrante dos Secos & Molhados (1973-1974), foi o artista que mais se sobressaiu do grupo após iniciara sua carreira a solo com o disco Água do Céu - Pássaro

Em Geopedrados

Secos e Molhados , seu romance com Cazuza, o Santo Daime, a terapia Fischer-Hoffman e outros amores do cantor. O livro sai às vésperas dos 80 anos de Ney Matogrosso (que serão completados em 1º de agosto) e chega para ser uma obra definitiva. Mais do que recomendado.

Em Blog do Emilio Pacheco
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.




Qual o significado e origem da locução latina "et al", e como deve ser lida?
A abreviatura et al., redução da expressão latina et alii que significa literalmente “e outros”, é usada em referências bibliográficas para indicar que uma obra tem outros autores para além dos que são explicitamente nomeados (ex.: Maria Helena Mira MATEUS et al., Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 5.ª ed., 2003; Maria Helena Mira MATEUS, Ana Maria BRITO, Inês DUARTE, Isabel Hub FARIA et al., Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 5.ª ed., 2003; refira-se que a obra citada tem 9 autores).
A leitura desta abreviatura deve corresponder à forma por extenso (et alii), dado que às abreviaturas não corresponde uma leitura abreviada, mas a leitura daquilo que representam (por exemplo, à 5.ª ed. corresponderá a leitura quinta edição).

pub

Palavra do dia

za·gai·ar za·gai·ar

- ConjugarConjugar

(zagaia + -ar)
verbo transitivo

1. Arremessar zagaia, tipo de lança curta.

2. Ferir ou matar com esse tipo de lança.

verbo transitivo e intransitivo

3. [Pesca]   [Pesca]  Pescar com zagaia, tipo de engodo artificial.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/secos%20e%20molhados [consultado em 27-09-2021]