Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

rapte

1ª pess. sing. pres. conj. de raptarraptar
3ª pess. sing. imp. de raptarraptar
3ª pess. sing. pres. conj. de raptarraptar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

rap·tar rap·tar

- ConjugarConjugar

verbo transitivo

1. Praticar rapto em.

2. Arrebatar; roubar.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "rapte" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Anagramas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


É correcta a frase As PME's enfrentam dificuldades? Existe plural de PALOP e de TIC?
A flexão das siglas e dos acrónimos coloca frequentemente dúvidas aos utilizadores da língua, assim como a flexão das abreviaturas e dos símbolos. Neste contexto, é útil esclarecer cada um destes termos, para poder obter uma resposta coerente às dúvidas sobre flexão em número.

Uma sigla é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: PME = Pequena e Média Empresa), usado como uma única palavra pela soletração das letras que o compõem (ex.: P = [pe], M = [Èmi], E = [È]); como tal, pode também corresponder ao plural de uma ou mais dessas palavras, sem que as iniciais se alterem (ex.: EUA, por exemplo, é uma sigla que corresponde a um plural, Estados Unidos da América, sem que seja necessário uma marca dessa flexão). Por este motivo, não haverá razão lógica para acrescentar um esse (-s) às siglas referidas: deverá escrever-se os CD (os Compact Discs) ou as PME (as Pequenas e Médias Empresas).

Um acrónimo é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: EPAL), usado como uma única palavra e pronunciado não pela soletração de cada uma das letras, como as siglas, mas de forma contínua, como um nome comum (ex.: EPAL lê-se [È'pal] e não [Èpea'Èli]). Assim, pelo mesmo motivo apontado para as siglas, deverá escrever-se os PALOP (os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) ou as TIC (as Tecnologias de Informação e Comunicação). Ainda em relação aos acrónimos, deve dizer-se que estes se transformam por vezes em nomes comuns (ex.: sida < Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, cedê < CD < Compact Disc), obedecendo às regras gerais de ortografia e assumindo então as regras gerais de flexão (ex.: A sida em África é diferente das outras sidas?; Comprou vários cedês.).

Uma abreviatura corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que faz parte de uma palavra e a representa na escrita (ex.: Dr. < Doutor), mas que não tem em geral um correspondente fonético (a abreviatura Dr. ler-se-á doutor e não como [dri] ou com soletração das letras [de'ÈRi]), sendo que muitas vezes estas abreviaturas admitem as marcas de flexão, entendendo-se que constituem abreviaturas de palavras diferentes (ex.: Dr.ª, Dr.as).

Um símbolo corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que estabelece, geralmente por convenção, uma relação de correspondência com uma unidade de medida (km = quilómetro(s); V = volt(s); Y = ítrio) ou um conceito (cos = cosseno, SO = sudoeste), não havendo geralmente um correspondente fonético (ex.: V ler-se-á volt), nem marcação de flexão (ex.: corrente de 220V ler-se-á volts), pois trata-se muitas vezes de símbolos estabelecidos internacionalmente ou com um valor bastante difundido, nomeadamente em áreas científicas, e têm de ser únicos e unívocos.

No caso das siglas, acrónimos e abreviaturas, é muito usual o uso das marcas de flexão em alguns casos, nomeadamente com adjunção de -s no final (ex.: PMEs). Tal uso, não sendo proscrito pelas regras de ortografia portuguesa (o acordo ortográfico em vigor é omisso nesse aspecto), carece de motivo lógico, como acima foi defendido e obrigaria, por exemplo, no caso de se considerar que se trata de uma aplicação das regras gerais de flexão, a adaptações ortográficas no caso de siglas ou acrónimos terminados em consoantes (ex.: PALOPes).

O apóstrofo ou a plica antecedendo o -s (ex.: *PME’s) não deverá ser usado, pois não é um mecanismo de flexão da língua portuguesa.




A palavra Pêra do nome de localidades como Castanheira de Pêra perde o acento com o novo Acordo Ortográfico?
Na "Base XXI" do Acordo Ortográfico de 1990 (assim como estava na Base L do Acordo Ortográfico de 1945), está salvaguardado que os antropónimos e nomes comerciais poderão manter a ortografia de como foram registados, afirmando-se: "Para ressalva de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costume ou registo legal, adote na assinatura do seu nome.
Com o mesmo fim, pode manter-se a grafia original de quaisquer firmas comerciais, nomes de sociedades, marcas e títulos que estejam inscritos em registo público."

Não há, como se vê, qualquer excepção relativa aos topónimos, podendo então afirmar-se que os nomes próprios de lugares sofrem as alterações ortográficas preconizadas pelo texto legal. Assim, um topónimo como Castanheira de Pêra, deverá, segundo a "Base IX", ponto 9.º, passar a grafar-se Castanheira de Pera. Da mesma forma, e segundo o mesmo ponto da mesma base, o topónimo Côa deverá passar a grafar-se Coa; Tróia, segundo o ponto 3.º dessa "Base IX", deverá passar a grafar-se Troia (aliás, neste ponto, o topónimo Azoia faz parte dos exemplos do texto legal). Também a "Base IV" poderá alterar alguns topónimos, como é o caso de Egipto passar a grafar-se Egito (este é também um exemplo usado no ponto 1.º, alínea b) desta base do texto legal).

Se as alterações ortográficas em geral provocam reacções apaixonadas, as alterações em topónimos e gentílicos provocam-nas ainda mais. Se para a população do Egipto deverá ser indiferente que o topónimo se escreva em português com ou sem p, é provável que haja mais resistências da parte dos naturais ou habitantes dos topónimos portugueses ou brasileiros cuja ortografia sofre alteração.
No entanto, para relativizarmos esta questão, será útil atentar, por exemplo, ao caso de reacções de alguns naturais ou habitantes do estado brasileiro do Acre em relação à grafia do gentílico acriano e não acreano (cf. "Base V", 2.º, alínea c). Esta indicação de escrever com i e não com e os derivados em que entram os sufixos -iano e -iense não estava prevista no Formulário Ortográfico de 1943, que regulava a ortografia brasileira (daí a reacção de alguns habitantes do Acre), mas estava no texto de 1945 (que é o documento legal que regula a ortografia da norma portuguesa anterior ao Acordo de 1990), que fez com que, por exemplo, o gentílico açoriano passasse a ser a única forma correcta, em detrimento da forma açoreano, apesar de ser possível encontrar ainda as grafias açoreano e açoreana, nomeadamente em textos antigos e em nomes comerciais.

Por contraponto a esta relativização, refira-se ainda a grafia do topónimo Bahia na norma brasileira do português (Baía na norma portuguesa, o que institui mais uma divergência ortográfica que se mantém mesmo após a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990), que constitui uma excepção a todas as indicações ortográficas portuguesas e brasileiras anteriores ou posteriores ao Acordo de 1990 para o uso do h, mas que ainda assim se consagrou no português do Brasil.

pub

Palavra do dia

or·ni·to·fi·li·a or·ni·to·fi·li·a


(ornito- + -filia)
nome feminino

1. Interesse, geralmente amador, pela observação e pelo estudo das aves.

2. [Botânica]   [Botânica]  Polinização das flores feita por aves.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/rapte [consultado em 15-05-2021]