Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
arrecadaarrecada | s. f.
3ª pess. sing. pres. ind. de arrecadararrecadar
2ª pess. sing. imp. de arrecadararrecadar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ar·re·ca·da ar·re·ca·da
(origem controversa)
substantivo feminino

Brinco para as orelhas, geralmente em forma de argola filigranada (ex.: arrecadas de ouro).


ar·re·ca·dar ar·re·ca·dar - ConjugarConjugar
verbo transitivo

1. Guardar para conservar.

2. Meter no bolso.

3. Tomar posse de.

4. Receber.

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


De acordo com as regras de colocação pronominal, usa-se próclise após advérbios e ênclise após gerúndios, sem o EM. Sendo assim, como ficaria a frase: quase o arrastando ou quase arrastando-o?
No português de Portugal, se não houver algo que atraia o clítico para outra posição, a posição padrão é a ênclise, isto é, a colocação do clítico depois do verbo (ex.: Ele arrastou-o).

Para o português do Brasil, a posição padrão é a próclise, isto é, a colocação do clítico antes do verbo (ex.: Ele o arrastou).

Tanto na norma de Portugal, como na norma do Brasil, a maioria dos advérbios e das preposições têm a propriedade de atrair o clítico, motivo pelo qual, com a utilização do gerúndio antecedido da preposição em ou do advérbio quase, o clítico é habitualmente colocado antes da forma verbal (ex.: em o arrastando; quase o arrastando).




Gostaria de esclarecimento quanto ao uso do se não e senão.
Para a distinção entre a palavra senão e a locução se não, é necessário analisar os contextos em que as mesmas ocorrem.

A palavra senão pode ter vários usos, consoante a classe gramatical a que pertence. Como preposição, é usada antes de grupos nominais ou frases infinitivas para indicar uma excepção ou uma restrição, geralmente em frases negativas (ex.: não comeu nada senão chocolates; não fazia senão resmungar; não teve alternativa senão refazer o trabalho) ou interrogativas (ex.: que alternativa tenho senão refazer tudo? fazes outra coisa senão dormir?). Como conjunção, a palavra é usada para introduzir uma frase subordinada que indica uma consequência se houver negação do que é dito na oração principal (ex.: estuda, senão terás negativa no teste = não estudas, então tens negativa no teste). Pode ainda ser substantivo, indicando uma “qualidade negativa” (ex.: a casa tem apenas um senão: é muito fria no Inverno).

Os contextos acima (especialmente aquele em que senão é conjunção) são frequentemente confundidos com o uso da palavra se seguida do advérbio não. De entre os valores de se (enunciados na resposta se: conjunção ou pronome), os que mais frequentemente aparecem combinados com o advérbio não são os de conjunção condicional (ex. poderá incorrer em contra-ordenação, se não respeitar o código da estrada; agiu como se não tivesse acontecido nada) e de conjunção integrante (ex.: perguntou se não havia outra solução; verificou se não se esquecera de nada).

A confusão que alguns falantes fazem entre estas construções advém adicionalmente do facto de o uso como conjunção senão poder ocorrer algumas vezes no mesmo contexto do uso da conjunção condicional se. Por exemplo, na frase estuda, senão terás negativa no teste é possível admitir o uso da conjunção se seguida do advérbio não, partindo da hipótese de que se pode tratar de uma oração condicional em que o verbo está omitido (estuda, se não [estudares] terás negativa no teste). O uso da locução se não nos contextos de senão como preposição e como substantivo é incorrecta (ex.: *não comeu nada se não chocolates; *a casa tem apenas um se não) e vice-versa (ex.: *agiu como senão tivesse acontecido nada; *verificou senão se esquecera de nada).

Há outros contextos mais raros em que há ocorrência de se seguido de não, como na inversão da ordem normal do advérbio e do pronome clítico se (ex.: é bom que se não experimente uma tragédia semelhante = que não se experimente).

pub

Palavra do dia

su·bóp·ti·mo |ót| su·bó·ti·mo su·bó·ti·mo
(latim optimus, -a, -um, superlativo de bonus, -a, -um, bom)
adjectivo
adjetivo

Que não atinge a mais alta qualidade; que corresponde a um padrão abaixo de óptimo (ex.: o desempenho ainda está num nível subóptimo).


• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: subótimo.
• Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990: subóptimo.


• Grafia no Brasil: subótimo.

• Grafia em Portugal: subóptimo.
pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/arrecada [consultado em 27-06-2019]