Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

traga

1ª pess. sing. pres. conj. de trazertrazer
3ª pess. sing. imp. de trazertrazer
3ª pess. sing. pres. conj. de trazertrazer
3ª pess. sing. pres. ind. de tragartragar
2ª pess. sing. imp. de tragartragar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

tra·zer |ê|tra·zer |ê|

- ConjugarConjugar

(latim traho, -ere, arrastar, puxar)
verbo transitivo

1. Ser portador de, conduzir para cá.LEVAR

2. Ocupar ou ter sob as suas ordens. = EMPREGAR, DIRIGIR, GUIAR

3. Ser o condutor de. = CONDUZIR, DIRIGIR, GUIAR

4. Estar com.

5. Ocupar-se em.

6. Fazer aproximar ou aparecer. = ATRAIR

7. Levar vestido ou calçado. = USAR

8. Usar habitualmente.

9. Ter a título de.

10. Dar como prenda ou oferta. = OFERECER, OFERTAR

11. Ser causa de. = CAUSAR, PRODUZIR, PROPORCIONAR

12. Trazer à mente ou fazer sentir. = PRODUZIR, SUGERIR, SUSCITAR

13. Sentir.

14. Infligir.


tra·gar tra·gar

- ConjugarConjugar

(origem obscura)
verbo transitivo

1. Engolir sem mastigar.

2. [Figurado]   [Figurado]  Comer ou engolir com avidez. = DEVORAR

3. Arrastar para dentro de si. = ABSORVER, ENGOLIR, SORVER

4. Submergir.

5. Fazer desaparecer. = ANIQUILAR, DESTRUIR, ENGOLIR

6. Devorar com os olhos, olhar com cólera ou avidez. = ENGOLIR

7. [Figurado]   [Figurado]  Aceitar com tolerância; levar com paciência. = AGUENTAR, ENGOLIR, SOFRER, TOLERAR

8. Acreditar na verdade de algo.

verbo transitivo e intransitivo

9. Inalar fumo ou um gás (ex.: tragar o fumo do cigarro; fumava sem tragar). = ASPIRAR, INSPIRAR

Confrontar: trajar.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "traga" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

traga o piloto de volta"..

Em NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO AVIATION NEWS

Que acabará por tragá -lo, aguardem..

Em www.tonygoes.com.br

possibilidade, não queríamos deixar de realizar este concerto, que esperamos que traga belas surpresas..

Em Portugal Rebelde

Esperamos que o próximo ano traga a possibilidade do reencontro..

Em Escola

...de técnicas desenvolvidas na recuperação do meio ambiente, conseguido fazer com que a mineração traga o mínimo de

Em Manuel Dutra
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.




Devemos colocar um hífen a seguir a "não" em palavras como "não-governamental"? "Não governamental" é igual a "não-governamental"? O novo Acordo Ortográfico de 1990 muda alguma coisa?
A utilização e o comportamento de não- como elemento prefixal seguido de hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual e tem sido justificada por vários estudos sobre este assunto.

Este uso prefixal tem sido registado na tradição lexicográfica portuguesa e brasileira em dicionários e vocabulários em entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como virtualmente qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

O Acordo Ortográfico de 1990 não se pronuncia em nenhum momento sobre este elemento.

Em 2009, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) da Academia Brasileira de Letras (ABL), sem qualquer explicação ou argumentação, decidiu excluir totalmente o uso do hífen neste caso, pelo que as ferramentas da Priberam para o português do Brasil reconhecerão apenas estas formas sem hífen. Sublinhe-se que esta é uma opção que decorre da publicação do VOLP e não da aplicação do Acordo Ortográfico.

Também sem qualquer explicação ou argumentação, os "Critérios de aplicação das normas ortográficas ao Vocabulário Ortográfico do Português"  [versão sem data ou número, consultada em 01-02-2011] do Vocabulário Ortográfico do Português (VOP), desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC), e adoptado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 8/2011 do governo português, aprovada em 9 de Dezembro de 2010 e publicada no Diário da República n.º 17, I Série, pág. 488, em tudo à semelhança do VOLP da ABL, afirmam excluir o uso do hífen nestes casos. A aplicar-se este critério, deve sublinhar-se que esta é uma opção que decorre da publicação do VOP e não da aplicação do Acordo Ortográfico. No entanto, a consulta das entradas do VOP [em 01-02-2011] permite encontrar formas como não-apoiado, não-eu, não-filho, o que implica o efectivo reconhecimento da produtividade deste elemento. Por este motivo, os correctores e o dicionário da Priberam para o português europeu reconhecerão formas com o elemento não- seguido de hífen (ex.: não-agressão, não-governamental). A este respeito, ver também os Critérios da Priberam relativamente ao Acordo Ortográfico de 1990.

pub

Palavra do dia

za·gai·ar za·gai·ar

- ConjugarConjugar

(zagaia + -ar)
verbo transitivo

1. Arremessar zagaia, tipo de lança curta.

2. Ferir ou matar com esse tipo de lança.

verbo transitivo e intransitivo

3. [Pesca]   [Pesca]  Pescar com zagaia, tipo de engodo artificial.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/traga [consultado em 27-09-2021]