Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

político

político-político- | elem. de comp.
políticopolítico | adj. | n. m.
Será que queria dizer POLITICO?
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

político- político-


(grego politikós, -ê, -ón, relativo aos cidadãos)
elemento de composição

Exprime a noção de política (ex.: político-económico).


po·lí·ti·co po·lí·ti·co


(grego politikós, -ê, -ón, relativo aos cidadãos)
adjectivo
adjetivo

1. Relativo à política ou aos negócios públicos (ex.: comentador político).APOLÍTICO

2. Que mostra educação, delicadeza ou cortesia. = CORTÊS, DELICADO, POLIDO, URBANODESCORTÊS, IMPOLÍTICO, INCIVIL, MALCRIADO, MAL-EDUCADO

3. [Figurado]   [Figurado]  Que demonstra astúcia ou inteligência. = ASTUTO, DIPLOMÁTICO, FINÓRIO, LADINO, SAGAZ

4. [Informal]   [Informal]  Indisposto com alguém.

nome masculino

5. Aquele que se entrega à política.

6. Pessoa que exerce cargos públicos ou é versada e hábil nos negócios políticos do Estado ou na arte de governar. = ESTADISTA

7. Conjunto de assuntos relativos à política.


Ver também resposta à dúvida: feminino de político.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "político" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

...enredar pela teia populista que tenta crescer à esquerda e à direita do espectro político ..

Em Nuno de Matos

António Costa, o analista político a criticar António Costa, Primeiro-Ministro de Portugal..

Em Movimento Apartid

...da coordenação regional de pré-campanha, nas regionais Centro e Vale do Jaguari Num encontro político com cerca de 400 pessoas no Clube Comercial de Santa Maria

Em www.rafaelnemitz.com

Museu do Neo-Realismo - exposição « Jorge Vieira - Monumento ao prisioneiro político desconhecido » + exposição « Representações do povo »;;

Em Octanas

...presidente interferiu na Receita e na Polícia Federal para conter investigações contra seu grupo político , comprou uma base dócil de parlamentares, instalou um aliado na Procuradoria-Geral da República...

Em blog0news
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Como devo passar para o discurso indirecto a frase: Eu chamo-me Paula. Discurso indirecto: Ela disse que se chamava Paula? ou Ela disse que se chama Paula?
Na transformação do discurso directo em discurso indirecto de Eu chamo-me Paula, além da passagem da primeira (eu) para a terceira pessoa gramatical (ela) e da introdução de um verbo declarativo (dizer), deverá haver também uma passagem do presente (chamo) para o imperfeito do indicativo (chamava), isto é, a frase Eu chamo-me Paula deverá ser transformada em Ela disse que se chamava Paula. Sobre este assunto, poderá consultar também a resposta discurso directo, discurso indirecto e discurso indirecto livre.



Se me permitem, vou transcrever-vos duas frases que me surgiram e alterei, por senti-las erradas. Agradeço antecipadamente a vossa ajuda. Frase 1: A estabilidade e a sincronização facultam-nos o grau de previsibilidade que precisamos para funcionarmos como indivíduos em grupos sociais e especialmente na economia. Para além de ter corrigido o que precisamos - parece-me que deve ser de que precisamos, lá vem a grande questão. Transformei o funcionarmos em funcionar. De que precisamos para funcionar. Puro instinto, e espero que acertado. Há uma regra geral? Frase 2: E das velhinhas enregeladas, nas escadarias dos edifícios públicos, a tentar vender uma esferográfica ou uma pega de cozinha – os seus únicos pertences. Aqui foi o contrário. Achei que o correcto seria a tentarem vender.
As dúvidas colocadas relativamente às frases 1 e 2 dizem essencialmente respeito ao uso do infinitivo pessoal (ou flexionado) e do infinitivo impessoal (ou não flexionado).

A alteração na frase 1 de "para funcionarmos" para "para funcionar" na oração final não é obrigatória, mas é possível por questões de eufonia e por se tratar do mesmo sujeito da oração relativa (que [nós] precisamos) de que depende; sobre este assunto, por favor consulte a resposta infinitivo em orações adverbiais finais (de notar que se o sujeito estivesse explícito na oração final, esta alteração não seria possível: *o grau de previsibilidade que precisamos para nós funcionar).

A alteração na frase 2 de "velhinhas [...] a tentar vender" para "velhinhas [...] a tentarem vender" também não é obrigatória, e terá igualmente causas eufónicas, uma vez que, neste contexto de infinitivo antecedido da preposição a e sem verbo auxiliar, pode ocorrer tanto o infinitivo pessoal como o infinitivo impessoal. Este tipo de estrutura pode ser substituído por um gerúndio (ex.: "velhinhas [...] tentando vender"), pelo que se designa por infinitivo gerundivo (cf. Maria Helena Mira MATEUS et al., Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 5.ª ed., 2003, pp. 643-645) e também por infinitivo de narração ou infinitivo histórico (cf. Celso CUNHA e Lindley CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Lisboa: Sá da Costa, p. 483 e Evanildo BECHARA, Moderna Gramática Portuguesa, Rio de Janeiro: Lucerna, 37.ª ed., 2002, p. 284 e p. 528).

Relativamente à alteração de "que precisamos" para "de que precisamos", por favor consulte as respostas convencido de que e regência de precisar.

pub

Palavra do dia

ra·bir·rui·vo ra·bir·rui·vo


(rabo + -i- + ruivo)
adjectivo
adjetivo

1. Que tem a cauda ruiva.

nome masculino

2. [Ornitologia]   [Ornitologia]  Designação dada a diversas aves da família dos muscicapídeos, do género Phoenicurus. = RABIRRUIVA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/pol%C3%ADtico [consultado em 21-05-2022]