Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
conceitue (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico e norma brasileira)
concentre (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico e norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Qual a forma correcta: caboverdiano ou cabo-verdiano?
Como se poderá verificar pela consulta do verbete cabo-verdiano no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa ou pela consulta de outros dicionários ou vocabulários de referência, a grafia a adoptar deverá ter hífen. Além de ser esta a forma registada na maioria dos dicionários gerais de língua, é também a forma preconizada pelo Acordo Ortográfico de 1945 (na base XXVIII) e pelo Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, de Rebelo GONÇALVES (Coimbra: Atlântida, 1947, p. 215), uma vez que "Os compostos onomásticos [...] têm os seus derivados directos escritos com hífen [...] sempre que eles assentem em mais do que um dos seus membros: belo-horizontino, de Belo Horizonte; cabo-verdiano, de Cabo Verde; campo-maiorense, de Campo Maior; castelo-vidense, de Castelo de Vide [...]".

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada relativamente a este assunto.




Sou espanhola estudante de português e encontro muita dificuldade para saber quando uma palavra termina em -ção ou em -cção. Por exemplo: é ação ou acção? fração ou fracção? deteção ou detecção? Existe alguma regra para eu poder construir correctamente estas palavras? Tenho pesquisado muito mas todos os meus esforços foram vãos.
A dúvida apresentada parece dizer respeito à diferença ortográfica entre as normas do português europeu (seguida, em geral, em Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Região Administrativa Especial de Macau) e o português brasileiro.

Nos exemplos apontados, a diferença surge porque no português europeu as consoantes mudas etimológicas são mantidas na ortografia, enquanto no português do Brasil são eliminadas em alguns casos e facultativas noutros (especialmente se a pronúncia oscilar). No caso da aprendizagem do português como língua estrangeira, esta divergência ortográfica entre as duas normas pode criar sérios problemas na aprendizagem da ortografia. Nenhuma das normas deve ser desvalorizada, mas, neste aspecto, os alunos deverão ter claramente presente qual a norma que estão a estudar (normalmente corresponde à norma que o professor segue, como língua materna ou não) e procurar obras de referência (dicionários, prontuários, gramáticas ou outros) que respeitem essa norma, para evitar confusões desnecessárias. A este propósito, deve referir-se que o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa e a sua Gramática seguem a norma europeia do português; as respostas às Dúvidas Linguísticas são escritas respeitando a ortografia da norma europeia, apesar de o conteúdo de muitas delas dizer respeito à norma brasileira; o FLiP contém ferramentas linguísticas quer para o português europeu quer para o português do Brasil.

Para a sistematização de algumas diferenças entre o português europeu e o português do Brasil, por favor consulte também outra dúvida relativa às variedades de português.

Além do que foi dito anteriormente, a diferença entre a terminação em -ção ou -cção não se deve apenas à diferença entre as normas ortográficas do português, mas a diferenças etimológicas que originaram diferenças de ortografia. Por exemplo, as palavras em -ção que correspondem a nominalizações de verbos (ex.: verbalizar/verbalização) são sempre formadas pelo sufixo -ção (ver também palavras terminadas em -ção e -são). Alguns exemplos podem mesmo ser colocados a par com as terminações -ción e -cción da língua espanhola. Por exemplo, para o português europeu e para o espanhol, as terminações -ção/-ción de inflação/inflación têm a sua explicação no étimo latino de que derivam (inflatio, -onis), do mesmo modo que as terminações -cção/-cción de infracção/infracción têm a sua explicação no étimo de que derivam (infractio, -onis). Estes exemplos apontam para uma clara ligação entre as formas latinas terminadas em -tio, -onis e as formas portuguesas terminadas em -ção e entre as formas latinas terminadas em -ctio, -onis e as formas portuguesas terminadas em -cção.

Palavra do dia

no·ca |ó| no·ca |ó|
(italiano nocca)
nome feminino

1. [Regionalismo]   [Regionalismo]  Articulação das falanges dos dedos. =

2. [Regionalismo]   [Regionalismo]  Esconderijo.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/conna%C3%AEtre [consultado em 18-09-2020]