PT
BR
Pesquisar
Definições



temperado

A forma temperadopode ser [masculino singular particípio passado de temperartemperar] ou [adjectivoadjetivo].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
temperadotemperado
( tem·pe·ra·do

tem·pe·ra·do

)


adjectivoadjetivo

1. Que recebeu têmpera.

2. Que recebeu tempero, adubado.

3. Comedido, moderado.

4. Modificado.

5. Afinado.

6. Delicado; agradável.

7. Nem quente nem frio.

8. Diz-se das zonas terrestres entre os trópicos e os círculos polares.

9. Morno.

temperartemperar
( tem·pe·rar

tem·pe·rar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Colocar substâncias na comida para lhe dar bom sabor. = ADUBAR, CONDIMENTAR

2. Deitar sal em.

3. Tornar mais fraco ou brando.

4. Tornar menos intenso. = AMENIZAR, SUAVIZARINTENSIFICAR

5. [Figurado] [Figurado] Tornar mais moderado. = CONTER, MODERAR

6. Tornar consistente um metal; dar têmpera (ex.: temperar o aço).

7. Tornar mais forte. = AVIGORAR, FORTALECER

8. Misturar, juntar ou acrescentar (algo) a.

9. Conciliar, benquistar, compor, harmonizar.

10. Afinar (um instrumento).

11. [Agricultura] [Agricultura] Registar na charrua ou no arado a altura que a relha deve profundar o solo.


verbo pronominal

12. Moderar-se.

13. Adquirir têmpera. = AVIGORAR-SE, FORTALECER-SE

14. Colocar-se em harmonia. = CONCORDAR, HARMONIZAR-SE

etimologiaOrigem etimológica:latim tempero, -are.

Auxiliares de tradução

Traduzir "temperado" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Qual denominação para a "operação" de passar Francisco a Chico, Helena a Lena, Alice a Lili, etc.
As palavras Chico, Lena ou Lili são hipocorísticos (isto é, nomes próprios usados para designar alguém de maneira informal ou carinhosa) em relação a Francisco, Helena e Alice, respectivamente. Estes três hipocorísticos mostram, contudo, fenómenos diferentes de formação de palavras: em Francisco > Chico há uma redução por aférese acompanhada de alteração expressiva da forma reduzida; em Helena > Lena há uma simples redução por aférese; em Alice > Lili há uma redução com aférese e apócope e com o redobro de uma sílaba. A estes mecanismos pode ainda juntar-se o frequente uso de sufixos aumentativos ou diminutivos (ex. Chicão, Leninha).



Tenho muitas dúvidas em relação ao uso dos verbos. Há verbos que exigem certas preposições e ultimamente tenho sentido dificuldades em distinguir quais são. Por exemplo utiliza-se constar em ou constar de; ter intenção de ou ter intenção para?
A questão colocada toca uma área problemática no uso da língua (e não só em relação aos verbos), pois trata-se de informação lexical, isto é, de uma estrutura que diz respeito a cada palavra ou constituinte frásico e à sua relação com as outras palavras ou outros constituintes frásicos, e para a qual não há regras fixas. Na maioria dos casos, os utilizadores conhecem as palavras e empregam as preposições correctas (ex.: Gosto de chocolate; Tenho um gosto especial por filmes antigos), e normalmente esse conhecimento é tanto maior quanto maior for a experiência de leitura do utilizador da língua.

Há muitos casos, porém, em que surgem dúvidas sobre a preposição a utilizar (ou sequer se deve ser utilizada uma preposição) ou sobre a construção mais correcta de entre várias possíveis. Nestes casos, a resposta raramente se adequa a muitos casos, apenas a pequenos grupos de palavras, e deve ser procurada quase caso a caso (por exemplo, verbos que podem ser sinónimos, como gostar e simpatizar, podem construir-se com estruturas diferentes, como gostar de e simpatizar com).

Assim, e especificamente para os exemplos de constar, pode dizer-se que este verbo é transitivo indirecto, podendo construir-se com as preposições de ou em (ex.: Há várias fases que constam do projecto; Aquele nome não consta na [= em + a] lista). Pode também ser construído com a preposição a, mas já com outro significado (ex.: Constou ao [= a + o] patrão que o funcionário era incompetente). A par destas construções, o verbo pode também ser intransitivo, isto é, não ter complementos (ex.: A incompetência do funcionário já constava; O nome não consta).

Relativamente a (ter) intenção, também é possível a construção com ambas as preposições de e para (com), embora em contextos diferentes, exprimindo com de geralmente a descrição da intenção (ex.: Tenho a intenção de fazer isso hoje; A nossa intenção de ajuda foi mal entendida), e com para com o destinatário da intenção (ex.: A nossa intenção para com o novo colega é a melhor; A minha intenção para esta noite era dormir cedo).

Para esclarecer esta e outras dúvidas afins, é útil ter um ou mais instrumentos de consulta, nomeadamente dicionários de língua com exemplos de uso (por exemplo, o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências/Verbo, o Dicionário Houaiss, do Círculo de Leitores), ou obras específicas sobre regências verbais e nominais (por exemplo, dicionários de regimes de verbos ou de substantivos e adjectivos, como os de Francisco Fernandes, da Editora Globo, ou os da Fim de Século Edições), ou ainda certos prontuários com listas de preposições para verbos, nomes ou adjectivos.