Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

sorteie

1ª pess. sing. pres. conj. de sortearsortear
3ª pess. sing. imp. de sortearsortear
3ª pess. sing. pres. conj. de sortearsortear
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

sor·te·ar sor·te·ar

- ConjugarConjugar

verbo transitivo

1. Determinar ou escolher por sortes.

2. Sortir.

3. Rifar.

4. Variar.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "sorteie" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

...para cada tipo de personagem e após os jogadores escolherem quem entrará no elevador sorteie o perigo..

Em confrariadearton.blogspot.com

Deixem nos comentários qual é o produto que desejem que eu sorteie ..

Em tennagerlab.blogs.sapo.pt

...à jornada de aprendizado eu tornaria a escolha da carta a ser estudada aleatória: sorteie uma três ou quatro cartas e dentre elas o card captor escolhe qual estudará..

Em confrariadearton.blogspot.com

Não sorteie tema: Esse é um conselho muito pessoal meu, de experiência mesmo, já fiquei em...

Em pipocaeferrugem.blogs.sapo.pt

...Visual Basic que: Versão1 Usando as funções Randomize e Rnd, crie um programa que sorteie os números a preencher num boletim do Totoloto O programa deve gerar 5 números...

Em Blog das aulas de ITIC
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Venho por este meio pedir que me tirem uma dúvida relacionada com a palavra bolor: a correcta pronunciação da palavra acima referida é "bolor" (com o mesmo tipo de fonologia que existe em, por ex.: ardor ou timor) ou "bolór" (obviamente sem o uso do acento que coloquei, mas com um som como em pior ou maior). Pessoalmente penso que se pronuncia sem nenhum tipo de acentuação, mas desde que vim estudar para o Porto estou rodeado de gente que diz o contrário.
A pronúncia das palavras em português não obedece, em geral, a critérios de correcção, pois não se trata de uma pronúncia correcta ou incorrecta, mas de variações de pronúncia relacionadas com o dialecto ou o sociolecto do falante. Algumas obras lexicográficas contêm transcrições ou indicações de pronúncia (ou de ortoépia), que mais não são do que referências, e que, como tal, não podem ser tomadas como normativas ou vinculativas.

No caso da palavra bolor, parecem ser consideradas correctas as pronúncias do segundo o como [o] (o símbolo entre parênteses representa no alfabeto fonético internacional o som ô de ardor ou Timor) ou como [ɔ] (o símbolo entre parênteses representa no alfabeto fonético internacional o som ó de pior ou pó), ainda que a pronúncia com o som ô seja estatisticamente mais frequente. Assim, por um lado, o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo GONÇALVES (Coimbra, Coimbra Editora, 1966) e o Grande Dicionário Língua Portuguesa (Porto, Porto Editora, 2004) indicam as duas fonéticas, enquanto o Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro MACHADO (Lisboa, Âncora, 2001), o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências (Verbo, 2001) e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (Lisboa, Círculo de Leitores, 2002) assinalam apenas a pronúncia ô.

Pelo que foi acima apontado, a dúvida colocada diz respeito à qualidade da vogal fonética que corresponde à ortografia, e não a uma acentuação diferente (em ambas as pronúncias, trata-se da mesma sílaba acentuada, bolor). Uma vogal ortográfica (, por exemplo) pode, no português europeu, corresponder a diversas vogais fonéticas (ex.: [u], em bolor), [o] ou [ɔ], em bolor). Esta qualidade da vogal é geralmente fixa em cada palavra (normalmente, o mesmo falante não oscila entre [o] ou [ɔ], em bolor), mas pode alterar-se quando, numa palavra derivada, a sílaba dessa vogal passa de tónica a átona (ex.: bolor [o] ou [ɔ] > bolorento [u]).




Li hoje uma citação de José Régio que dizia: "Um deles morreu lá dentro e ninguém 'no' foi buscar". Pergunto: por que o pronome oblíquo "o" assume nesse caso a forma "no"? Também poderia ser escrito: "...e ninguém o foi buscar"? Poderiam dar também mais algum outro exemplo do uso desse tipo de colocação especial, e como usá-la da maneira correta?
A frase Um deles morreu lá dentro e ninguém no foi buscar é equivalente a Um deles morreu lá dentro e ninguém o foi buscar, com nasalização do pronome átono o após nasal (na sílaba final de ninguém).

O pronome átono o (com as flexões -a, -os, -as) assume regularmente a forma -no (com as flexões -na, -nos, -nas) quando é antecedido de uma forma verbal terminada em nasal (ex.: levem + o = levem-no), normalmente -am, -em, -ão ou -õe (ex.: limpam-no, limpem-no, dão-nos, põe-na, põem-nos).

Este comportamento acontece também, mas não como regra, antes num registo de língua considerado popular, em contextos com o pronome átono antecedido de nasal, nomeadamente em advérbios como não, bem ou pronomes como alguém, ninguém, quem (ex.: espero não na ver; ninguém no sabe; quem nas viu não disse nada).

pub

Palavra do dia

ni·ví·co·la ni·ví·co·la


(latim nix, nivis, neve + -cola)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

Que vive em região em que há neve (ex.: espécies nivícolas).

Confrontar: vinícola.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/sorteie [consultado em 19-01-2022]