Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

heterocaracterização

heterocaracterizaçãoheterocaracterização ou heterocaraterizaçãoheterocaracterização | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

he·te·ro·ca·rac·te·ri·za·ção |âct| ou |ât|he·te·ro·ca·rac·te·ri·za·ção |âct| ou he·te·ro·ca·ra·te·ri·za·ção |ât|he·te·ro·ca·rac·te·ri·za·ção


(hetero- + caracterização)
nome feminino

Caracterização ou descrição de alguém feita por outrem (ex.: o narrador faz a heterocaracterização do protagonista).




• Dupla grafia pelo Acordo Ortográfico de 1990: heterocaraterização.
• Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990: heterocaracterização.


• Grafia no Brasil: heterocaracterização.

• Grafia em Portugal: heterocaraterização.
pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Minha dúvida é a seguinte: Quando eu digo que vou emprestar algo (vou-te emprestar minha camiseta, por exemplo), essa frase está errada? E quando digo que vou emprestar algo de alguém (vou emprestar sua camiseta, por exemplo)? Queria saber se ambas as frases estão corretas, se são ambíguas ou algo do gênero ou se o verbo emprestar tem um jeito certo de ser usado.
O verbo emprestar é transitivo directo e pode significar “transferir ou dar temporariamente alguma coisa”, não necessariamente uma coisa possuída por quem empresta (neste sentido, vou-te emprestar a minha camisa significa vou ceder-te a minha camisa temporariamente e vou emprestar a sua camisa significa vou ceder temporariamente a sua camisa a outra pessoa). No português do Brasil, o verbo emprestar pode significar também “pedir temporariamente uma coisa a outrem” (neste sentido, vou emprestar a sua camisa significa vou pedir temporariamente a sua camisa). Por este motivo, ambas as frases estão correctas, podendo a segunda ser ambígua no português do Brasil.



A palavra vigilidade, que tem origem na palavra vígil, tem suscitado alguma controvérsia na área em que estou envolvido. É um termo que é utilizado nalguns trabalhos de psicologia e por algumas instituições nacionais ligadas aos medicamentos (ex: INFARMED). No entanto, não encontrei a palavra nos dicionários que consultei, inclusivamente o da Priberam. Alternativamente a palavra utililizada é vigilância. Assim, gostaria de saber a vossa opinião sobre este assunto.
Também não encontrámos a palavra vigilidade registada em nenhum dos dicionários ou vocabulários consultados. No entanto, este neologismo respeita as regras de boa formação da língua portuguesa, pela adjunção do sufixo -idade ao adjectivo vígil, à semelhança de outros pares análogos (ex.: dúctil/ductilidade, eréctil/erectilidade, versátil/versatilidade). O sufixo -idade é muito produtivo na língua para formar substantivos abstractos, exprimindo frequentemente a qualidade do adjectivo de que derivam.

Neste caso, existem já os substantivos vigília e vigilância para designar a qualidade do que é vígil, o que poderá explicar a ausência de registo lexicográfico de vigilidade. Como se trata, em ambos os casos, de palavras polissémicas, o uso do neologismo parece explicar-se pela necessidade de especialização no campo da medicina, psicologia e ciências afins, mesmo se nesses campos os outros dois termos (mas principalmente vigília, que surge muitas vezes como sinónimo de estado vígil) têm ampla divulgação.

pub

Palavra do dia

eins·têi·ni·o eins·têi·ni·o


([Albert] Einstein, antropónimo [físico alemão] + -io)
nome masculino

[Química]   [Química]  Elemento químico artificial (símbolo: Es), de número atómico 99. = EINSTÉNIO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/heterocaracteriza%C3%A7%C3%A3o [consultado em 18-04-2021]