PT
BR
Pesquisar
Definições



engaiolavas

A forma engaiolavasé [segunda pessoa singular do pretérito imperfeito do indicativo de engaiolarengaiolar].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
engaiolarengaiolar
( en·gai·o·lar

en·gai·o·lar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Meter em gaiola.DESENGAIOLAR

2. [Informal, Figurado] [Informal, Figurado] Colocar na prisão. = ENGAVETAR, PRENDERDESENGAIOLAR


verbo pronominal

3. Não sair de casa; viver solitário.

etimologiaOrigem etimológica:en- + gaiola + -ar.

Auxiliares de tradução

Traduzir "engaiolavas" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



É correcta a frase As PME's enfrentam dificuldades? Existe plural de PALOP e de TIC?
A flexão das siglas e dos acrónimos coloca frequentemente dúvidas aos utilizadores da língua, assim como a flexão das abreviaturas e dos símbolos. Neste contexto, é útil esclarecer cada um destes termos, para poder obter uma resposta coerente às dúvidas sobre flexão em número.

Uma sigla é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: PME = Pequena e Média Empresa), usado como uma única palavra pela soletração das letras que o compõem (ex.: P = [pe], M = [Èmi], E = [È]); como tal, pode também corresponder ao plural de uma ou mais dessas palavras, sem que as iniciais se alterem (ex.: EUA, por exemplo, é uma sigla que corresponde a um plural, Estados Unidos da América, sem que seja necessário uma marca dessa flexão). Por este motivo, não haverá razão lógica para acrescentar um esse (-s) às siglas referidas: deverá escrever-se os CD (os Compact Discs) ou as PME (as Pequenas e Médias Empresas).

Um acrónimo é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: EPAL), usado como uma única palavra e pronunciado não pela soletração de cada uma das letras, como as siglas, mas de forma contínua, como um nome comum (ex.: EPAL lê-se [È'pal] e não [Èpea'Èli]). Assim, pelo mesmo motivo apontado para as siglas, deverá escrever-se os PALOP (os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) ou as TIC (as Tecnologias de Informação e Comunicação). Ainda em relação aos acrónimos, deve dizer-se que estes se transformam por vezes em nomes comuns (ex.: sida < Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, cedê < CD < Compact Disc), obedecendo às regras gerais de ortografia e assumindo então as regras gerais de flexão (ex.: A sida em África é diferente das outras sidas?; Comprou vários cedês.).

Uma abreviatura corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que faz parte de uma palavra e a representa na escrita (ex.: Dr. < Doutor), mas que não tem em geral um correspondente fonético (a abreviatura Dr. ler-se-á doutor e não como [dri] ou com soletração das letras [de'ÈRi]), sendo que muitas vezes estas abreviaturas admitem as marcas de flexão, entendendo-se que constituem abreviaturas de palavras diferentes (ex.: Dr.ª, Dr.as).

Um símbolo corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que estabelece, geralmente por convenção, uma relação de correspondência com uma unidade de medida (km = quilómetro(s); V = volt(s); Y = ítrio) ou um conceito (cos = cosseno, SO = sudoeste), não havendo geralmente um correspondente fonético (ex.: V ler-se-á volt), nem marcação de flexão (ex.: corrente de 220V ler-se-á volts), pois trata-se muitas vezes de símbolos estabelecidos internacionalmente ou com um valor bastante difundido, nomeadamente em áreas científicas, e têm de ser únicos e unívocos.

No caso das siglas, acrónimos e abreviaturas, é muito usual o uso das marcas de flexão em alguns casos, nomeadamente com adjunção de -s no final (ex.: PMEs). Tal uso, não sendo proscrito pelas regras de ortografia portuguesa (o acordo ortográfico em vigor é omisso nesse aspecto), carece de motivo lógico, como acima foi defendido e obrigaria, por exemplo, no caso de se considerar que se trata de uma aplicação das regras gerais de flexão, a adaptações ortográficas no caso de siglas ou acrónimos terminados em consoantes (ex.: PALOPes).

O apóstrofo ou a plica antecedendo o -s (ex.: *PME’s) não deverá ser usado, pois não é um mecanismo de flexão da língua portuguesa.




Si e consigo só podem ter valor reflexivo ou podem ser usados quando nos dirigimos a alguém a quem tratamos por "você"? Em relação a para si e consigo, já ouvi dizer que só têm valor reflexivo, não sendo substituíveis por "para o senhor"/"com o senhor", mas sim como "para o senhor mesmo" / "com o senhor mesmo".
Os pronomes pessoais si e consigo podem referir-se à terceira pessoa gramatical (ele, ela, eles, elas) ou ao pronome de tratamento você/vocês (que corresponde gramaticalmente, para efeito de concordâncias, à terceira pessoa e é equivalente a formas como o senhor/a senhora/os senhores/as senhoras).

Desta forma, encontramos o pronome si antecedido de preposição referindo-se à terceira pessoa gramatical (ex.: o actor não tem problemas em sair de si [= dele] para encarnar a personagem; os rapazes tomaram o dinheiro para si [= para eles]) para indicar a pessoa ou pessoas de quem se fala, com valor reflexo, mas também para se referir a uma pessoa ou pessoas com quem se fala, no tratamento por você(s) (ex.: você não tem problemas em sair de si [= de você] para encarnar a personagem; vocês tomaram o dinheiro para si [= para vocês]), sendo que este pronome pode ou não estar explícito na frase. Da mesma forma, o pronome consigo pode indicar a(s) pessoa(s) de quem se fala (ex.: ela trouxe o irmão consigo [= com ela]; levaram o material consigo [= com eles]) ou a(s) pessoa(s) com quem se fala (ex.: o seu irmão veio consigo [= com você/com o senhor]?; vocês levaram o material consigo [= com vocês]).

Quando designam a pessoa com quem se fala, os pronomes si e consigo indicam normalmente um tratamento por você(s), equivalente também a outras expressões de tratamento como o senhor/a senhora (ex.: vou combinar consigo a melhor hora para nos encontrarmos), o professor (ex.: gosto muito de si e das suas aulas), o pai (ex.: isto é para si). Neste contexto, estes pronomes normalmente não têm valor reflexo, pois correspondem a pronomes de tratamento. Em alguns casos, porém, podem ter valor reflexo, quando o sujeito corresponde à mesma pessoa do objecto (ex.: diga a senhora qual a melhor hora para si; traga o livro consigo; o pai comprou isto para si?).

É de salientar que o uso dos pronomes si e consigo para referir a pessoa com quem se fala (ex.: falei de si ao meu chefe; falei consigo ao telefone) é mais frequente no português europeu do que no português do Brasil, onde é mais comum o uso das preposições seguidas do pronome você ou vocês (ex.: falei de você a meu chefe; falei com você ao telefone).

Sobre o sistema de tratamento no português, por favor consulte também as respostas vi-os/vi-vos e vós e vocês.