Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

conduta

condutaconduta | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

con·du·ta con·du·ta


(feminino de conduto, do latim conductus, -a, -um, particípio passado de conduco, -ere, conduzir)
nome feminino

1. [Pouco usado]   [Pouco usado]  Acto ou efeito de conduzir ou de guiar. = CONDUÇÃO, DIRECÇÃO

2. [Pouco usado]   [Pouco usado]  Conjunto de pessoas que é conduzido a determinado local. = LEVA

3. Disposição ou conjunto de canos, tubos ou canais, geralmente para transportar fluidos (ex.: conduta de gás; condutas de ar condicionado). = CANALIZAÇÃO, ENCANAMENTO, TUBAGEM

4. Maneira de agir ou de se comportar (ex.: código de conduta; conduta ética; conduta profissional; regras de conduta). = COMPORTAMENTO

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "conduta" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

O moto-taxista deve ser qualificado como testemunha e liberado, porém terá sua conduta investigada através de inquérito da Delegacia de Polícia de São Francisco de Assis..

Em www.rafaelnemitz.com

...e passamos a expor: Gostaria de deixar registrado a minha admiração e elogios à conduta altamente profissional do servidor

Em www.blogdocolares.com

isso, também fizemos um trabalho educativo com orientações importantes sobre esse tipo de conduta ”, explica Bruno..

Em Rede Brasil de Noticias - O Point da Informação

...a decisão da 13ª Vara que determinou que a Ebserh deixasse de praticar qualquer conduta

Em www.blogrsj.com

...foi determinada a instauração de um Processo Administrativo, com o objetivo de julgar a conduta praticada, sob o prisma da ética, apurar responsabilidades com os princípios legais pertinentes ao

Em www.rafaelnemitz.com
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Quando uma carta formal é iniciada por "Eu...", deve de ter o título? "Eu, Dr. João..." ou "Eu, D. Ana..."? No caso de ser Dona, como é a abreviatura? E no caso de ser Dom?
Não há nenhuma norma linguística que impeça a indicação do título do sujeito de um texto formal, como no caso de editais, testamentos ou declarações. No entanto, é mais comum surgir apenas a indicação do nome do sujeito, sem o título, talvez por ser menos ostentatório. A abreviatura de dom ou dona é D. (ex.: D. José, D. Mariana).



Queria perguntar-vos sobre a utilização de em ou no/na antes de nos referirmos a lugares. Porque dizemos no Porto mas não na Lisboa? Porque tanto se diz na França como em França? Existe alguma regra para a utilização ou não de artigo definido (e respectivas contracções) quando nos queremos referir a um local? Por exemplo: porquê dizer fui ao Funchal e não fui a Funchal?
O uso de artigos definidos (o, a os, as) antes de topónimos (isto é, nomes próprios que designam lugares geográficos) não corresponde a uma regra rígida na língua portuguesa. As indicações dadas por gramáticas e prontuários são em geral fluidas e por vezes contraditórias, pelo que as respostas a questões relacionadas com este assunto raramente podem ser peremptórias.

Na Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA (Lisboa, Edições João Sá da Costa, 14.ª ed., 1998, pp. 228-231), são elencadas algumas indicações para o uso ou não do artigo definido com nomes geográficos.

Preconiza-se nomeadamente o uso de artigo antes de nomes de “países, regiões, continentes, montanhas, vulcões, desertos, constelações, rios, lagos, oceanos, mares e grupos de ilhas” (ex.: a Suíça, a Escandinávia, a Europa, o Pico, o Etna, o Sara, o Centauro, o Guadiana, o Tanganica, o Índico, o Adriático, as Baleares), mas facilmente um falante se lembrará de muitos contra-exemplos para estas indicações (a própria gramática lista alguns deles: Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Macau, Timor, Andorra, Israel, São Salvador, Aragão, Castela, Leão).

Do mesmo modo se indica que não se usa geralmente o artigo definido “com os nomes de cidades, de localidades e da maioria das ilhas”, mas logo se apresentam contra-exemplos, nomeadamente os casos de nomes de cidades e localidades que derivam de um substantivo comum (a Guarda, o Porto, o Rio de Janeiro, a Figueira da Foz).

Estas indicações gerais são úteis e correspondem provavelmente à maioria dos casos, mas os muitos casos que as contrariam (é significativa a lista de excepções ou contra-exemplos que as gramáticas apresentam) tornam a decisão de empregar ou não o artigo quase dependente de cada topónimo e da experiência linguística do falante.

Há ainda casos de topónimos como Espanha, França, Itália, Inglaterra ou Chipre em que é oscilante o uso ou não de artigo (ex.: foi viver para (a) Espanha).

O topónimo Funchal é usado sobretudo precedido de artigo (ex.: viajo amanhã para o Funchal; estou no [= em + o] Funchal; vou ao [= a + o] Funchal) e poderá incluir-se na categoria de nomes de cidades ou localidades “que se formaram de substantivos comuns” (CUNHA e CINTRA, p. 230).

pub

Palavra do dia

sal·-ge·ma |ê|sal·-ge·ma |ê|


nome masculino

[Mineralogia]   [Mineralogia]  Sal comum fossilizado, extraído de depósitos naturais (ex.: mina de sal-gema). = HALITE

Plural: sais-gema ou sais-gemas.Plural: sais-gema ou sais-gemas.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/conduta [consultado em 27-06-2022]