Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
chacinachacina | s. f.
3ª pess. sing. pres. ind. de chacinarchacinar
2ª pess. sing. imp. de chacinarchacinar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

cha·ci·na cha·ci·na
(origem controversa)
substantivo feminino

1. Matança e esquartejamento de gado.

2. Carne de porco para curar ou salgar, ou já curada ou salgada.

3. [Figurado]   [Figurado]  Grande número de mortes violentas. = CARNIFICINA, EXTERMÍNIO, MATANÇA, MASSACRE, MORTICÍNIO


cha·ci·nar cha·ci·nar - ConjugarConjugar
(chacina + -ar)
verbo transitivo e intransitivo

1. Preparar (carnes) ao fumo ou ao sol ou salgando-as.

2. Fazer em postas. = ESQUARTEJAR

3. [Figurado]   [Figurado]  Provocar uma grande matança ou assassínio com violência. = ASSASSINAR, MASSACRAR, MATAR

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "chacina" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Na frase dei de caras com um leão, qual a função sintáctica das expressões de caras e com um leão?
A locução verbal dar de caras corresponde a uma expressão idiomática do português, que por esse motivo não é habitualmente decomposta, equivalendo a um verbo como deparar-se ou a outra locução verbal como encontrar subitamente. Na frase apontada, pode no entanto considerar-se a expressão de caras como um modificador adverbial (designado por complemento circunstancial na gramática tradicional), indicando o modo como se processa a acção expressa pelo verbo dar (equivalente, por exemplo a subitamente numa frase como deu subitamente com um leão).
A expressão com um leão pode ser considerada complemento indirecto seleccionado pelo verbo dar, pois com um leão é um complemento nominal introduzido indirectamente pela preposição com.




Na palavra taça (acentuada no primeiro a), quando se forma o diminutivo - tacinha -, o primeiro a passa a pronunciar-se fechado. Que fenómeno fonético explica esta alteração?
Trata-se do processo de elevação e recuo (ou centralização) das vogais átonas no português europeu.

Regra geral, no português europeu, as vogais das sílabas átonas mudam de timbre (em relação ao timbre que têm quando são vogais tónicas) e tornam-se mais altas (no caso das vogais a, e ou o) e mais recuadas na sua produção (no caso da vogal e).

Vejamos alguns exemplos:
a) um [a] tónico passa a [ɐ] quando átono: ex.: fala > falar, falar > falador, fácil > facilidade, sala > salinha;
b) um [e] tónico passa a [i] quando átono: ex.: cedo > cedinho, viver > vive;
c) um [ɛ] tónico passa a [i] quando átono: ex.: vela > veleiro, belo > beleza;
d) um [o] tónico passa a [u] quando átono: ex.: forca > enforcar, molho > demolhar;
e) um [ɔ] tónico passa a [u] quando átono: ex.: cola > colar, foco [o] > focar.

Esta regra tem muitas excepções, motivadas por vezes por contextos específicos (ex.: belo > beldade; fácil > facilmente; só > sozinho), por características lexicais de uma palavra específica (ex.: acto > actor, relato > relator) ou por razões eufónicas ou outras.

pub

Palavra do dia

res·sur·rei·ção res·sur·rei·ção
(latim resurrectio, -onis)
substantivo feminino

1. Acto de ressurgir.

2. Vida nova; renovação.

3. Reaparição.

4. Cura extraordinária, inesperada.

5. Festa em que a Igreja católica festeja a ressurreição de Jesus Cristo.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/chacina [consultado em 21-04-2019]