Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

Pesquisa por "coa" nas definições

rupestre | adj. 2 g.
    Inscrito ou desenhado nas rochas pelos homens primitivos ou pré-históricos (ex.: pinturas rupestres de Vila Nova de Foz Côa)....

coa | contr.
    Contracção da preposição com e do artigo ou pronome a....

barreleiro | n. m.
    Pano por onde se coa a barrela da roupa suja....

breca | n. f.
    Acesso de fúria....

foz-coense | adj. 2 g. | n. 2 g.
    Relativo ou pertencente a Vila Nova de Foz Côa....

sedaço | n. m.
    Instrumento com que se coa o leite....

côa | n. f.
    Acção de coar....

côa | n. f.
    Cauda....

coador | n. m. | adj. n. m.
    Que côa....

Dúvidas linguísticas


Na frase «O sentinela era um jovem soldado sem nome.» está correctamente aplicado o artigo definido masculino singular «O», ou deverá antes aplicar-se o artigo definido feminino «A» precedendo o nome «sentinela»? Em diferentes textos, surgem as duas diferentes formas, o que me levou a aperceber-me de uma vacilação de género; qual a preferível? E em relação a «ordenança» (enquanto soldado)?
A palavra sentinela designa, numa das suas acepções, o soldado ou, em contextos civis, a pessoa encarregada de efectuar a vigilância. Apesar de poder designar uma pessoa de sexo masculino, esta palavra surge nos dicionários como substantivo sobrecomum, registada apenas com o género feminino, à semelhança de outras palavras como criança ou pessoa. Por este motivo, será aconselhável a frase "A sentinela era um jovem soldado sem nome."

Apesar de o caso de ordenança poder parecer semelhante, o registo em dicionários confere-lhe habitualmente classificação lexical de substantivo de dois géneros, o que faz com que seja possível "O ordenança era um jovem soldado sem nome."

Esta questão varia consoante algumas especificidades lexicais de cada palavra, mas também consoante as actualizações lexicográficas feitas pelos dicionários a partir dos usos linguísticos ou de alterações sociais, culturais ou tecnológicas. O caso é porventura um pouco diferente, mas veja-se, a título de exemplo, a palavra segurança, que passou a ter, nas últimas décadas, uma acepção de substantivo de dois géneros.




Qual o significado e origem da locução latina "et al", e como deve ser lida?
A abreviatura et al., redução da expressão latina et alii que significa literalmente “e outros”, é usada em referências bibliográficas para indicar que uma obra tem outros autores para além dos que são explicitamente nomeados (ex.: Maria Helena Mira MATEUS et al., Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 5.ª ed., 2003; Maria Helena Mira MATEUS, Ana Maria BRITO, Inês DUARTE, Isabel Hub FARIA et al., Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 5.ª ed., 2003; refira-se que a obra citada tem 9 autores).
A leitura desta abreviatura deve corresponder à forma por extenso (et alii), dado que às abreviaturas não corresponde uma leitura abreviada, mas a leitura daquilo que representam (por exemplo, à 5.ª ed. corresponderá a leitura quinta edição).

Palavra do dia

ul·tra·con·ge·la·ção ul·tra·con·ge·la·ção


(ultra- + congelação)
nome feminino

Processo de congelação a uma temperatura muito baixa, geralmente inferior a 40 graus negativos, e num curto período de tempo, para melhor conservar características físicas e químicas (ex.: ultracongelação do pescado).

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Pesquisar/coa [consultado em 22-09-2021]