Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
cirzem (norma brasileira)
currem (norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Na frase por defeito é esta a directoria, gostava de saber se o termo por defeito pode ou não ser utilizado. Fui corrigido por alguém que diz que o termo correcto é por omissão.
Para além do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências/Verbo é o único dicionário consultado que regista a locução adverbial por defeito, mas mesmo este dicionário, que habitualmente averba mais locuções do que os outros dicionários de língua, regista apenas uma acepção de por defeito que se opõe a por excesso (ex.: estimou a despesa por defeito), não contemplando a acepção que corresponde ao uso indicado na frase que menciona (por defeito é esta a directoria).
Este último uso é muito frequente para indicar determinada característica ou acção que está de acordo com uma configuração predefinida, por ausência de acção ou de intervenção de um utilizador ou agente.

Apesar de não haver registo na maioria dos dicionários consultados e de haver quem afirme que se trata de um decalque do inglês in default ou by default, não parece haver motivo sólido para condenar esta utilização da locução por defeito, mesmo porque é usada uma locução equivalente noutras línguas românicas como o francês (par défaut), o espanhol (por defecto) ou o catalão (per defecte).

A locução por omissão pode ser uma alternativa, mas, da mesma forma que um dos argumentos para não utilizar por defeito é não ter a palavra defeito uma acepção que indique uma ‘opção seleccionada automaticamente salvo se for indicada outra’, como acontece no inglês, também a palavra omissão não a tem, podendo apenas o seu sentido ser depreendido da acepção que indica ‘o acto de omitir algo’ ou ‘aquilo que é omitido’.

Uma alternativa clara a estas duas locuções poderia ser por predefinição, locução usada em algumas aplicações informáticas.




Estão todos chamando uma mulher presidente de presidenta, isso não está errado? Existe a palavra presidenta?
A palavra presidenta pertence à língua portuguesa.

Podemos fazer esta afirmação, por um lado, porque a palavra tem indesmentivelmente curso na língua (o que é possível aferir através da pesquisa em corpora e em motores de busca) e, por outro lado, porque está registada em todos os dicionários e vocabulários contemporâneos consultados, nomeadamente nas principais obras de referência da lexicografia portuguesa e brasileira, como o Vocabulário da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves (1966) ou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras (5.ª edição, 2009). Não sabemos ao certo desde quando é que este registo lexicográfico é feito, mas a palavra constava já do Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Cândido de Figueiredo (1913) ou do Vocabulário Ortográfico e Remissivo da Língua Portuguesa de Gonçalves Viana (1914).

Refira-se ainda que Cândido de Figueiredo regista este vocábulo como neologismo (em 1913, pelo menos) e abona o seu verbete com uma referência à obra As Sabichonas, de António Feliciano de Castilho (1872), versão livre da comédia de Molière Les Femmes Savantes, onde a personagem Pancrácio se dirige várias vezes à personagem Teodora como "presidenta". Também Machado de Assis, na obra Memórias Póstumas de Brás Cubas, utiliza esta palavra: "Na verdade, um presidente, uma presidenta, um secretário, era resolver as coisas de um modo administrativo."

No entanto, como na maioria das questões linguísticas, o problema não se esgota aqui e inclui variáveis de ordem social, cultural ou mesmo política que têm de ser analisadas ou pelo menos ponderadas, o que origina a impossibilidade de respostas peremptórias neste campo.

Os dicionários veiculam frequentemente informações relativas ao uso das palavras, por vezes baseadas em critérios estatísticos (que é cada vez mais o caminho da lexicografia contemporânea), outras vezes baseadas no conhecimento linguístico dos lexicógrafos ou numa combinação de ambos. O registo encontrado nos dicionários para a palavra presidenta não é uniforme, e esta palavra ora surge sem qualquer indicação de uso (é o caso do Dicionário Houaiss ou do Dicionário Aurélio), ora é apresentada como fazendo parte de um registo de língua familiar (Dicionário Aulete) ou popular (Infopédia). Nestes últimos casos, os registos do dicionário indicam-nos que o uso da palavra em situações de formalidade ou em que se pretende um discurso irrepreensível é desaconselhado, mas esta informação não é consensual.

Os cargos de presidência e de chefia têm sido, durante muitos anos, maioritariamente desempenhados por pessoas do sexo masculino e os substantivos correspondentes foram sendo registados na tradição lexicográfica como substantivos masculinos, reflectindo esse facto. À medida que a sociedade se vai alterando, torna-se necessário designar novas realidades, como seja o caso da feminização de alguns cargos, decorrente do acesso da população feminina a tais lugares.

A palavra presidente, durante muito tempo apenas substantivo masculino, passou a ser usada e registada nos dicionários como substantivo de dois géneros ou comum de dois (ex.: o presidente, a presidente). O uso de presidenta como feminino de presidente corresponde a um padrão raro em português, podendo ser encontrado em formas como giganta, infanta ou parenta, mas este uso tem sido feito ultimamente também como afirmação política, social ou cultural, nomeadamente de cariz feminista, de que são exemplos Dilma Rousseff, na presidência do Brasil, ou, a um nível mais restrito, Pilar del Rio, na presidência da Fundação Saramago.

Palavra do dia

in·grês in·grês
(alteração de inglês)
adjectivo e substantivo masculino
adjetivo e substantivo masculino

1. [Popular]   [Popular]  O mesmo que inglês.

substantivo masculino

2. [Antigo]   [Antigo]  Variedade de tecido (ex.: gibão de ingrês).


Ver também dúvida linguística: ingrês e froco.
pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/%5Bkurzem%5D [consultado em 19-02-2020]