Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

rubrica

rubricarubrica | n. f.
3ª pess. sing. pres. ind. de rubricarrubricar
2ª pess. sing. imp. de rubricarrubricar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ru·bri·ca |brí|ru·bri·ca |brí|


(latim rubrica, -ae, ocre vermelho, tinta vermelha, lei)
nome feminino

1. Argila avermelhada. = ALMAGRE

2. Letra ou linha inicial de um capítulo escrita em vermelho, em códices antigos.

3. [Religião]   [Religião]  Nota em letra vermelha nos breviários, missais, etc.

4. Título dos capítulos de livros de direito.

5. Nota ou apontamento.

6. Assinatura curta ou abreviada.

7. Cifra que muitas pessoas fazem no fim dos seus nomes.

8. Parte ou secção regular de um programa ou de uma publicação, geralmente temática.

9. [Cinema, Teatro, Televisão]   [Cinema, Teatro, Televisão]  Indicação dos movimentos e gestos dos actores, consignado nos respectivos papéis.

10. [Música]   [Música]  Indicação de como deve ser executada uma peça musical.


Ver também resposta à dúvida: pronúncia de rubrica.

ru·bri·car ru·bri·car

- ConjugarConjugar

(rubrica + -ar)
verbo transitivo

1. Pôr rubrica em.

2. Firmar, assinar.

3. Assinalar.


Ver também resposta à dúvida: pronúncia de rubrica.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "rubrica" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal...

Em Castelo Branco - O ALBICASTRENSE

** Rubrica do "PÚBLICO" *** Entrevista de Vítor Belanciano FONTE: PÚBLICO ..

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata

..."OS CIENTISTAS JÁ AVISARAM"* Temos de pensar num acordo global para a biodiversidade * Rubrica

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata

...DINHEIRO" COMENTÁRIO DIÁRIO "SOCIALISMO DO PIOR" 11/01/21 * Como é nosso hábito apresentamos nesta rubrica as mais diversas opiniões, não concordamos com todas mas pugnamos pela diversidade, no presente

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata

LVIII- MEGA MÁQUINAS 3-O Poder de Voar O título da rubrica MEGA MÁQUINAS não se conforma apenas com as enormes dimensões de algumas que temos...

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Venho por este meio para me tirarem uma dúvida que é a seguinte: Quando uma pessoa muda de uma região para a outra, mas dentro do próprio país, como se diz? Emigrar ou Imigrar? E quando uma pessoa vai para outro país para trabalhar e para viver?
Os verbos emigrar e imigrar têm em comum o significado de migrar, e apenas diferem no ponto de vista, isto é, emigrar é "sair, temporária ou definitivamente, do seu país ou região" e imigrar é "entrar e fixar-se, periódica ou definitivamente, num outro país ou região" (o mesmo se aplica aos respectivos derivados, como emigrante/imigrante, emigração/imigração). Esta diferença deve-se ao facto de o verbo emigrar conter, já em latim, um elemento e- ou ex-, que deriva da preposição latina ex e que indica "movimento para fora", da mesma forma que o verbo imigrar contém um elemento i- ou in-, que deriva da preposição latina in e que indica "movimento para dentro".

Assim, pode dizer-se, por exemplo, que um português que vai trabalhar para o estrangeiro emigra, relativamente a Portugal (ex.: o pai dele emigrou aos 17 anos; estava a pensar emigrar para a Austrália), e imigra, relativamente ao país de acolhimento (ex.: a família imigrou e já vive neste país há uma década); da mesma forma, um estrangeiro que veio trabalhar para Portugal é imigrante neste país (ex.: os imigrantes permitem rejuvenescer a população envelhecida) e emigrante no seu país de origem (ex.: todos os meses, o emigrante envia dinheiro à família).

Como foi dito acima, qualquer um destes verbos (e ainda o verbo migrar) pode ser usado tanto para uma acção de mudança de país como de região (ex.: abandonaram o cultivo dos campos e emigraram para a cidade; imigrara vinte anos antes, vindo dos Açores).




É correcto dizer Explicações do 5º ao 12º anos?
A expressão a usar deverá ser preferencialmente explicações do 5.º ao 12.º ano.

Trata-se de uma expressão para indicar um intervalo que tem como limites o 5.º ano e o 12.º ano, em dois sintagmas nominais diferentes, com utilização da preposição de em correlação com a preposição a. A expressão será equivalente a explicações do 5.º ano ao 12.º ano, sem a elisão (usual para evitar repetição) da primeira referência a ano, pelo que, do ponto de vista lógico, não há motivo para colocar ano no plural, pois serão sempre dois sintagmas diferentes, um indicando o limite inicial e outro o limite final.

Esta dúvida surge provavelmente por analogia com outras construções em que há dois ou mais sintagmas nominais que desempenham exactamente a mesma função gramatical, nomeadamente estruturas de coordenação, copulativas (ex.: o 5.º e 6.º anos não tiveram aulas) ou disjuntivas (ex.: a ficha destina-se ao 5.º ou 6.º anos), em que os sintagmas nominais podem inclusivamente ser substituídos por um único grupo nominal ou pronome (ex.: esses anos não tiveram aulas; a ficha destina-se a ambos os anos). O mesmo tipo de substituição não pode ser feito no exemplo referido na questão colocada, pois perder-se-ia a indicação dos limites.

pub

Palavra do dia

con·ge·ni·al con·ge·ni·al


(con- + genial)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Conforme ao génio ou à índole de alguém ou de alguma coisa (ex.: era a rebeldia congenial da adolescência). = INERENTE

2. Próprio por natureza; que vem desde o nascimento (ex.: sentimentos congeniais; virtude congenial). = CONATO, CONGÉNITO, INATO, INGÉNITO, NATO, NATURAL

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/rubrica [consultado em 02-12-2021]