Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

poder

poderpoder | v. tr. | v. tr. e intr. | v. intr. | v. auxil. | n. m. | n. m. pl.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

po·der |ê|po·der |ê|

- ConjugarConjugar

(latim vulgar *potere, do latim possum, posse, ser capaz de, poder)
verbo transitivo

1. Ter a faculdade de (ex.: eu posso fazer o que me apetecer).

2. Ter ocasião ou possibilidade de (ex.: não pôde falar com ele ontem).

3. Estar sujeito a (ex.: cuidado que podes cair).

4. Ter autorização ou permissão para (ex.: os filhos dele ainda não podem sair até tarde).

5. Estar em condições para (ex.: posso conduzir porque não bebi álcool).

6. Ter direito, razão ou motivo para (ex.: tenho de ir para casa porque os gatos podem estar com fome).

7. Suportar, tolerar (ex.: ela não pode com os amigos do marido).

8. Ter capacidade ou força para (ex.: não pode ver cenas de violência).

9. Ter autoridade para (ex.: ele acha que pode dizer o que quiser, porque é o patrão).

verbo transitivo e intransitivo

10. Ter força física ou moral para (ex.: ainda é novo mas já pode com muitos quilos; não posso com estes sacos; é mulher, mas pode como qualquer homem).

verbo intransitivo

11. Ter força, possibilidade, autoridade, influência para (ex.: ela acha que pode e faz).

verbo auxiliar

12. Usa-se seguido de infinitivo para indicar possibilidade de ocorrência (ex.: isso pode acontecer) ou pedido de autorização (ex.: posso entrar?).

nome masculino

13. Possibilidade, faculdade.

14. Força física, vigor do corpo ou da alma.

15. Império, soberania.

16. Mando, autoridade.

17. Força ou influência.

18. Posse, jurisdição, domínio, faculdade, atribuição.

19. Governo de um Estado.

20. Importância, consideração.

21. Grande quantidade, abundância.

22. Força militar.

23. Eficácia, efeito, virtude.

24. [Jurídico, Jurisprudência]   [Jurídico, Jurisprudência]  Capacidade de fazer uma coisa.

25. Mandato, procuração.

26. Meios, recursos.


poderes
nome masculino plural

27. Procuração, mandato.


a poder de
À força de.

pátrio poder
[Direito]   [Direito]  O mesmo que poder paternal.

poder de compra
Capacidade financeira de aquisição de bens e serviços.

poder espiritual
Autoridade eclesiástica.

poder executivo
Autoridade do Estado, responsável pela execução de leis e afins, pelo Governo e pela administração dos negócios do Estado.

poder moderador
Atribuições do chefe de um Estado constitucional.

poder paternal
[Direito]   [Direito]  Conjunto de direitos e obrigações dos pais em relação aos filhos menores.

poder radiante
Faculdade que têm os corpos mais quentes que o meio ambiente de emitir calor por meio de radiação.

poder temporal
Autoridade civil; soberania política; braço secular.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "poder" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

...informa a Superintendência de Gestão da Informação (SGI), responsável pela área de tecnologia do Poder Executivo Estadual..

Em Caderno B

Não precisamos ambicionar riqueza nem poder aqui na terra, pois não é disto que a nossa alma necessita..

Em Blog da Sagrada Família

Sinceramente, espero que a sorte mude, para poder traduzir em resultados o andamento demostrado tanto no Rally de Portugal como já antes..

Em Continental Circus

o poder da literatura, e o acesso a ela..

Em Papéis e Letras

Poder voltar a trabalhar em televisão depois de dois anos que não foram fáceis teve...

Em VISEU, terra de Viriato.
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Venho por este meio colocar-vos uma dúvida em relação à utilização (ou não) do hífen em palavras com o prefixo re- seguidas de e* segundo o novo Acordo Ortográfico (ex.: reedição/reeleger ou re-edição/re-eleger?). Já vi opções diferentes e gostava de saber qual delas está a seguir o Acordo.
Segundo o disposto na Base XVI, 1.º, alínea b) do Acordo Ortográfico de 1990, utiliza-se o hífen “nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento” (ex.: sobre-endividamento, micro-ondas). O texto do Acordo Ortográfico é inequívoco relativamente ao uso de hífen com um prefixo que termina na mesma vogal com que se inicia o elemento seguinte, pelo que esta regra deveria ser também aplicada ao prefixo re-. As regras para o uso do hífen nos casos de prefixação passam, com o Acordo de 1990, a ser gerais e contextuais, ao contrário do Acordo de 1945, que aplicava regras específicas a um prefixo ou a um grupo fechado de prefixos. Para este ponto, o texto legal estabelece uma única excepção, na nota à alínea b) do ponto 1.º da Base XVI, referindo-se apenas ao prefixo co-, que deverá ser usado sempre sem hífen.

Foi este o entendimento inicial da Priberam, uma vez que outra interpretação contraria claramente a letra e o espírito do Acordo Ortográfico, estabelecendo uma excepção não prevista. A Priberam entende que seria ilógico tomar a excepção prevista para co- como modelo para re-, uma vez que as excepções devem estar explícitas e não se podem deduzir. Também a "Nota Explicativa" (ponto 6.3) reitera o que é referido na base XVI, 1.º, alínea b): "uniformiza-se o não emprego do hífen, do modo seguinte: (...) Nos casos em que o prefixo ou o pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente daquela, as duas formas aglutinam-se, sem hífen". Como este não é o caso nas sequências re-e..., o hífen deveria ser usado neste contexto.

Apesar disto, no Brasil, a Academia Brasileira de Letras (ABL), no seu Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (São Paulo: Global, 2009), entendeu que deveria instituir uma excepção para o prefixo re-. A única justificação apresentada pela Comissão de Lexicologia e Lexicografia da ABL na "Nota explicativa" (pp. LI a LIII) do referido Vocabulário é que uma das medidas tomadas foi "incluir, por coerência e em atenção à tradição lexicográfica, os prefixos re-, pre- e pro- à excepcionalidade do prefixo co-". Se para os prefixos pre- e pro- parece haver uma justificação, não pela alínea b) do ponto 1.º da Base XVI, mas pela alínea f), o mesmo não acontece com o prefixo re-. Por outro lado, não se pode invocar a tradição lexicográfica quando se trata de um tópico sobre o qual o Acordo Ortográfico se pronuncia alterando justamente a tradição lexicográfica e as indicações prescritas pelo Acordo Ortográfico anterior.

Em Portugal, o Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC), cujo Vocabulário Ortográfico do Português (VOP) foi recentemente adoptado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 8/2011, publicada em 25 de Janeiro de 2011 no Diário da República n.º 17, I Série, pág. 488, seguiu a mesma interpretação da ABL. A Priberam manteve a sua interpretação inicial de grafar re-e... até à data em que o VOP passou a ser indicado nesta resolução como uma obra lexicográfica de referência em Portugal, nomeadamente no ensino, a partir do ano lectivo de 2011/2012. Os recursos linguísticos da Priberam têm vindo a ser alterados desde 25 de Janeiro de 2011 para seguir a excepção instituída pelo VOLP da ABL e seguida pelo VOP do ILTEC, grafando o sufixo re- sem hífen quando seguido de elemento começado por e (ex.: reedição).

Sublinhe-se que esta é uma opção que decorre da publicação do VOLP e do VOP e não da aplicação da letra e do espírito do Acordo Ortográfico, cujo texto altera inúmeros outros casos de grafias tradicionalmente estáveis. Como exemplo de grafias em que o AO vai contra a tradição lexicográfica, pode referir-se o prefixo sobre-, que já em obras do século XVIII (como o Vocabulario Portuguez & Latino, de Raphael Bluteau [1728] ou o Diccionario da lingua portugueza, de Antonio de Moraes Silva [1789]) ou do início do século XX (como o Novo Diccionário da Língua Portuguesa, de Cândido de Figueiredo [1913]) era sempre grafado sem hífen quando o elemento seguinte se iniciava com a letra e. Em determinados pontos em que o AO é omisso ou não explicita regras gerais (como, por exemplo, no caso de connosco/conosco), a tradição do registo lexicográfico de certas palavras poderá ser um argumento invocável, uma vez que não há outra maneira de se saber ou inferir qual a ortografia a adoptar. Se a tradição lexicográfica pudesse ser invocada constantemente como argumento para a manutenção de determinadas grafias, os acordos ortográficos deixariam de fazer sentido, uma vez que o objectivo destes é precisamente a alteração ou simplificação de determinadas grafias e regras ortográficas (por vezes divergentes), preconizadas durante décadas por obras lexicográficas.




Segundo o acordo ortográfico em vigor até 1990 escrever-se-á "ò mãe" e não "ó mãe", contrariamente à opinião generalizada. É correcto entender-se que o acordo de 1990 revoga o uso do acento grave na distinção das palavras homógrafas heterofónicas? Não encontro justificação no texto do acordo de 1990 para que o acento nesses casos passe de grave a agudo (ver Base XII).
O Acordo Ortográfico de 1945 (cf. Base XXIV) não permite escrever *ò mãe (o asterisco indica incorrecção), uma vez que a forma ò, à semelhança das contracções à ou às, mais usuais, só poderá ser contracção da preposição a com o artigo ou pronome o. Assim sendo, e não sendo gramatical a expressão *ao mãe, também não o será *ò mãe, sendo apenas possível utilizar a interjeição ó na expressão vocativa ó mãe. Este mesmo acordo prevê ainda o uso do acento grave nas contracções da preposição pra com o artigo ou pronome o e suas flexões (prò, prà, pròs, pràs).

A utilização do acento grave na distinção das palavras homógrafas heterofónicas (isto é, para distinguir palavras que se escrevem da mesma forma, mas têm pronúncias diferentes, como o substantivo aparte e a forma verbal aparte do verbo apartar) já tinha sido abolida com o texto de 1945 (cf. Base XXVI), apenas com pouquíssimas excepções: "quando importa diferençar por meio deste acento, normalmente indicativo de abertura vocálica, certas formas que estão em homografia com outras que lhes são etimologicamente paralelas. Deste modo se distinguem: àgora, interjeição de uso dialectal (Norte de Portugal), e agora, advérbio, conjunção e interjeição; ò, à, às, às, formas arcaicas do artigo definido, e o, a, os, as."

Não se trata, então, de uma alteração preconizada pelo texto do Acordo Ortográfico de 1990, mas sim de uma alteração anterior. O que acontece no Acordo de 1990 (cf. Base XII) é que este texto não prevê o uso de acentos graves, excepto nas contracções à, àquele, àquilo, àqueloutro e respectivas flexões, excluindo (mas apenas de forma implícita) o seu uso em outros casos como os referidos acima relativamente ao Acordo de 1945 (isto é, não está prevista a utilização do acento grave em formas como ò, prà, prò ou àgora).

pub

Palavra do dia

en·xur·dar en·xur·dar

- ConjugarConjugar

(origem obscura)
verbo transitivo, intransitivo e pronominal

Sujar com ou revolver-se na lama (ex.: o lodo enxurdou a rua; os porcos enxurdavam-se no chiqueiro). = CHAFURDAR, ENLAMEAR, ENLODAR

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/poder [consultado em 29-06-2022]