PT
BR
Pesquisar
Definições



Pesquisa nas Definições por:

deturpar

desluzido | adj.

Que não luz; sem brilho (sentido próprio e figurado)....


Nome das edições dos clássicos latinos feitas para o delfim de França, filho de Luís XIV, nas quais foram omitidos passos equívocos; emprega-se ironicamente esta fórmula a propósito de publicações expurgadas ou cujo texto sofreu deturpações para um fim....


deturpador | adj. n. m.

Que ou aquele que deturpa....


deformar | v. tr. e pron.

Alterar ou alterar-se a forma....


deturpar | v. tr.

Desfigurar; desvirtuar; malsinar....


distorcer | v. tr.

Alterar a forma ou as características habituais de....


envenenar | v. tr. | v. pron.

Deturpar o sentido de; interpretar em mal....


lanhar | v. tr. e pron. | v. tr.

Fazer lanhos ou dar golpes em algo, em alguém ou a si próprio....


esquizofasia | n. f.

Perturbação da fala, característica da esquizofrenia, em que as palavras são deturpadas do seu sentido habitual e os neologismos são abundantes, tornando o discurso confuso ou incompreensível....


desfigurar | v. tr. e pron. | v. tr.

Alterar ou alterar-se a figura, a forma ou as feições de algo ou alguém....



Dúvidas linguísticas



Devo escrever ele será analisado no terceiro dia ou ele será analisado ao terceiro dia?
Qualquer das duas frases é possível, visto que quer a preposição em (presente na contracção no) quer a preposição a (presente na contracção ao) se utilizam na expressão de valores temporais (ex.: viaja sempre em Agosto; estava a dois dias do casamento).



Escreve-se ei-la ou hei-la?
A forma correcta é ei-la.

A palavra eis é tradicionalmente classificada como um advérbio e parece ser o único caso, em português, de uma forma não verbal que se liga por hífen aos clíticos. Como termina em -s, quando se lhe segue o clítico o ou as flexões a, os e as, este apresenta a forma -lo, -la, -los, -las, com consequente supressão de -s (ei-lo, ei-la, ei-los, ei-las).

A forma hei-la poderia corresponder à flexão da segunda pessoa do plural do verbo haver no presente do indicativo (ex.: vós heis uma propriedade > vós hei-la), mas esta forma, a par da forma hemos, já é desusada no português contemporâneo, sendo usadas, respectivamente, as formas haveis e havemos. Vestígios destas formas estão presentes na formação do futuro do indicativo (ex.: nós ofereceremos, vós oferecereis, nós oferecê-la-emos, vós oferecê-la-eis; sobre este assunto, poderá consultar a resposta mesóclise).

Pelo que acima foi dito, e apesar de a forma heis poder estar na origem da forma eis (o que pode explicar o facto de o clítico se ligar por hífen a uma forma não verbal e de ter um comportamento que se aproxima do de uma forma verbal), a grafia hei-la não pode ser considerada regular no português contemporâneo, pelo que o seu uso é desaconselhado.


Ver todas