Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
marcamarca | s. f.
marcamarca | s. f.
3ª pess. sing. pres. ind. de marcarmarcar
2ª pess. sing. imp. de marcarmarcar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

mar·ca mar·ca 2
(finlandês markka)
nome feminino

[Economia]   [Economia]  Antiga unidade monetária da Finlândia (código: FIM), substituída pelo euro. = MARCO


mar·ca mar·ca 1
(germânico marka, sinal)
nome feminino

1. Acto ou efeito de marcar. = MARCAÇÃO

2. Sinal num objecto, para o fazer reconhecer.

3. Nódoa causada por uma contusão.

4. Sinal ou distintivo que por qualquer forma se imprime num corpo.Ver imagem

5. Impressão ou sensação deixada por alguma experiência.

6. Selo, chancela, carimbo.

7. Sinal que serve de assinatura.

8. [Ourivesaria]   [Ourivesaria]  Sinal aplicado na avaliação de metais preciosos e jóias. = CONTRASTE

9. Vestígio que deixa no corpo uma lesão qualquer.

10. Cunho, instrumento de marcar.

11. Símbolo ou nome que identifica determinados produtos comerciais.

12. Empresa que detém o direito de fabricar ou comercializar esses produtos.

13. Botão que é forrado com tecido ou outro material.

14. Medida convencionada como referência. = BITOLA, CRAVEIRA, PADRÃO

15. Fronteira, limite.

16. Passo, movimento, posição ou evolução numa coreografia ou numa representação.

17. [Jogos]   [Jogos]  Peça para contar pontos no jogo. = TENTO

18. [Linguística]   [Lingüística]   [Linguística]  Particularidade cuja presença numa dada unidade linguística a opõe a outra unidade da mesma natureza (ex.: marca de feminino; marca de plural).

19. [Antigo, Depreciativo]   [Antigo, Depreciativo]  Mulher que exerce a prostituição. = MERETRIZ, PROSTITUTA


de marca
De importância, de distinção.

da marca de Judas
De pequena estatura.

marca de água
[Portugal]   [Portugal]  Marca feita por um conjunto de letras ou figuras dos moldes de certo tipo de papel, mais visível à contraluz. = FILIGRANA

marca registada
Nome ou símbolo que distingue determinado produto comercial e que está legalmente registado e é de utilização exclusiva do proprietário da marca, geralmente um fabricante.

marcas de registo
Linhas impressas mostrando a dimensão da página depois da impressão final. (Estas marcas podem ser usadas na ornamentação final.)

marcas de registos
Pequenas marcas, geralmente em forma de cruzes, utilizadas para o alinhamento de filmes.

passar das marcas
Ir além do limite das conveniências. = ABUSAR


mar·car mar·car - ConjugarConjugar
(marca + -ar)
verbo transitivo

1. Pôr marca em.

2. Assinalar, notar.

3. Fixar, determinar.

4. Indicar.

5. Enodoar.

6. Bordar marcas em roupa.

7. Contar pontos ou faltas no jogo.

8. [Desporto]   [Esporte]  Vigiar de perto um adversário para que não possa receber a bola facilmente (ex.: marcar um atacante).

9. [Marinha]   [Marinha]  Determinar a direcção em relação ao navio.

10. Indicar, numa coreografia, as evoluções a fazer (em quadrilha, contradança, etc.).

verbo transitivo e intransitivo

11. [Desporto]   [Esporte]  Pontuar ou marcar golo.

verbo intransitivo

12. Distinguir-se, sobressair; ter grande importância.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "marca" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Última crónica de António Lobo Antunes na Visão "Aguentar à bronca", disponível online. 1.º Parágrafo: "Ficaram por ali um bocado no passeio, a conversarem, aborrecidas por os homens repararem menos nelas do que desejavam."; 2.º Parágrafo: "nunca imaginei ser possível existirem cigarros friorentos, nunca os tinha visto, claro, mas aí estão eles, a tremerem. Ou são os dedos que tremem?".
Dúvidas: a conversarem ou a conversar? A tremerem ou a tremer?
O uso do infinitivo flexionado (ou pessoal) e do infinitivo não flexionado (ou impessoal) é uma questão controversa da língua portuguesa, sendo mais adequado falar de tendências do que de regras, uma vez que estas nem sempre podem ser aplicadas rigidamente (cf. Celso CUNHA e Lindley CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998, p. 482). É também por essa razão que dúvidas como esta são muito frequentes e as respostas raramente podem ser peremptórias.

Em ambas as frases que refere as construções com o infinitivo flexionado são precedidas pela preposição a e estão delimitadas por pontuação. Uma das interpretações possíveis é que se trata de uma oração reduzida de infinitivo, com valor adjectivo explicativo, à semelhança de uma oração gerundiva (ex.: Ficaram por ali um bocado no passeio, a conversarem, aborrecidas [...] = Ficaram por ali um bocado no passeio, conversando, aborrecidas [...]; nunca imaginei ser possível existirem cigarros friorentos [...] mas aí estão eles, a tremerem. = nunca imaginei ser possível existirem cigarros friorentos [...] mas aí estão eles, tremendo.). Nesse caso, não há uma regra específica e verifica-se uma oscilação no uso do infinitivo flexionado ou não flexionado.

No entanto, se estas construções não estivessem separadas por pontuação do resto da frase, não tivessem valor adjectival e fizessem parte de uma locução verbal, seria obrigatório o uso da forma não flexionada: Ficaram por ali um bocado no passeio a conversar, aborrecidas [...] = Ficaram a conversar por ali um bocado no passeio, aborrecidas [...]; nunca imaginei ser possível existirem cigarros friorentos [...] nunca os tinha visto, claro, mas aí estão eles a tremer. = nunca imaginei ser possível existirem cigarros friorentos [...] nunca os tinha visto, claro, mas eles aí estão a tremer. Neste caso, a forma flexionada do infinitivo pode ser classificada como agramatical (ex.: *ficaram a conversarem, *estão a tremerem [o asterisco indica agramaticalidade]), uma vez que as marcas de flexão em pessoa e número já estão no verbo auxiliar ou semiauxiliar (no caso, estar e ficar).




Na frase seguinte estou com uma dúvida: Pouco depois de saírem do cinema, Maria e Manuel apareceram no café onde tinham combinado com os amigos. A primeira frase pouco depois de saírem do cinema estará correcta? Não ficará melhor pouco depois de sair do cinema?
Nas orações temporais, como pouco depois de saírem do cinema, usa-se geralmente o infinitivo flexionado. Nos casos em que o sujeito da oração subordinada é o mesmo da oração subordinante, mas em que o mesmo não está expresso, como na frase que refere, pode também ser usado o infinitivo impessoal (pouco depois de sair do cinema, Maria e Manuel apareceram no café onde tinham combinado com os amigos). Ambas as hipóteses que menciona são então possíveis, apesar de ser mais frequente o uso do infinitivo flexionado neste tipo de orações temporais.

Se, no entanto, houver um sujeito expresso na oração subordinada temporal, é obrigatório o infinitivo flexionado (pouco depois de eles saírem do cinema, Maria e Manuel apareceram no café onde tinham combinado com os amigos; *pouco depois de eles sair do cinema, Maria e Manuel apareceram no café onde tinham combinado com os amigos; o asterisco indica agramaticalidade).

pub

Palavra do dia

mi·rin·go·to·mi·a mi·rin·go·to·mi·a
(latim medieval miringa, do grego mênigks, -iggos, membrana + -tomia)
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]  Incisão cirúrgica na membrana do tímpano.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/marca [consultado em 07-06-2020]