PT
BR
Pesquisar
Definições



fingido

A forma fingidopode ser [masculino singular particípio passado de fingirfingir], [adjectivo e nome masculinoadjetivo e nome masculino], [adjectivoadjetivo] ou [nome masculino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
fingidofingido
( fin·gi·do

fin·gi·do

)


adjectivoadjetivo

1. Que se fingiu.

2. Falso, fementido.

3. Hipócrita.

4. Aparente.

5. Simulado.

6. Enganoso.

7. Imitativo.


adjectivo e nome masculinoadjetivo e nome masculino

8. Que ou quem mostra algo que não corresponde àquilo que pensa ou sente. = DISSIMULADO, FALSO


nome masculino

9. Obra ou coisa falsa que imita outra que é autêntica. = IMITAÇÃO

etimologiaOrigem etimológica:particípio de fingir.
fingirfingir
( fin·gir

fin·gir

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Inventar; fantasiar; simular; arremedar.

2. [Portugal: Beira] [Portugal: Beira] Remexer e trabalhar de novo (com as mãos) a massa do pão depois de levedada (ex.: ainda falta fingir o pão e dar-lhe uma forma redonda antes de o meter no forno).


verbo intransitivo

3. Ser dissimulado; aparentar o que não é.

etimologiaOrigem etimológica:latim fingo, -ere, modelar, arranjar, dar forma, representar, imaginar, inventar.
Confrontar: fengir.

Auxiliares de tradução

Traduzir "fingido" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Por que motivo algumas palavras fazem o diminutivo com S e outras com Z?
Entre os sufixos mais produtivos para a formação de diminutivos encontram-se -inho e -zinho. Desta forma, poderá, por exemplo, formar as palavras livrinho (livro + -inho) e livrozinho (livro + -zinho). Só poderá haver um -s- num diminutivo se a palavra primitiva já o contiver, pois não há, em português, um sufixo -sinho. Por exemplo, nas palavras adeusinho ou vasinho há um -s- porque as palavras são formadas de adeus ou vaso + -inho.



A expressão "até ao arrebatamento" está correta?
Antes de mais, convém clarificar, ainda que resumidamente, o uso de até.

Como preposição, a palavra até é usada para indicar um limite temporal (ex.: Eu vou embora, até amanhã; Esperem pela resposta até meados de Janeiro; Dormi até tu chegares), um limite espacial (ex.: Viajou de comboio até Paris) ou um limite quantitativo (ex.: O desconto é válido em todos os enlatados até 800 g).

Segundo a Nova Gramática do Português Contemporâneo de Celso Cunha e Lindley Cintra (14.ª ed., Lisboa, Edições João Sá da Costa, 1998, p. 561), em Portugal usa-se geralmente a preposição até acompanhada da contracção da preposição a com o artigo definido o/a(s) (ex: Fui até ao parque; Fomos até à igreja) enquanto no Brasil se usa maioritariamente a preposição até sem a contracção (ex.: Fui até o parque; Fomos até a igreja). Em termos de correcção, como refere o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (edição brasileira da Editora Objetiva, 2001; edição portuguesa do Círculo de Leitores, 2002), é indiferente no Brasil associar a preposição até a outra preposição ou não. Por outras palavras, é tão correcto escrever fomos até à igreja como fomos até a igreja, sendo a última a forma mais usual no Brasil.

Como advérbio, a palavra até é usada para indicar inclusão ou ênfase, sendo sinónima de inclusivamente, também ou mesmo (ex.: Todos ajudaram na arrumação da cozinha, até o avô; O empresário fez várias alterações e admite até a contratação de mais funcionários). Dependendo da regência do verbo em causa, o advérbio até pode surgir associado a uma contracção (ex.: Eles foram a todo o lado: à Europa, à Ásia, até à Austrália!).

Considerando os usos acima descritos, a expressão até ao arrebatamento está correcta, tanto em Portugal como no Brasil, se a palavra até for usada como preposição (ex.: Foi uma festa intensa até ao arrebatamento final). Se, no entanto, a palavra até for usada como advérbio, a expressão até ao arrebatamento está incorrecta, como indica o asterisco (ex.: *Todas as emoções foram banidas, até ao arrebatamento religioso).