PT
BR
Pesquisar
Definições



concentrardes

A forma concentrardespode ser [segunda pessoa plural do futuro do conjuntivo de concentrarconcentrar] ou [segunda pessoa plural infinitivo flexionado de concentrarconcentrar].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
concentrarconcentrar
( con·cen·trar

con·cen·trar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo e pronominal

1. Reunir ou reunir-se num centro ou num mesmo ponto. = JUNTAR, REUNIRDISPERSAR, ESPALHAR

2. Fazer convergir ou convergir.

3. Tornar ou ficar mais denso ou mais espesso. = CONDENSAR

4. Aplicar o interesse, a imaginação ou algum sentimento maioritariamente num só objecto ou tarefa (ex.: concentra a atenção num ponto; concentrou-se mais nos estudos). = FOCAR

5. [Desporto] [Esporte] Reunir ou reunir-se uma equipa em local específico antes de um jogo ou início de temporada, para descansar ou receber instruções.


verbo transitivo

6. [Química] [Química] Aumentar a proporção de um soluto numa solução.

7. [Pouco usado] [Pouco usado] Não dar expansão a; evitar que se perceba. = CONTER, DISFARÇAR, DISSIMULAR, ENCOBRIR


verbo pronominal

8. Meditar profundamente ou abismar-se nos seus pensamentos. = ENSIMESMAR-SE

9. Viver no isolamento.

etimologiaOrigem etimológica:con- + centro + -ar.

Auxiliares de tradução

Traduzir "concentrardes" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Tenho verificado a existência, ao longo do país , de repetição de topónimos; por exemplo: Trofa, Gondar, Bustelo. Qual é a etimologia dessas palavras?
Segundo o Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa (3.ª ed., Lisboa: Livros Horizonte, 3 vol., 2003), de José Pedro Machado, o topónimo Bustelo, muito frequente em Portugal e na Galiza, talvez seja diminutivo de busto ‘campo de pastagem’. Quanto a Gondar, o autor aventa a hipótese de provir de uma hipotética forma gótica (ou goda) Gunthi-harjis ‘exército para combate’. Por fim, o topónimo Trofa é de origem obscura.



Gostaria de saber qual destas frases está correcta e porquê: a) Se eu fosse rico, ofereceria-lhe... b) Se eu fosse rico, oferecer-lhe-ia...
Quando utiliza um pronome clítico (ex.: o, lo, me, nos) com um verbo no futuro do indicativo (ex. oferecer-lhe-ei) ou no condicional, também chamado futuro do pretérito, (ex.: oferecer-lhe-ia), deverá fazer a mesóclise, isto é, colocar o pronome clítico entre o radical do verbo (ex.: oferecer) e a terminação que indica o tempo verbal e a pessoa gramatical (ex.: -ei ou -ia). Assim sendo, a frase correcta será Se eu fosse rico, oferecer-lhe-ia...

Esta colocação dos pronomes clíticos é aparentemente estranha em relação aos outros tempos verbais, mas deriva de uma evolução histórica na língua portuguesa a partir do latim vulgar. As formas do futuro do indicativo (ex.: oferecerei) derivam de um tempo verbal composto do infinitivo do verbo principal (ex.: oferecer) seguido de uma forma do presente do verbo haver (ex.: hei), o que corresponderia hipoteticamente, no exemplo em análise, a oferecer hei. Se houvesse necessidade de inserir um pronome, ele seria inserido a seguir ao verbo principal (ex.: oferecer lhe hei). Com as formas do condicional (ex. ofereceria), o caso é semelhante, com o verbo principal (ex.: oferecer) seguido de uma forma do imperfeito do verbo haver (ex.: hia < havia), o que corresponderia hipoteticamente, no exemplo em análise, a oferecer hia e, com pronome, a oferecer lhe hia.

É de notar que a reflexão acima não se aplica se houver alguma palavra ou partícula que provoque a próclise do clítico, isto é, a sua colocação antes do verbo (ex.: Jamais lhe ofereceria flores. Sei que lhe ofereceria flores).