Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

comorbilidade

comorbilidadecomorbilidade | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

co·mor·bi·li·da·de co·mor·bi·li·da·de


(co- + morbilidade)
nome feminino

Qualquer patologia independente e adicional a uma outra existente e em estudo num paciente. = COMORBIDADE

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Quanto a comparações de inigualdade, ou seja, de superioridade ou de inferioridade, existirá uma regra absoluta para decifrar se se usa que ou do que ou ambas estarão correctas em qualquer expressão dessa estrutura? Para um falante em que o Português não é a primeira língua, seria bastante útil. Incluo as seguintes expressões para vossa análise: 1) O castelo é mais antigo que a igreja. 2) Hoje as laranjas estão menos baratas que as maçãs. 3) Nós compramos mais livros que vendemos. 4) O Paulo é mais grande do que gordo. 5a) O João tem mais de um carro. b) O João tem mais dum carro. c) O João tem mais do que um carro. d) O João tem mais que um carro.
As frases de 1) a 5) apresentam diferentes construções de comparativos relativos de superioridade e de inferioridade.

Em português, é possível formar os graus comparativos de superioridade e de inferioridade dos adjectivos usando os advérbios mais e menos seguidos da locução do que (ex.: o castelo é mais antigo do que a igreja; a igreja é menos antiga do que o castelo), podendo haver omissão da contracção da preposição de com o pronome demonstrativo invariável o (ex.: o castelo é mais antigo que a igreja; a igreja é menos antiga que o castelo). Esta construção aplica-se às frases apontadas em 1), 2) e 4).

Na frase 3) está presente um comparativo de superioridade relativo a um substantivo (ex.: nós compramos mais livros [do] que vendemos), sendo nesse caso a palavra mais um determinante indefinido.

Relativamente às frases em 5), trata-se de uma comparação (de superioridade) de quantidade relativamente a um numeral (um). Neste tipo de comparação é possível uma construção análoga àquela usada para exprimir o grau comparativo do adjectivo, isto é, a estrutura mais (do) que seguida do numeral e de um substantivo, como nas frases 5c) e 5d). Alternativamente, é possível ainda utilizar as construções presentes em 5a) e 5b), que correspondem à locução comparativa mais de seguida de numeral e que diferem apenas na contracção (de + um = dum).

Para além destas quatro construções comparativas, é ainda possível estabelecer comparativos antes de verbos (ex.: consegue ver mais ao longe [do] que ao perto), de advérbios (ex.: põe esse quadro mais acima [do] que este) ou de preposições (ex.: o gato passa mais por aqui [do] que por ali).




A palavra Pêra do nome de localidades como Castanheira de Pêra perde o acento com o novo Acordo Ortográfico?
Na "Base XXI" do Acordo Ortográfico de 1990 (assim como estava na Base L do Acordo Ortográfico de 1945), está salvaguardado que os antropónimos e nomes comerciais poderão manter a ortografia de como foram registados, afirmando-se: "Para ressalva de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costume ou registo legal, adote na assinatura do seu nome.
Com o mesmo fim, pode manter-se a grafia original de quaisquer firmas comerciais, nomes de sociedades, marcas e títulos que estejam inscritos em registo público."

Não há, como se vê, qualquer excepção relativa aos topónimos, podendo então afirmar-se que os nomes próprios de lugares sofrem as alterações ortográficas preconizadas pelo texto legal. Assim, um topónimo como Castanheira de Pêra, deverá, segundo a "Base IX", ponto 9.º, passar a grafar-se Castanheira de Pera. Da mesma forma, e segundo o mesmo ponto da mesma base, o topónimo Côa deverá passar a grafar-se Coa; Tróia, segundo o ponto 3.º dessa "Base IX", deverá passar a grafar-se Troia (aliás, neste ponto, o topónimo Azoia faz parte dos exemplos do texto legal). Também a "Base IV" poderá alterar alguns topónimos, como é o caso de Egipto passar a grafar-se Egito (este é também um exemplo usado no ponto 1.º, alínea b) desta base do texto legal).

Se as alterações ortográficas em geral provocam reacções apaixonadas, as alterações em topónimos e gentílicos provocam-nas ainda mais. Se para a população do Egipto deverá ser indiferente que o topónimo se escreva em português com ou sem p, é provável que haja mais resistências da parte dos naturais ou habitantes dos topónimos portugueses ou brasileiros cuja ortografia sofre alteração.
No entanto, para relativizarmos esta questão, será útil atentar, por exemplo, ao caso de reacções de alguns naturais ou habitantes do estado brasileiro do Acre em relação à grafia do gentílico acriano e não acreano (cf. "Base V", 2.º, alínea c). Esta indicação de escrever com i e não com e os derivados em que entram os sufixos -iano e -iense não estava prevista no Formulário Ortográfico de 1943, que regulava a ortografia brasileira (daí a reacção de alguns habitantes do Acre), mas estava no texto de 1945 (que é o documento legal que regula a ortografia da norma portuguesa anterior ao Acordo de 1990), que fez com que, por exemplo, o gentílico açoriano passasse a ser a única forma correcta, em detrimento da forma açoreano, apesar de ser possível encontrar ainda as grafias açoreano e açoreana, nomeadamente em textos antigos e em nomes comerciais.

Por contraponto a esta relativização, refira-se ainda a grafia do topónimo Bahia na norma brasileira do português (Baía na norma portuguesa, o que institui mais uma divergência ortográfica que se mantém mesmo após a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990), que constitui uma excepção a todas as indicações ortográficas portuguesas e brasileiras anteriores ou posteriores ao Acordo de 1990 para o uso do h, mas que ainda assim se consagrou no português do Brasil.

pub

Palavra do dia

ga·nhão ga·nhão


(ganhar + -ão)
nome masculino

1. Indivíduo sem ofício especializado que trabalha com pagamento de salário diário. = GANHADEIRO, JORNALEIRO

2. Trabalhador agrícola que não é especializado. = GANHADEIRO

3. [Depreciativo]   [Depreciativo]  Indivíduo rude, grosseiro. = RÚSTICO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/comorbilidade [consultado em 08-05-2021]