Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

capear

capearcapear | v. tr. | v. intr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ca·pe·ar ca·pe·ar


(capa + -ear)
verbo transitivo

1. Esconder ou proteger com capa. = ENCAPAR

2. Servir de capa a.

3. Revestir com material protector.

4. Tornar oculto. = ENCOBRIR, ESCONDER, OCULTAR

5. Induzir em erro. = ENGANAR, ILUDIR

6. [Tauromaquia]   [Tauromaquia]  Passar à capa (touros).

verbo intransitivo

7. Fazer sinal com capa, bandeira, etc.

8. [Náutica]   [Náutica]  Manobrar um navio, durante um temporal, para o proteger da violência das vagas.

9. [Tauromaquia]   [Tauromaquia]  Fazer de capinha.

pub

Parecidas

Anagramas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

La manera de capear ese inmenso temporal fue reformar la economía para salvar el colectivismo..

Em *BLOG do ORLANDO TAMBOSI*

Que esta capacidade de queimar tudo em sua volta, e de capear a extrema dificuldade porque

Em sporting.blogs.sapo.pt

...Siente cómo esa estabilidad vibrante te da fortaleza y adaptabilidad para cualquier exigencia, para capear cualquier temporal..

Em energiasvitales.blogs.sapo.pt

, capear com os adereços como se próspero e sortudo, voltar ao corriqueiro que nos coube...

Em mallaguerra.blogs.sapo.pt

...ressente-se quando a sua função é desempenhada com garbo mas sem aquela habilidade de capear convenientemente o touro..

Em Herdeiro de Aécio
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


No seguinte exemplo, o pronome do complemento directo deve vir antes ou depois do verbo?
- Já fizeste o trabalho?
- Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo.
- Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo.
Nas frases indicadas, as locuções verbais acabar de fazer e ter de fazer correspondem a construções em que os verbos acabar e fazer, seguidos da preposição de, são verbos auxiliares. Em geral, em locuções verbais com verbos auxiliares ou semiauxiliares (excepto com os que formam tempos verbais compostos: ex.: tem lido, foi lido), o clítico é colocado depois do verbo principal (ex.: O livro é interessante e posso lê-lo em dois dias; Ele veio visitar-me esta semana), podendo haver, menos consensualmente, colocação do clítico depois do verbo auxiliar ou semiauxiliar (ex.: O livro é interessante e posso-o ler em dois dias; Ele veio-me visitar esta semana). No entanto, quando a construção do verbo auxiliar ou semiauxiliar inclui uma preposição, especialmente de ou por, o pronome clítico pode ocorrer antes ou depois do verbo auxiliar (ex. Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo), mas não depois do verbo auxiliar (ex. *Sim, acabei-o de fazer; o asterisco indica agramaticalidade).
Esta reflexão aplica-se também à outra frase apresentada (Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo), mas nesse caso será ainda possível a opção Não, ainda o tenho de fazer, pois o advérbio ainda tem a propriedade de atracção do clítico (ver os casos referidos nas alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos).




No trecho que se segue estarão correctas a conjugação do infinitivo reforçarem e a repetição do artigo em os restaurantes, as discotecas...? "O comissário quer obter resultados positivos", indicou uma fonte policial anunciando que, durante as festas de fim de ano, serão desdobrados no terreno novos agentes para reforçarem a presença das forças de segurança nos lugares públicos mais frequentados tais como os restaurantes, as discotecas, os bancos comerciais, as zonas industriais e as estações de serviço.
Em geral, toma-se como referência que, numa oração infinitiva, o infinitivo pessoal carece de um sujeito diferente do da oração subordinante de que depende. Na frase em causa ("O comissário quer obter resultados positivos", indicou uma fonte policial anunciando que [...] serão desdobrados no terreno novos agentes para reforçarem a presença das forças de segurança nos lugares públicos mais frequentados [...]), a oração subordinada infinitiva que está sublinhada depende da oração que está a negro. O sujeito da oração subordinada infinitiva (para [novos agentes] reforçarem a presença das forças de segurança nos lugares públicos [...]) é o mesmo da oração subordinante ([novos agentes] serão desdobrados no terreno), pelo que seria preferível o infinitivo impessoal (reforçar) em vez do infinitivo pessoal (reforçarem).
Para mais esclarecimentos, poderá ainda consultar, entre outras obras, a Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira MATEUS, Ana Maria BRITO, Inês DUARTE, Isabel Hub FARIA et al., 5ª ed., Editorial Caminho, Lisboa, 2003, pp. 439-442, 715-718 e 725.

Relativamente à repetição do artigo antes do substantivo, os gramáticos (por exemplo, CUNHA e CINTRA, na Nova Gramática do Português Contemporâneo, João Sá da Costa, 14ª ed., 1998, p. 235), preconizam que, se numa enumeração de substantivos for utilizado o artigo definido antes do primeiro, devem ser utilizados artigos definidos antes dos restantes substantivos, como na frase em apreço ([...] tais como os restaurantes, as discotecas, os bancos comerciais, as zonas industriais e as estações de serviço). Como alternativa, poderá optar-se pela omissão do artigo (ex.: tais como restaurantes, discotecas, bancos comerciais, zonas industriais e estações de serviço), quase sem diferença semântica.

pub

Palavra do dia

pi·ca·ú pi·ca·ú


(origem duvidosa)
nome masculino

[Brasil]   [Brasil]   [Ornitologia]   [Ornitologia]  Designação dada a várias aves da família dos columbídeos. = POMBA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/capear [consultado em 30-11-2022]