PT
BR
Pesquisar
Definições



barata

A forma baratapode ser [feminino singular de baratobarato] ou [nome feminino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
barata1barata1
( ba·ra·ta

ba·ra·ta

)
Imagem

EntomologiaEntomologia

Designação dada a vários insectos ortópteros da família dos blatídeos, de corpo achatado, geralmente de hábitos nocturnos.


nome feminino

1. [Entomologia] [Entomologia] Designação dada a vários insectos ortópteros da família dos blatídeos, de corpo achatado, geralmente de hábitos nocturnos.Imagem = CAROCHA

2. [Brasil, Informal, Depreciativo] [Brasil, Informal, Depreciativo] Mulher velha.

3. [Brasil, Informal, Depreciativo] [Brasil, Informal, Depreciativo] Freira que faz caridade.

4. [Brasil, Calão] [Brasil, Tabuísmo] Conjunto das partes genitais femininas. = VULVA

5. [Brasil] [Brasil] [Botânica] [Botânica] Planta herbácea aquática (Limnocharis flava) da família das alismatáceas. = GOLFO


barata tonta

[Informal, Figurado] [Informal, Figurado] Indivíduo atarantado, desorientado ou desorganizado (ex.: aquela barata tonta andou ali às voltas e não resolveu nada).

entregue às baratas

[Informal] [Informal] Sem a atenção ou os cuidados devidos (ex.: restaurante entregue às baratas; o plano era inovador, mas ficou entregue às baratas). = ABANDONADO, NEGLIGENCIADO

Em mau estado físico ou mental. = DECRÉPITO

etimologiaOrigem etimológica:latim blatta, -ae.
barata2barata2
( ba·ra·ta

ba·ra·ta

)


nome feminino

[Técnica] [Técnica] Recipiente em que se bate o leite para fazer manteiga.

etimologiaOrigem etimológica:francês baratte.
baratobarato
( ba·ra·to

ba·ra·to

)


adjectivoadjetivo

1. Que custa menos que o preço médio.

2. Que é de pouco preço.


advérbio

3. Por pouco preço.


nome masculino

4. Dinheiro que o dono da tavolagem retira do bolo ou recebe do banqueiro como interesse que lhe é devido.

5. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Aquilo que deleita ou dá prazer (ex.: jogar futebol é um barato). = CURTIÇÃO

6. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] O que está na moda (ex.: agora o barato é usar vestidos compridos).

7. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Pormenor ou acessório que se coloca na roupa.

8. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Reacção provocada pelo consumo de drogas, que pode ser positiva ou negativa. = BARATINO

Auxiliares de tradução

Traduzir "barata" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Em palavras como emagrecer e engordar as terminações -er e -ar são sufixos ou desinências verbais de infinitivo? Se são o último caso, essas palavras não podem ser consideradas derivações parassintéticas...ou podem?
As terminações verbais -er e -ar são compostas pela junção de -e- (vogal temática da 2.ª conjugação) ou -a- (vogal temática da 1.ª conjugação), respectivamente, à desinência de infinitivo -r. Destas duas terminações, apenas -ar corresponde a um sufixo, pois no português actual usa-se -ar para formar novos verbos a partir de outras palavras, normalmente de adjectivos ou de substantivos, mas não se usa -er. Apesar de os sufixos de verbalização serem sobretudo da primeira conjugação (ex.: -ear em sortear, -ejar em relampaguejar, -izar em modernizar, -icar em adocicar, -entar em aviventar), há alguns sufixos verbais da segunda conjugação, como -ecer. Este sufixo não entra na formação do verbo emagrecer, mas entra na etimologia de outros verbos formados por sufixação (ex.: escurecer, favorecer, fortalecer, obscurecer, robustecer, vermelhecer) ou por prefixação e sufixação simultâneas (ex.: abastecer, abolorecer, amadurecer, empobrecer, engrandecer, esclarecer).

Dos verbos que menciona, apenas engordar pode ser claramente considerado derivação parassintética, uma vez que resulta de prefixação e sufixação simultâneas: en- + gord(o) + -ar. O verbo emagrecer deriva do latim emacrescere e não da aposição de prefixo e sufixo ao adjectivo magro.




A descrição de "cigano" no Dicionário Priberam, entre outras coisas, diz que os ciganos são trapaceiros. Isto não devia ser revisto por ser preconceituoso?
Um dicionário deve ter palavras e sentidos que podem insultar ou ofender? Além de "cigano", palavras como "galego", "monhé", "judeu", "preto", "fufa" ou "paneleiro"?
O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP) não diz que os ciganos são trapaceiros; o que se apresenta é, entre outras acepções, um uso real, ainda que potencialmente ofensivo, da palavra cigano como sinónimo de trapaceiro, o que é substancialmente diferente.

A lexicografia actual assume que um dicionário deve seguir uma abordagem descritiva na selecção das palavras e na forma como as define, usando nomeadamente um conjunto de etiquetas ou sinais para assinalar níveis de língua (como linguagem informal ou calão) ou usos específicos (como expressões depreciativas ou insultuosas), não devendo o autor ou editor do dicionário impor a sua opinião sobre o uso da língua.

Por outras palavras, a função de um dicionário passa por uma descrição dos usos da língua, devendo basear-se essencialmente em factos linguísticos e não estabelecer juízos de valor relativamente a eles, antes apresentá-los o mais objectivamente possível. Em relação às definições da palavra cigano, o DPLP veicula o significado que ela apresenta na língua, mesmo que alguns dos seus significados possam revelar o preconceito ou a discriminação presentes no uso da língua.

A acepção que se considera preconceituosa tem curso actualmente em Portugal (como se pode verificar através de pesquisa em corpora e em motores de busca na internet), sendo usada em registos informais e com intenções pejorativas, estando registada, para além de no DPLP, nas principais obras lexicográficas de língua portuguesa, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea (Academia das Ciências de Lisboa/Verbo, 2001) ou o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (edição brasileira da Editora Objetiva, 2001; edição portuguesa do Círculo de Leitores, 2002). O DPLP não pode omitir ou branquear determinados significados, independentemente das convicções de cada lexicógrafo ou utilizador do dicionário.

Como acontece com qualquer palavra, o uso desta acepção de cigano decorre da selecção feita por cada utilizador da língua, consoante o registo de língua e o conhecimento das situações de comunicação e dos códigos de conduta social. O preconceito não pode ser imputado ao dicionário, que se deve limitar a registar o uso (daí as indicações de registo pejorativo [Pejor.]). Este não é, na língua portuguesa ou em qualquer outra língua, um caso único, pois as línguas, enquanto sistemas de comunicação, veiculam também os preconceitos da cultura em que se inserem.

Esta reflexão também se aplica a outros exemplos, como o uso dos chamados palavrões, ou tabuísmos, cuja utilização em determinadas situações é considerada altamente reprovável, ou ainda de palavras que têm acepções depreciativas no que se refere a distinções sexuais, religiosas, étnicas, etc.

Ao alertar para termos e empregos preconceituosos, informais ou obscenos, muitas vezes desconhecidos dos falantes, seja porque pertencem a diferentes enquadramentos socioculturais, seja porque são falantes estrangeiros, os dicionários estão a alertar os consulentes para a possibilidade de usarem linguagem ofensiva ou de ferirem as susceptibilidades de outros falantes.