PT
BR
Pesquisar
Definições



Pesquisa nas Definições por:

ponta

Que é alto e termina em ponta (estando por isso exposto aos raios)....


acuminado | adj.

Diz-se das folhas, brácteas, etc., cuja extremidade tem uma ponta alongada e aguda....


andó | adj. 2 g.

Designativo da barba em ponta....


Que termina em dois ramos ou pontas....


boto | adj.

Que perdeu o gume ou a ponta, não podendo por isso cortar ou furar como antes....


Que tem dois esporões ou pontas cónicas....


caroupo | adj.

Diz-se do boi que tem as pontas viradas para cima e para o lado....


Cujas pontas estão em sentido contrário....


decumbente | adj. 2 g.

Que está inclinado ou voltado para o solo, por onde se prolonga, mantendo a ponta virada para cima (ex.: caule decumbente)....


cumbuco | adj.

Cujas pontas (dos chifres) estão voltadas para dentro....


fastigiado | adj.

Que é alto e termina geralmente em ponta (ex.: árvore de copa fastigiada)....


floreteado | adj.

Que tem ponta aguda como o florete....


Diz-se do touro que tem as hastes brancas com ponta negra....


lanceolado | adj.

Que tem o limbo estreito e comprido e termina numa ponta estreita (ex.: folhas lanceoladas)....


mucronado | adj.

Terminado em ponta aguda e recta....


mútico | adj.

Sem aresta ou ponta distinta....


perfurante | adj. 2 g.

Que termina em ponta aguçada ou que pode provocar ferida cuja profundidade é maior que o diâmetro de sua superfície (ex.: instrumento perfurante)....



Dúvidas linguísticas



A minha dúvida é a respeito da etimologia de determinadas palavras cuja raiz é de origem latina, por ex. bondade, sensibilidade, depressão, etc. No Dicionário Priberam elas aparecem com a terminação nominativa mas noutros dicionários parece-me que estão na terminação ablativa e não nominativa. Gostaria que me esclarecessem.
O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa regista, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas que são normalmente enunciadas na forma do nominativo, seguida do genitivo: bonitas, bonitatis (ou bonitas, -atis); sensibilitas, sensibilitatis (ou sensibilitas, -atis) e depressio, depressionis (ou depressio, -onis).

Noutros dicionários gerais de língua portuguesa, é muito usual o registo da etimologia latina através da forma do acusativo sem a desinência -m (não se trata, como à primeira vista pode parecer, do ablativo). Isto acontece por ser o acusativo o caso lexicogénico, isto é, o caso latino que deu origem à maioria das palavras do português, e por, na evolução do latim para o português, o -m da desinência acusativa ter invariavelmente desaparecido. Assim, alguns dicionários registam, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas bonitate, sensibilitate e depressione, que foram extrapoladas, respectivamente, dos acusativos bonitatem, sensibilitatem e depressionem.

Esta opção de apresentar o acusativo apocopado pode causar alguma perplexidade nos consulentes dos dicionários, que depois não encontram estas formas em dicionários de latim. Alguns dicionários optam por assinalar a queda do -m, colocando um hífen no final do étimo latino (ex.: bonitate-, sensibilitate-, depressione-). Outros, mais raros, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa ou o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa optaram por enunciar os étimos latinos (ex.: bonitas, -atis; sensibilitas, -atis, depressio, -onis), não os apresentando como a maioria dos dicionários; o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa não enuncia o étimo latino dos verbos, referenciando apenas a forma do infinitivo (ex.: fazer < facere; sentir < sentire).




Gostaria de saber se a palavra "prosperação" existe no Dicionário da Língua Portuguesa Brasileira atual.
A palavra prosperação não se encontra registada em nenhum dos dicionários de língua portuguesa à nossa disposição, mas tem entrada no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras. Ainda que essa palavra não tivesse registo em obras lexicográficas, o seu uso não poderia ser condenado, uma vez que se encontra bem formada a partir da aposição do sufixo -ção ao verbo prosperar, seguindo o paradigma de formação de tantas outras palavras na língua portuguesa.

Ver todas