Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

Pesquisa por "pinça" nas definições

estevado | adj.
    Diz-se do cavalo cujos cascos assentam obliquamente, voltando-se as pinças para dentro....

acantóbolo | n. m.
    Pinça para extrair esquírolas dos ossos....

labugante | n. m.
    Crustáceo decápode parecido com a lagosta, mas munido de pinças no primeiro par de patas....

ostagra | n. f.
    Instrumento para fazer mover os ossos....

quelóide | n. m.
    Cicatriz de queimadura ou de lesão traumática que constitui uma saliência espessa na pele, devida a proliferação anormal de células e que não regride espontaneamente....

ácaro | n. m.
    Designação dada a vários acarídeos de respiração traqueal, sem olhos e com as mandíbulas em forma de pinças. (Entre as suas espécies encontram-se os causadores da sarna do homem e as carraças dos cães. O ácaro desenvolve-se no queijo, na farinha, etc.)...

tenaz | adj. 2 g. | n. f. | n. f. pl.
    Aderente....

bico-de-pato | n. m. | adj. 2 g. 2 núm.
    Que tem a forma de ou se assemelha ao bico de um pato (ex.: máscara bico-de-pato; pinça bico-de-pato)....

autolábio | n. m.
    Pinça que se aperta por si só....

alicate | n. m.
    Espécie de tenaz das mais diversas formas, em uso em grande número de ofícios, para apertar, estender, cortar, torcer, etc., os mais variados objectos. (Este utensílio é formado por duas maxilas de alavanca articuladas entre o ponto de apoio e o ponto de aplicação do esforço.)...

caneta | n. f.
    Cabo ou pinça com que os operadores cirúrgicos seguram o cautério....

forcipressão | n. f.
    Aplicação, sobre um vaso sanguíneo, de uma pinça com o fim de deter a circulação....

lavagante | n. m.
    Crustáceo decápode parecido com a lagosta, mas munido de pinças no primeiro par de patas....

raças | n. f. pl.
    Fenda no casco do cavalo desde a coroa até à pinça....

quelícera | n. f.
    Apêndice cefálico dos aracnídeos que formam um par de pinças, venenosos nos aracnídeos....

quela | n. f.
    Tenaz dos apêndices de diversos crustáceos e aracnídeos....

quelato | n. m.
    Composto que contém um ião metálico em ligação coordenada aos ligandos (ex.: a clorofila é um quelato)....

quelado | n. m.
    O mesmo que quelato....

patola | n. f.
    Pata ou pé grande....

Dúvidas linguísticas


Acho que se escreve boa fé e má fé e não boa-fé e má-fé, como sugere o dicionário. Estou certo?
A tradição lexicográfica portuguesa consagrou o uso do hífen em boa-fé e em má-fé e são estas grafias que aparecem registadas nas principais obras de referência da língua portuguesa contemporânea, nomeadamente em vocabulários, como o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves (Coimbra: Coimbra Ed., 1966) ou o Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado (Lisboa: Ed. Âncora, 2001), e em dicionários, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa (Lisboa: Verbo, 2001), o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (Lisboa: Círculo de Leitores, 2002) ou o Novo Dicionário Aurélio de Língua Portuguesa (Curitiba: Positivo, 2004).

O uso do hífen é problemático para os utilizadores da língua, pois obedece a regras pouco evidentes e algo contraditórias e é por vezes ditado por uma tradição lexicográfica que os falantes desconhecem. No caso específico de boa-fé, esta dificuldade torna-se evidente numa pesquisa em corpora ou em motores de busca da internet, podendo observar-se a ocorrência da palavra hifenizada a par da locução boa fé, inclusivamente em textos jurídicos. Estes casos, não estando previstos nas bases do Acordo Ortográfico que regulam o uso do hífen, regem-se geralmente pela tradição lexicográfica, motivo pelo qual é aconselhável optar pela grafia boa-fé, atestada na maioria das obras de referência, em detrimento da locução boa fé.




Quando se quer formar o diminutivo (usando a desinência "-inho") de um substantivo, levamos em consideração também a desinência dessa palavra? Por exemplo, o diminutivo de "problema" será "probleminho" ou "probleminha", de "poeta" "poetinho" ou "poetinha", etc.?
As formas diminutivas correctas com o sufixo -inho são probleminha ou poetinha.

O sufixo diminutivo -inho associa-se ao radical da palavra, mantendo sempre a vogal da forma de base no caso de palavras de tema em -a ou -o (ex.: um carro - um carrinho; uma ajuda - uma ajudinha; um pijama - um pijaminha; uma foto - uma fotinho) e, no caso de palavras de tema em -e ou de tema nulo, substituindo a vogal da forma de base por -a e por -o, consoante os valores de feminino e masculino, respectivamente, da palavra de base (ex.: um bigode - um bigodinho; uma vontade - uma vontadinha; um cordel - um cordelinho; uma flor - uma florinha).

Apesar de à primeira vista parecer semelhante, o sufixo -zinho tem um comportamento diferente na formação de diminutivos, pois associa-se a palavras (e não a radicais), mantendo a vogal temática de acordo com o género da palavra de base (ex.: um livro - um livrozinho; uma ajuda - uma ajudazinha; um pijama - um pijamazinho; uma foto - uma fotozinha; um bigode - um bigodezinho; uma vontade - uma vontadezinha; um cordel - um cordelzinho; uma flor - uma florzinha).

O que foi dito acima para os sufixos -inho e -zinho é válido também para os sufixos -ito e -zito.


Palavra do dia

so·bre·a·no so·bre·a·no


(sobre- + ano)
nome masculino

[Brasil: Regionalismo]   [Brasil: Regionalismo]  Rês, geralmente novilho, com mais de um ano.

Confrontar: soberano.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Pesquisar/pin%C3%A7a [consultado em 31-01-2023]