Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Como dizer correctamente: ...a área que mais lhe fascina ou ... a área que mais a fascina?
O verbo fascinar é tradicionalmente registado nos dicionários como transitivo directo, isto é, como um verbo que selecciona um complemento nominal obrigatório que não é introduzido por uma preposição (ex.: esta área fascinou o aluno), não sendo consideradas aceitáveis construções com um complemento indirecto, isto é, um complemento nominal obrigatório introduzido por uma preposição (ex.: *esta área fascinou ao aluno; o asterisco indica agramaticalidade). Quando há pronominalização dos complementos de terceira pessoa, o complemento directo corresponde aos pronomes pessoais o, a os, as e o complemento indirecto aos pronomes pessoais lhe, lhes. Assim, relativamente aos exemplos acima referidos, a pronominalização do complemento directo da frase esta área fascinou o aluno deve ser feita com o pronome o (esta área fascinou-o), pois trata-se de um complemento directo, e não com o pronome lhe (*esta área fascinou-lhe).

Em relação às frases apontadas na dúvida colocada, o caso é o mesmo. Deverá ser usada a construção a área que mais a fascina (equivalente a a área que mais fascina alguém) e não a construção *a área que mais lhe fascina (equivalente a *a área que mais fascina a alguém).




Gostaria de saber porque se escreve costas no plural e não no singular uma vez que a parte de trás é um lado. Seguindo o mesmo raciocínio deveríamos escrever peitos ou barrigas? Se eu digo que estou com dor nas costas, deveria dizer também que estou com dor nos peitos ou nas barrigas?
Algumas palavras, apesar de ocorrerem no mesmo contexto que outras (por exemplo dor no peito e dor nas costas) têm uma informação lexical diferente, isto é, não têm o mesmo comportamento no que diz respeito ao género e/ou ao número (nem sempre o que se fixa na língua corresponde à lógica que poderíamos procurar; se seguíssemos essa mesma lógica, peito e costas deveriam ser do mesmo género).

No caso da palavra costa, não podemos dizer dor na costa pois apenas o substantivo feminino plural costas tem o sentido de dorso, um pouco como se fosse uma outra palavra, com sentido distinto de costa, que se pode empregar quer no singular, quer no plural. Não se sabe o que motiva este fenómeno, mas segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (edição brasileira da Editora Objetiva, 2001; edição portuguesa do Círculo de Leitores, 2002) o termo costas aparece na língua portuguesa registado com o significado de dorso pelo menos desde o séc. XIII, enquanto costa com o significado de litoral tem um registo do séc. XIV.

Esta particularidade do plural com um sentido próprio é mais visível no caso de palavras que se empregam exclusivamente no plural. Alvíssaras, por exemplo, é uma palavra usada apenas no plural, apesar de poder ser sinónimo de recompensa, que é usada no singular.

Palavra do dia

des·gai·ra des·gai·ra
(origem obscura)
nome feminino

1. [Portugal: Trás-os-Montes]   [Portugal: Trás-os-Montes]  Usado na locução adverbial adverbial à desgaira.


à desgaira
[Portugal: Trás-os-Montes]   [Portugal: Trás-os-Montes]  Sem cuidado ou com indiferença; sem dar importância.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/Gymnasial [consultado em 26-10-2020]