Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
canjacanja | s. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

can·ja can·ja
(talvez do malaiala kañji, arroz com água)
substantivo feminino

1. Caldo de galinha ou outra ave, geralmente com arroz ou massa.Ver imagem

2. [Informal]   [Informal]  Coisa boa ou fácil de obter.

3. Negócio vantajoso. = PECHINCHA


ser canja
[Informal]   [Informal]  Ser muito fácil.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "Canja" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Gostaria de saber se, perante a utilização de uma oração intercalar precedida da conjunção e, a vírgula deverá vir antes ou depois da conjunção. Concretizando, qual das frases estará correcta: Tratando-se de uma questão importante, e tendo em conta os valores envolvidos, importa tomar uma decisão urgente ou Tratando-se de uma questão importante e, tendo em conta os valores envolvidos, importa tomar uma decisão urgente.
Na primeira frase apontada, estamos perante três orações ([1] Tratando-se de uma questão importante, [2] e tendo em conta os valores envolvidos, [3] importa tomar uma decisão urgente), havendo a coordenação (através da conjunção e) das duas orações gerundivas [1] e [2] que, por sua vez, funcionam como adjunto adverbial da oração principal [3], dela separado através de uma vírgula.

Depois de identificada esta estrutura, podemos verificar que na segunda frase apontada não há motivo para colocar a expressão tendo em conta os valores envolvidos entre vírgulas. Se o fizermos, estaremos a isolar sintacticamente uma estrutura, indicando que está intercalada (por favor, consulte também a resposta vírgula depois da conjunção e). Neste caso, verificamos que não se trata de uma oração intercalada, pois, se tentarmos suprimir o que está entre vírgulas, constatamos que o resultado é agramatical (*Tratando-se de uma questão importante e importa tomar uma decisão urgente). Com efeito, não se trata de uma coordenação da oração principal [3] com a primeira oração gerundiva [1], mas sim de uma coordenação de orações gerundivas, como se afirmou acima.

Do ponto de vista lógico, a frase correcta será então Tratando-se de uma questão importante(,) e tendo em conta os valores envolvidos, importa tomar uma decisão urgente. Os parênteses indicam aqui a opcionalidade da vírgula: aparentemente, entre [1] e [2] não haveria necessidade do uso de uma vírgula, já que a coordenação é feita pela conjunção e e esta vírgula não está a isolar uma parte da frase; no entanto, este uso da vírgula é muito frequente (cf. CUNHA e CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, p. 643) em casos de orações coordenadas unidas pela conjunção e com um sujeito diferente. No caso, as duas orações gerundivas têm sujeitos diferentes, ainda que não expressos, pois o verbo tratar está a ser usado como verbo impessoal (isto é, não tem sujeito) e o verbo ter, na locução ter em conta, tem um sujeito indefinido, como alguém ou nós.

Sobre este assunto, poderá consultar também a resposta vírgula antes da conjunção e.




Qual o critério para classificar o verbo comer de substantivo masculino? Venho por este meio mostrar a minha indignação relativamente às entradas como substantivo na pesquisa do verbo "comer" (https://dicionario.priberam.org/comer).
A língua portuguesa permite que quase todos os verbos tenham, pelo menos hipoteticamente, uma utilização nominal do infinitivo (ex.: o manipular [= manipulação] deste objecto pode ser perigoso; não entendo o proceder [= procedimento] dele). Normalmente, só há registo lexicográfico quando este uso tem um significado que ultrapassa a acção do verbo ou quando a palavra tem uma distribuição com todas as características da classe dos substantivos (ex.: o amanhecer da ideia foi uma conversa de amigos; com o correr dos anos, ficou mais dócil; vimos bonitos entardeceres; estudou os falares do Alentejo; ele é um ser estranho).

É também este o caso da palavra comer, que surge registada em todos os dicionários consultados (e o Dicionário Priberam não é excepção) como verbo e como substantivo (com os significados de comida ou refeição), seguindo este mesmo critério.

Esta classificação corresponde a um uso efectivo na língua em diversos contextos, que pode ser verificada em corpora e motores de pesquisa, podendo ter abonações literárias em autores como Afonso Lopes Vieira, Aquilino Ribeiro, Alves Redol, Guimarães Rosa ou João de Barros, entre outros, ou abonações em obras de divulgação (ex.: Comeres de África Falados em Português, Comeres de Lisboa - Um Roteiro Gastronómico, Festas e Comeres do Povo Português).

Apesar disto, a palavra é considerada informal em alguns meios; daí, provavelmente, o motivo da sua indignação. A função de um dicionário passa por uma descrição dos usos da língua, devendo basear-se essencialmente em factos linguísticos e não estabelecer juízos de valor relativamente a eles, antes apresentá-los o mais objectivamente possível. Dada a riqueza da língua, o falante terá sempre a opção de não utilizar determinadas palavras, consoante as suas necessidades, preferências ou preconceitos.

pub

Palavra do dia

bor·bo·le·ti·ce bor·bo·le·ti·ce
(borboleta + -ice)
substantivo feminino

1. Modos ou movimentos de borboleta.

2. [Figurado]   [Figurado]  Devaneio, imaginação.

3. [Figurado]   [Figurado]  Volubilidade, capricho.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/Canja [consultado em 26-03-2019]