Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

turvem

3ª pess. pl. pres. conj. de turvarturvar
3ª pess. pl. imp. de turvarturvar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

tur·var tur·var

- ConjugarConjugar

verbo transitivo

1. Tornar turvo.

2. Escurecer.

3. Perturbar.

4. Embaciar.

5. Embriagar.

verbo intransitivo

6. Tornar-se turvo ou torvo.

verbo pronominal

7. Agastar-se.

8. Tornar-se turvo.

9. Embriagar-se.

Confrontar: torvar.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "turvem" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

...podemos deixar que a nossa visão deformada pelos conceitos sociais e superficiais de beleza turvem os nossos

Em MULHERES & DEUSAS

Não deixemos que pensamentos negativos turvem nossos pensamentos, ocultando nossos melhores sentimentos, busquemos a luz da verdade e o caminho...

Em Violada mas não vencida

...buracos onde se apagam os fragmentos de um céu cósmico Que as águas se turvem sob uma humidade suspensa

Em palavrasfelinas.blogs.sapo.pt

...buracos onde se apagam os fragmentos de um céu cósmico Que as águas se turvem sob uma humidade suspensa

Em aalmadentrodosdias.blogs.sapo.pt

...buracos onde se apagam os fragmentos de um céu cósmico Que as águas se turvem sob uma humidade suspensa

Em pequenapoesia.blogs.sapo.pt
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Não encontro em dicionários a palavra discursante. Será aceitável como sinónimo de discursista ou discursador?
Apesar de não se encontrar em nenhum dicionário consultado, a palavra discursante está registada pelo menos em duas obras de referência, no Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado (Âncora Editora, Lisboa, 2001) e no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras, mas apenas como adjectivo (ex.: O convidado discursante enganou-se) e não como substantivo (ex.: O discursante enganou-se). No entanto, a palavra discursante segue as regras de boa formação da língua portuguesa e não há motivo, a não ser a tradição lexicográfica, para não poder ser sinónimo de discursista e de discursador, seja como substantivo seja como adjectivo.



Porque se escreve cor-de-rosa (com hífenes) e cor de laranja (sem hífenes) Creio que já era assim antes da imposição do AO90.
Trata-se, com efeito, de uma convenção anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Já no Acordo Ortográfico de 1945 (Base XXVIII) se afirmava que eram "locuções adjectivas: cor de açafrão, cor de café com leite, cor de vinho (casos diferentes de cor-de-rosa, que não é locução, mas verdadeiro composto, por se ter tornado unidade semântica)", sem que haja outra explicação para esta diferença ortográfica. Aos olhos do relator do Acordo, esta explicação parece suficiente, mas o utilizador da língua que a questione não encontrará uma resposta ou razão inequívoca que distinga cor-de-rosa dos outros eventuais compostos com cor.

Francisco Rebelo Gonçalves, no Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa (Coimbra, Atlântida, 1947, pág. 202, nota n.º 2), que ainda hoje é uma obra de referência para a ortografia portuguesa, dá a sua explicação sobre o caso: "Diversamente de outras combinações vocabulares que se baseiam na palavra cor, como cor de laranja, cor de limão, cor de vinho, etc., as quais todas formam locuções, e não compostos, cor-de-rosa é verdadeiro composto, porque, quer como adjectivo, quer como substantivo (cf. seda cor-de-rosa, um cor-de-rosa vivo, etc), constitui uma unidade de sentido, com a qual a linguagem corrente supre, na expressão de uma das cores principais, a falta de um termo simples. De tal modo cor-de-rosa se tornou, quanto ao sentido, perfeita unidade, que até pode qualificar a própria palavra rosa[...]".

Apesar de poder haver contra-argumentos ou contraexemplos como "laranja cor de laranja", "vinho cor de vinho" ou afins, esta argumentação não foi alterada no texto do Acordo Ortográfico de 1990 (Base XV, 6.º): "Nas locuções de qualquer tipo, sejam elas substantivas, adjetivas, pronominais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais, não se emprega em geral o hífen, salvo algumas exceções já consagradas pelo uso (como é o caso de água-de-colónia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa)."

A ortografia é um conjunto de regras convencionadas, e, como tal, é artificial e às vezes pouco amiga do utilizador. Não há nenhuma estratégia para ortografar de forma irrepreensível que não passe pela memorização do léxico e pela interiorização de regras, decorrentes da experiência de leitura e de escrita. O mais das vezes, é o utilizador da língua que mais lê e mais consulta obras de referência, como dicionários, prontuários e afins, que melhor conhece essas regras e que melhor escreve, mas há regras ou preceitos de difícil compreensão. Os textos das reformas e acordos ortográficos, quer mais antigos, quer mais recentes, não prevêem soluções para muitos dos problemas que criam e são lacunares, ambíguos ou incoerentes em alguns aspectos e o caso de cor-de-rosa é disso um exemplo.

pub

Palavra do dia

ce·ráu·ni·co ce·ráu·ni·co


(grego keraunós, -oû, raio + -ico)
adjectivo
adjetivo

[Meteorologia]   [Meteorologia]  Relativo a raios ou relâmpagos (ex.: actividade ceráunica; índice ceráunico; mapa ceráunico).

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/turvem [consultado em 03-12-2022]