PT
BR
Pesquisar
Definições



rolagem

A forma rolagempode ser [derivação feminino singular de rolarrolar] ou [nome feminino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
rolagemrolagem
( ro·la·gem

ro·la·gem

)


nome feminino

1. Acto de rolar. = ROLAMENTO

2. [Aeronáutica] [Aeronáutica] Movimento de uma aeronave que rola no solo para estacionar ou para se dirigir a uma pista de descolagem (ex.: área de rolagem do aeródromo). = TÁXI, TAXIAMENTO

3. [Agricultura] [Agricultura] Operação que consiste em fazer passar um rolo sobre o terreno a fim de esmiuçar os torrões e aconchegar o terreno para lhe conservar a humidade.

etimologiaOrigem etimológica:rolar + -agem.
rolar1rolar1
( ro·lar

ro·lar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Fazer girar. = RODAR

2. Fazer avançar uma coisa, obrigando-a a dar voltas sobre si mesma.

3. Cortar em rolos ou toros (uma árvore).

4. Cortar rente (uma árvore).


verbo intransitivo e pronominal

5. Avançar, girando sobre si mesmo; rebolar-se.

6. Cair, dando voltas.

7. Redemoinhar, encapelar-se (o mar, as ondas).

8. Ecoar (um som, como produzido por movimento rotatório).

9. [Náutica] [Náutica] Descair (a embarcação) para sotavento, deslocando obliquamente o rumo.


verbo intransitivo

10. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Acontecer (ex.: rolou confusão?).

etimologiaOrigem etimológica:francês rouler.
rolar2rolar2
( ro·lar

ro·lar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo intransitivo

1. Fazer o seu som característico (a rola, o pombo, etc.). = ARROLAR, ARRULHAR


verbo transitivo e intransitivo

2. Exprimir ou exprimir-se com meiguice.

etimologiaOrigem etimológica:rola + -ar.

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Gostaria de saber o porque se usa tanto apartir de ou concerteza sendo que o correto é a partir de e com certeza ?
Este fenómeno acontece frequentemente com locuções muito usuais em que os utilizadores da língua têm dificuldades em identificar as fronteiras das palavras, o que tem como consequência erros ortográficos como apartir de (em vez de a partir de), concerteza (em vez de com certeza) ou derrepente (em vez de de repente).



Nota-se hoje alguma tendência para se inutilizar as regras do discurso indirecto. Nos textos jornalísticos sobretudo, hoje quase que ninguém mais respeita os comandos gramáticos regedores do discurso indirecto. Muitos inclusive argumentam tratar-se de normas "ultrapassadas". Daí vermos frequentemente frases do tipo O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos/irá cumprir, ao invés de ia/iria cumprir, como manda a Gramática conhecida até hoje. De que lado estará então a correcção? Ou seja, as normas do discurso indirecto enunciadas nas diferentes gramáticas ainda valem ou deixaram de valer?
As chamadas regras para transformar o discurso directo em discurso indirecto mantêm-se, e têm na Nova Gramática do Português Contemporâneo (14.ª ed., Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998, pp. 629-637) uma sistematização bastante completa.
No entanto, o discurso indirecto livre parece estar a ser cada vez mais usado na imprensa, consciente ou inconscientemente.

Esta forma de discurso é muito usada na oralidade e em textos literários que pretendem diminuir a distância entre o narrador e o discurso relatado e tem como característica exactamente a fusão do discurso directo com o discurso indirecto.
Disso é exemplo a frase apontada (O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos), em que o início tem claramente características de discurso indirecto, como o enunciado na 3.ª pessoa (O ministro X prometeu) ou a oração subordinada integrante dependente de um verbo que indica declaração ou afirmação (prometeu que), e a segunda parte tem claramente características de discurso directo, como o tempo verbal no presente ou no futuro (o seu governo vai/irá cumprir) em vez de no pretérito imperfeito ou no condicional, como seria normal no discurso indirecto (o seu governo ia/iria cumprir).

Para melhor exemplificar a noção de discurso indirecto livre, por contraste com o discurso directo e com o discurso indirecto, colocamos as três frases a seguir.

Discurso directo: O meu governo vai cumprir os prazos.
Discurso indirecto: O ministro X prometeu que o seu governo ia cumprir os prazos.
Discurso indirecto livre: O ministro X prometeu que o seu governo vai cumprir os prazos.