PT
BR
Pesquisar
Definições



rio

A forma riopode ser [primeira pessoa singular do presente do indicativo de rirrir] ou [nome masculino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
riorio
( ri·o

ri·o

)
Imagem

Grande curso de água natural, quase sempre oriunda das montanhas, que recebe no trajecto águas de regatos e ribeiros, e desagua em outro curso de água, num lago ou no mar.


nome masculino

1. Grande curso de água natural, quase sempre oriunda das montanhas, que recebe no trajecto águas de regatos e ribeiros, e desagua em outro curso de água, num lago ou no mar.Imagem

2. [Figurado] [Figurado] Aquilo que corre como um rio ou a ele se assemelha.

3. Grande quantidade de líquido.

4. Grande quantidade de qualquer coisa.


rio de enxurrada

Que só leva água quando chove.

etimologiaOrigem etimológica:latim vulgar rius, do latim rivus, -i.
rirrir
Conjugação:irregular.
Particípio:regular.


verbo intransitivo e pronominal

1. Manifestar o riso.

2. Mostrar alegria ou divertimento. = SORRIR

3. Causar alegria.

4. [Popular] [Popular] Fender-se, rasgar-se.


verbo transitivo

5. Achar graça a (ex.: rio-me sempre das histórias dele).

6. Fazer troça de ou gozar com. = CHALACEAR, ESCARNECER, GOZAR, GRACEJAR, ZOMBAR

etimologiaOrigem etimológica:latim rideo, -ere.

Auxiliares de tradução

Traduzir "rio" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Ao fazer a pesquisa do termo prescindir, observei que constava como verbo intransitivo. Pesquisei, no entanto, no dicionário Aurélio e constava como verbo transitivo. Gostaria de alertar para esse possível erro.
Apesar de, actualmente, o verbo prescindir dever ser considerado um verbo transitivo indirecto, como faz o Aurélio, a classificação mais tradicional em dicionários portugueses (diferentemente de dicionários brasileiros como o Aurélio ou o Houaiss) é classificar verbos com regência de proposições que não sejam a (como "entregar a") como intransitivos (como é o caso de "prescindir de"). Em casos semelhantes, é normal encontrar discrepâncias entre dicionários portugueses e brasileiros, sendo a classificação dos segundos geralmente mais rigorosa.



Qual a função sintáctica de «a médico, confessor e advogado» na frase «a médico, confessor e advogado nunca enganes»: A. complemento indirecto B. complemento directo C. sujeito
A frase que refere é em tudo semelhante à que é apresentada na Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra (Lisboa: Ed. João Sá da Costa, 1998, 14.ª ed., p. 143), como exemplo de uma frase com objecto (ou complemento) directo preposicionado. O constituinte sintáctico a médico, confessor e advogado desempenha aqui a função de complemento directo, ainda que preposicionado, pois, se por regra o complemento directo não é introduzido por preposição, neste caso, e segundo a mesma gramática, “o emprego da preposição não obrigatória transmite à relação um vigor novo, pois o reforço que advém do conteúdo significativo da preposição é sempre um elemento intensificador e clarificador da relação verbo-objecto” (p. 555). Os complementos directos preposicionados contêm normalmente a preposição a e são estruturas algo raras na língua actual; têm como principal função a desambiguação dos constituintes, especialmente quando há inversão da ordem canónica ou elisão do verbo (ex.: ao médico enganou o rapaz e ao confessor a rapariga), ou a ênfase de um constituinte, normalmente em estruturas ligadas a verbos como adorar, amar, bendizer, estimar (ex.: os crentes amam a Deus; estima muito aos teus pais).