PT
BR
Pesquisar
Definições



pouco

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
poucopouco
( pou·co

pou·co

)


quantificador existencial e pronome indefinido

1. Em pequena quantidade (ex.: a sopa tem pouco sal; havia pouco tempo; levámos muita roupa na mala, mas usámos pouca).BASTANTE, MUITO


pronome indefinido

2. Indica curto período de tempo (ex.: chegámos há pouco).MUITO


advérbio

3. Com intensidade ou com frequência baixa (ex.: choveu pouco este ano).BASTANTE, MUITO

4. De modo insuficiente (ex.: o problema é estudar pouco).BASTANTE, MUITO

5. De modo raro ou em número reduzido de vezes (ex.: eles vão pouco ao cinema). = RARAMENTEAMIÚDE, FREQUENTEMENTE


nome masculino

6. O que é ou existe em diminuta quantidade ou intensidade (ex.: espalhe um pouco de alegria; juntei um pouco de leite).

7. Quantidade pequena de algo (ex.: o pouco que fizemos é muito mais do que já tinha sido feito).MUITO

8. Coisa de reduzida importância ou de valor pequeno (ex.: habituou-se a viver com pouco).MUITO


a pouco e pouco

Um pouco de cada vez; de forma progressiva. = AOS POUCOS, LENTAMENTE, PAULATINAMENTE, PROGRESSIVAMENTE

aos poucos

Um pouco de cada vez; de forma progressiva. = A POUCO E POUCO, LENTAMENTE, PAULATINAMENTE, POUCO A POUCO, PROGRESSIVAMENTE

daí a pouco

Pouco tempo depois; daqui a alguns instantes (ex.: saiu sem fechar a porta porque daí a pouco estaria de volta).

dali a pouco

Pouco tempo depois; dali a alguns instantes (ex.: adoeceu de repente e dali a pouco faleceu).

daqui a pouco

Pouco tempo depois; daqui a alguns instantes (ex.: embarcamos daqui a pouco). = BREVEMENTE

e pouco

[Informal] [Informal] O mesmo que e poucos.

e poucos

[Informal] [Informal] Usa-se para indicar um pouco mais do que determinado valor ou quantidade (ex.: fui almoçar às duas e poucos; não sei a idade dela, mas deve ter quarenta e poucos). = E PICOS

fazer pouco

Fazer troça ou chacota (ex.: alguns colegas fizeram pouco da ideia; ele tropeçou e caiu, não façam pouco). = GOZAR, TROÇAR, ZOMBAR

por (um) pouco

Por uma pequena diferença (ex.: falhou o alvo por pouco). = POR UM TRIZ, QUASE

pouco a pouco

Gradualmente e devagar; a pequenos intervalos (ex.: a família foi aumentando pouco a pouco). = AOS POUCOS, PAULATINAMENTE

pouco e pouco

O mesmo que pouco a pouco.

saber a pouco

Acabar depressa aquilo que é bom ou que se quer prolongar (ex.: as férias souberam a pouco).

etimologiaOrigem etimológica:latim paucus, -a, -um.
Confrontar: porco.

Auxiliares de tradução

Traduzir "pouco" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Com relação à conjugação do verbo adequar e às explicações que vocês forneceram para uma consulta enviada, quero registrar que estranha-me o fato de vocês terminarem a explicação dizendo "..., como afirma Rebelo Gonçalves, que o termo (no caso, uma forma verbal) que hoje não passa de uma hipótese, futuramente poderá ser uma realidade."
Seguramente, se formos considerar tudo o que hoje é uma hipótese, já como realidade ouviremos inúmeros "a nível de Brasil", "houveram muitos problemas", "menas pessoas", "há dez anos atrás", "fazem muitos anos que não a vejo", etc.
Entendo que, a partir daí, as regras gramaticais não farão mais nenhum sentido na nossa língua portuguesa.
Sem contar que na conjugação desse mesmo verbo, no Pretérito Perfeito do Indicativo, vocês acentuaram a primeira pessoa do plural, regra de acentuação que desconheço e que, se vocês observarem, também não consta do Houaiss.
Permita-me uma segunda observação: a resposta para essa pesquisa vocês consultaram Rebelo Gonçalves, no Vocabulário da Língua Portuguesa, datado de 1966. A última reforma ortográfica data, se não me engano, de 1973, portanto muito tempo depois.
A defectividade de determinados verbos sempre foi objecto de discussão entre linguistas e gramáticos, uma vez que, apesar de alguns serem considerados defectivos em determinadas acepções, o uso das restantes formas que não fazem parte do paradigma defectivo é sempre possível em determinados contextos. Os outros casos que refere como sendo também possíveis de utilização normativa futura são consensuais entre os gramáticos quanto à sua incorrecção, não gerando qualquer discórdia a nível semântico, lexical ou sintáctico. A justificação apresentada na resposta quer apenas indicar que, enquanto até há pouco tempo os dicionários de língua e de conjugação registavam alguns verbos como defectivos, existem obras que actualmente conjugam os mesmos verbos em todas as pessoas, fazendo a indicação da sua defectividade nas gramáticas tradicionais.

O Vocabulário de Rebelo Gonçalves, apesar de editado em 1966, continua a ser a referência para a elaboração de obras lexicográficas e para o esclarecimento de muitas dúvidas. Enquanto não sair do prelo a nova edição revista do Vocabulário de Rebelo Gonçalves ou um novo elaborado pela Academia das Ciências de Lisboa que venha a ser reconhecidamente a referência lexicográfica para o Português europeu, aquele continuará a ser a base por excelência para a elaboração de dicionários e para a resolução de dúvidas lexicais (para a norma europeia do Português).

Ao contrário do que refere, a última reforma ortográfica não data de 1973, uma vez que a lei promulgada nesse ano em Portugal é apenas uma revisão e simplificação de determinados pontos do acordo ortográfico de 1945, que o Brasil não ratificou.

Quanto à flexão acentuada graficamente do verbo adequar no pretérito perfeito do indicativo (adequámos), o paradigma dos verbos regulares da 1.ª conjugação prevê, em Portugal e não no Brasil, que se acentue as formas da primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo (que em Portugal se pronunciam com a aberto) para se distinguir das formas do presente do indicativo (que em Portugal se pronunciam com a fechado): comprámos/compramos, lavámos/lavamos, registámos/registamos, etc. Portanto, a conjugação apresentada no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa está de acordo com o estabelecido no acordo ortográfico em vigor em Portugal.




A língua portuguesa a partir deste ano não seria unificada? As palavras não seriam igualmente escritas em todos os países que têm como língua mãe o português?
O que está em discussão quando se fala do Acordo Ortográfico (cuja entrada em vigor e período de transição têm datas variáveis consoante cada país) não é uma unificação da língua, mas uma "ortografia unificada" (cf. primeiro parágrafo do Acordo Ortográfico de 1990).

A linguagem escrita, contrariamente à linguagem oral, não é adquirida por exposição a textos escritos, antes resulta de aprendizagem, isto é, de alfabetização. Através de processos de repetição, de leitura e de memorização há uma aprendizagem formal, geralmente institucionalizada, da representação gráfica da oralidade. Tal representação obedece a regras convencionadas, algumas das quais adquiridas de forma explícita. A ortografia é então apenas uma parte da língua, a mais convencionada e menos natural, que corresponde à forma gráfica que a língua assume nos seus suportes escritos.

O Acordo Ortográfico pretende uniformizar, de alguma forma, a ortografia da língua portuguesa, mas este texto legal não pretende neutralizar as variadíssimas diferenças e variantes entre as variedades do português, principalmente no que diz respeito ao léxico, à fonética ou à sintaxe. Mesmo a nível ortográfico, há diferenças, principalmente entre a norma brasileira e a norma portuguesa, que não estão previstas e não são resolvidas pelo Acordo Ortográfico, nomeadamente aquelas que resultam da tradição lexicográfica (i.e., o registo das palavras nos dicionários, ao longo de muitos anos) diferente em Portugal e no Brasil (ex.: alforge, beringela, connosco ou missanga na norma europeia e alforje, berinjela, conosco ou miçanga na norma brasileira).