Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

Pesquisa por "crowdsourcing" nas definições

crowdsourcing | n. m.
    Conjunto formado pelas contribuições ou colaborações de um grande número de pessoas para a realização de determinada tarefa ou para a obtenção de determinado resultado, geralmente através da Internet....

Dúvidas linguísticas


Vivo nos Açores, e na escola aprendi a escrever a palavra açoreano, mas na televisão dizem que é açoriano. Quem tem razão?
De acordo com o ponto 3 da base IX do Acordo Ortográfico de 1945, a que poderá aceder seguindo a hiperligação, o adjectivo referente ao arquipélago dos Açores escreve-se com i, pois grafam-se com i, antes da sílaba tónica, os adjectivos e substantivos derivados com os sufixos -ense e -ano, aos quais se apõe um i para formar as terminações -iense e -iano. Nesta regra incluem-se palavras como açoriano, acriano, cabo-verdiano, camoniano ou torriense.

O Acordo Ortográfico de 1990 [ver Base V, 2.º, alínea c)] não alterou nada relativamente a este ponto para o português europeu. Esta indicação de escrever com i e não com e os derivados em que entram os sufixos -iano e -iense não estava prevista no Formulário Ortográfico de 1943, que regulava a ortografia brasileira, pelo que o português do Brasil, depois da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, deverá sofrer esta pequena alteração.




Qual destas frases está correcta: «Ele assegurou-me que viria» ou «Ele assegurou-me de que viria»? Li que o verbo "assegurar" é regido pela preposição "de" quando é conjugado pronominalmente; no entanto, só me soa bem dessa forma quando ele é conjugado reflexivamente, como em "Eles asseguraram-se de que não eram seguidos". Afinal, como é que é? Obrigada.
Os dicionários que registam as regências verbais, como o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa ou o Dicionário sintáctico de verbos portugueses, estipulam que o verbo assegurar é regido pela preposição de apenas quando usado como pronominal (ex.: quando saiu de casa assegurou-se de que as janelas estavam fechadas). Para além do uso pronominal, o verbo assegurar pode ainda ser transitivo directo ou bitransitivo, isto é, seleccionar complementos não regidos por preposição (ex.: os testes assegurariam que o programa iria funcionar sem problemas; o filho assegurou-lhe que iria estudar muito).

Este uso preposicionado do verbo assegurar na acepção pronominal nem sempre é respeitado, havendo uma tendência generalizada para a omissão da preposição (ex.: quando saiu de casa assegurou-se que as janelas estavam fechadas). O fenómeno de elisão da preposição de como iniciadora de complementos com frases finitas não se cinge ao verbo assegurar, acontecendo também com outros verbos, como por exemplo aperceber (ex.: não se apercebeu [de] que estava a chover antes de sair de casa) ou esquecer (ex.: esquecera-se [de] que havia greve dos transportes públicos).

Palavra do dia

nes·so·ra |è|nes·so·ra |è|


(nessa + hora)
advérbio

1. [Antigo]   [Antigo]  Nessa hora.

2. [Antigo]   [Antigo]  Nesse ou naquele tempo ou ocasião. = ENTÃO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/pesquisar/crowdsourcing [consultado em 26-03-2023]