Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

meirinho-mor

meirinho-mormeirinho-mor | n.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

meirinho-mor meirinho-mor


nome

(A definição desta palavra estará disponível brevemente. Envie comentários ou sugestões para dicionario@priberam.pt)
pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

seu nome aparecer na décima posição na lista entregue ao meirinho-mor , o rei retorquiu: -- Não és duque, marquês ou conde. Não passas dum pajem. -- E os nossos pares, aqueles que não vieram à reunião? -- insistiu o súbdito, algo envergonhado O rei estendeu a mão e, com o gesto adequado, simulou a

Em dofutebol.blogs.sapo.pt

; Corregedor da Corte para o Crime - procurador judicial para os assuntos criminais; Meirinho-mor - magistrado encarregado de aplicar a justiça aos nobres e fiscalizar a aplicação da justiça nas terras senhoriais. Oficiais de administração e justiça Sobrejuiz ou ouvidor do crime - juiz superior para os

Em monarquiaportuguesa.blogs.sapo.pt

(filho de Francisco Xavier Leite e de Maria de Oliveira) – casou com DONA MARIA MATILDES BORGES DA CUNHA a 20/07/1782. Dona Maria Matildes Borges da Cunha é filha de CAPITÃO- MOR BALTAZAR BORGES DA CUNHA E SOUSA (natural da freguesia de Mondim de Basto) e de DONA ANA MARIA BORGES DA COSTA (natural da

Em manuel1961.blogs.sapo.pt

FILIPA VAZ CAMPOS (moradores no Arco de Baúlhe) e neta paterna de JOÃO RODAS LOBO (Fidalgo da Casa Real, Capitão- mor de Basto e filho Bastardo - Gayo XVIII - TT Meireles, §12, nº12) e de POLUCEMA DE SOUSA (Gayo XVIII - TT Meireles, §12, nº12) e materna de ??? e de FRANCISCA NOVAES (senhora da Quinta de

Em manuel1961.blogs.sapo.pt

meirinho-mor João Simão de Urrô. Dinis quis saber que documento o infante segurava na mão, ao que Afonso respondeu altivo: - Trata-se do protesto que minha mãe proferiu, a 6 de Fevereiro de 1297, nesta mesma alcáçova, contra a legitimação dos filhos de meu tio Afonso. Hoje, na presença de todas estas

Em anodomdinis.blogs.sapo.pt
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Posso utilizar a expressão e/ou em um texto formal? Se não, como escrevê-la? Posso escrever e ou ou e, ou?
As palavras e e ou são conjunções coordenativas, isto é, relacionam termos que podem ter a mesma função na frase (ex.: vou comprar umas calças azuis e brancas; vou comprar umas calças azuis ou brancas), sendo que a conjunção e indica adição (ex.: calças azuis e brancas) e a conjunção ou indica alternativa (ex.: calças azuis ou brancas).

A expressão e/ou é utilizada para exprimir de maneira económica e clara três hipóteses, duas delas contidas numa alternativa (uma coisa ou outra) e a outra contida numa adição (uma coisa e outra). Por exemplo, numa frase como todos os utilizadores têm o direito de rectificação e/ou eliminação dos seus dados pessoais, o texto destacado indica que é possível 1) a rectificação dos seus dados pessoais, 2) a eliminação dos seus dados pessoais, 3) a rectificação dos seus dados pessoais e a eliminação dos seus dados pessoais. Os pontos 1) e 2) estão contidos na alternativa com ou e o ponto 3) está contido na adição com e.

Não há qualquer motivo para a não utilização desta expressão num texto formal. A barra indica opcionalidade entre o e e o ou: rectificação e/ou eliminação dos seus dados pessoais = rectificação e eliminação dos seus dados pessoais / rectificação ou eliminação dos seus dados pessoais.




A palavra "bué" foi ou não aceite na Língua Portuguesa?
Não há nenhuma instituição ou entidade que possa aceitar ou não uma palavra na língua ou determinar o que é aceite. A partir do momento em que uma palavra é utilizada, sobretudo por um número elevado de falantes e com larga difusão geográfica, passa a ser um facto linguístico e cabe ao utilizador da língua decidir acerca da sua utilização ou não, consoante o seu conhecimento linguístico, a situação em que se encontra e o uso próprio que ele faz da língua. Mesmo os chamados erros ou o desrespeito por determinadas regras não deixam de ser factos linguísticos e de fazer parte da língua; se o falante tiver conhecimento de que se trata de um erro, pode é optar por o utilizar ou não.

Em relação à palavra bué, não é de um erro que se trata, mas de um advérbio e pronome que faz parte de um registo mais informal da língua, muitas vezes denominado calão, mas cujas fronteiras são difíceis de definir. Como outras palavras deste nível de língua, é considerado normal ou seu uso em contextos informais, sendo desaconselhado ou desadequado em situações mais formais.

A eventual dicionarização de palavras de nível informal (o registo de bué no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa em 2001 foi, de alguma forma, polémico) não torna uma palavra aceite ou não, pois faz parte do conhecimento linguístico dos falantes saber em que situação usar determinado nível de língua. O uso de níveis de língua diferentes está relacionado com o conhecimento das situações de comunicação e dos códigos de conduta social, que passa também pela utilização da língua (um exemplo claro deste conhecimento é o uso dos chamados palavrões, ou tabuísmos, cuja utilização em determinadas situações é considerada altamente reprovável).


pub

Palavra do dia

zoi·si·te zoi·si·ta


([Sigismund] Zois [von Eldstein], antropónimo [mineralogista esloveno] + -ite)
nome feminino

[Mineralogia]   [Mineralogia]  Mineral ortorrômbico do grupo dos epídotos, usado como pedra preciosa.


• Grafia no Brasil: zoisita.

• Grafia no Brasil: zoisita.

• Grafia em Portugal: zoisite.

• Grafia em Portugal: zoisite.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/meirinho-mor [consultado em 26-01-2022]