Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

lobitango

lobitangolobitango | adj. | n. m.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

lo·bi·tan·go lo·bi·tan·go


(Lobito, topónimo + -ango)
adjectivo
adjetivo

1. Relativo ou pertencente ao Lobito, cidade angolana.

nome masculino

2. Natural ou habitante do Lobito.


SinónimoSinônimo Geral: LOBITENSE

pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

casal Pereira tinha deixado o litoral Lobitango no fim dos anos quarenta por razões de transferência e promoção, algo que acontecia...

Em Kimbo Lagoa

Por momentos, pensei que « lobitango » estivesse nos nossos dicionários..

Em linguagista.blogs.sapo.pt
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Qual a correta grafia: sub-bosque ou subosque?
O prefixo sub- deve ser seguido de hífen quando o elemento seguinte se inicia por b, uma vez que se trata da mesma consoante por que termina o prefixo, como prevê o Acordo Ortográfico de 1945 (para o português de Portugal). O Formulário Ortográfico de 1943 (para o português do Brasil) não tem este contexto previsto no uso do hífen, mas o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) da Academia Brasileira de Letras regista esta forma e outras com a sequência sub-b...; a par disto, é de referir que também as formas subosque e sobosque estão registadas no VOLP, depreendendo-se a sua origem nas formas prefixais su- e so-, respectivamente, equivalentes a sub- e sob-, mas de contexto ortográfico diferente (daí o facto de não serem formas hifenizadas).

Este contexto ortográfico não sofre alteração com a aplicação do novo Acordo Ortográfico de 1990, pois, apesar de o texto do Acordo ser omisso neste ponto (cf. Base XVI), a "Nota Explicativa" anexa ao referido texto prevê o uso do hífen: "6.3 - O hífen nas formas derivadas (base XVI) [...] a) Emprega-se o hífen quando o segundo elemento da formação começa por h ou pela mesma vogal ou consoante com que termina o prefixo ou pseudoprefixo (por exemplo: anti-higiénico, contra-almirante, hiper-resistente) [...]" (sublinhado nosso).

Por este motivo, pode dizer-se que a forma sub-bosque está correcta, bem como as formas sobosque ou subosque, apesar de estas duas últimas preverem o uso de prefixos equivalentes a sob- ou sub-, que serão menos consensuais (o prefixo su- com este sentido não se encontra registado em nenhuma obra lexicográfica por nós consultada).




Nota-se hoje alguma tendência para se inutilizar as regras do discurso indirecto. Nos textos jornalísticos sobretudo, hoje quase que ninguém mais respeita os comandos gramáticos regedores do discurso indirecto. Muitos inclusive argumentam tratar-se de normas "ultrapassadas". Daí vermos frequentemente frases do tipo O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos/irá cumprir, ao invés de ia/iria cumprir, como manda a Gramática conhecida até hoje. De que lado estará então a correcção? Ou seja, as normas do discurso indirecto enunciadas nas diferentes gramáticas ainda valem ou deixaram de valer?
As chamadas regras para transformar o discurso directo em discurso indirecto mantêm-se, e têm na Nova Gramática do Português Contemporâneo (14.ª ed., Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998, pp. 629-637) uma sistematização bastante completa.
No entanto, o discurso indirecto livre parece estar a ser cada vez mais usado na imprensa, consciente ou inconscientemente.

Esta forma de discurso é muito usada na oralidade e em textos literários que pretendem diminuir a distância entre o narrador e o discurso relatado e tem como característica exactamente a fusão do discurso directo com o discurso indirecto.
Disso é exemplo a frase apontada (O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos), em que o início tem claramente características de discurso indirecto, como o enunciado na 3.ª pessoa (O ministro X prometeu) ou a oração subordinada integrante dependente de um verbo que indica declaração ou afirmação (prometeu que), e a segunda parte tem claramente características de discurso directo, como o tempo verbal no presente ou no futuro (o seu governo vai/irá cumprir) em vez de no pretérito imperfeito ou no condicional, como seria normal no discurso indirecto (o seu governo ia/iria cumprir).

Para melhor exemplificar a noção de discurso indirecto livre, por contraste com o discurso directo e com o discurso indirecto, colocamos as três frases a seguir.

Discurso directo: O meu governo vai cumprir os prazos.
Discurso indirecto: O ministro X prometeu que o seu governo ia cumprir os prazos.
Discurso indirecto livre: O ministro X prometeu que o seu governo vai cumprir os prazos.

pub

Palavra do dia

qui·ro·po·dis·ta qui·ro·po·dis·ta


(quiropodia + -ista)
nome de dois géneros

Especialista em quiropodia ou no tratamento das doenças e dos problemas dos pés.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/lobitango [consultado em 17-08-2022]