Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

irizar

irizaririzar | v. intr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

i·ri·zar i·ri·zar


verbo intransitivo

Ser atacado (o cafezeiro) de iriz.

Confrontar: irisar.
pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

itens tecnológicos de segurança disponíveis no portfólio atual e contam com carrocerias Irizar i6 e i6S, respectivamente..

Em www.caminhoes-e-carretas.com

...encarroçadores homologados pela MAN para estas plataformas são a Marcopolo, a Ayats e a Irizar , em suas versões de piso simples ou duplo, desde 13 até 15 metros...

Em www.caminhoes-e-carretas.com

Julen Irizar (Euskadi Basque Country-Murias) venceu a segunda etapa, que ligou Castro Daire a Pedrógão Grande,...

Em HELDER BARROS

carroceria Irizar e piso normal..

Em www.caminhoes-e-carretas.com

...Daniel Blake Prémio de Público para Obra Europeia My Life as a Courgette Prémio Irizar Basque Pedalo Prémio Juventude Eroski In Between Acompanha-nos no Facebook, aqui , e no...

Em cinematograficamentefalando
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Nesta locução latina, qual das formas está correta: "status quo" ou "statu quo"?
A grafia correcta, atestada pelos principais dicionários de língua portuguesa, é statu quo e significa “o estado das coisas em determinado momento”. Esta locução, que se fixou por influência da área diplomática, é redução da expressão latina in statu quo ante que significa “no estado em que se encontrava antes”.

Em português (e em outros idiomas como o francês ou o espanhol), a locução statu quo perdeu o valor adverbial latino e adquiriu valor de substantivo (ex.: A manifestação não representa uma ruptura do statu quo), o que pode estar na origem do aparecimento da forma status quo.

Em latim (e noutras línguas declináveis, como o alemão ou o russo) as funções sintácticas são assinaladas morfologicamente: as diferentes desinências da palavra indicam se ela está a ser usada na posição de sujeito (através do caso nominativo, como em status), de complemento directo (através do caso acusativo, como em statum), de complemento indirecto (através do caso dativo, como em statui), de complemento circunstancial (através do caso ablativo, como em statu), etc. Assim, como a locução passou a ter valor de substantivo, a forma status quo, difundida maioritariamente pelo inglês, e considerada preferencial apenas pelo Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (Curitiba: Positivo, 2004), transmitiria essa mudança de significado, já que statu significa “no estado” e não “o estado”. Esta justificação é questionável porque (i) estamos perante a redução de uma outra locução latina, em que há exigência de ablativo após a preposição latina in (“em”), e porque (ii) existem outros casos de palavras e expressões latinas que se fixaram como substantivos no português com a forma de casos que não o nominativo. Exemplos disso são a expressão anno Domini (literalmente, “no ano do Senhor”) que se usa para referir a era cristã, sendo composta pelo ablativo de annus “ano” e pelo genitivo de dominus “senhor”, bem como a palavra quórum, de quorum, genitivo masculino plural do pronome relativo qui, quae, quod “que”.

A locução statu quo não deve porém ser confundida com a palavra isolada status, que significa (i) “estatuto” (ex.: A categoria do trabalhador corresponde ao seu status na empresa) e (ii) “prestígio” (ex.: Exibia nas festas os símbolos do status recém-adquirido por casamento).




Tenho uma pequena dúvida entre o emprego de pronomes. Por exemplo, na frase seguinte o correto é Isto é para eu fazer ou Isto é para mim fazer?
Os pronomes pessoais, além de se dividirem em pessoa (primeira, segunda ou terceira) e número (singular ou plural), dividem-se também consoante a sua função na frase, isto é, sujeito (ex.: tu estás doente), complemento directo (ex.: vestiste-te), complemento indirecto (ex.: entreguei-te a encomenda) ou complemento circunstancial (ex.: fez isto por ti), como poderá consultar no tópico Pronomes da Gramática do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Os pronomes eu, tu, ele/ela, você, nós, vós, eles/elas, vocês correspondem então a pronomes de sujeito, que podem desempenhar não só funções de sujeito (ex.: eu faço isso), mas também de predicativo do sujeito (ex.: o professor é ele) ou de vocativo (ex.: vocês, venham cá).

A frase referida na dúvida (Isto é para eu fazer) é composta por duas orações: a principal (Isto é) e uma oração infinitiva completiva (para eu fazer), que corresponde ao predicativo do sujeito da oração principal (por isso se chama completiva). Cada uma destas duas orações tem uma estrutura interna com os seus constituintes essenciais. Atentando apenas à oração infinitiva completiva (para eu fazer), que é a que nos interessa para a questão colocada, verificamos que o pronome eu é o sujeito da oração, como se poderá constatar transformando esta oração numa frase simples (eu faço isso) ou alterando o sujeito (isto é para eles fazerem) para conferir que esta alteração obriga à concordância do verbo (é o sujeito da frase que desencadeia a concordância com o verbo).

Pelos motivos acima apontados, a frase correcta deverá ser Isto é para eu fazer e não *Isto é para mim fazer (o asterisco indica incorrecção).

pub

Palavra do dia

lha·nu·ra lha·nu·ra


(lhano + -ura)
nome feminino

1. [Pouco usado]   [Pouco usado]  Qualidade do que é sincero, despretensioso ou amável. = LHANEZA

2. [Pouco usado]   [Pouco usado]  Superfície plana. = PLANURA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/irizar [consultado em 12-08-2022]