Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

iluda

1ª pess. sing. pres. conj. de iludiriludir
3ª pess. sing. imp. de iludiriludir
3ª pess. sing. pres. conj. de iludiriludir
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

i·lu·dir i·lu·dir

- ConjugarConjugar

(latim illudo, -ere, divertir-se, brincar com, zombar, insultar, prejudicar)
verbo transitivo

1. Enganar.

2. Causar ilusão a.

3. Frustrar, malograr.

4. Enganar com subterfúgios. = BURLAR, LOGRAR

verbo pronominal

5. Ser vítima de ilusão.

6. Enganar-se.

Confrontar: eludir.
pub

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

Ninguém se iluda

Em Memoria recente e antiga

Que ninguém se iluda com o cliché de que foram os «adeptos que salvaram o futebol» porque, na...

Em O INDEFECTÍVEL

Ninguém se iluda !!

Em Memoria recente e antiga

Ninguém se iluda nem venha dizer que antigamente era melhor, pois parecia a Idade Média, todos desprotegidos,...

Em TEMPO CONTADO

Quem segue a vida política estará olhando, que ninguém se iluda ", disse recentemente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em um grupo de WhatsApp da...

Em Caderno B
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


A palavra reprocessamento existe?
A palavra reprocessamento encontra-se registada em alguns dicionários de língua portuguesa, como por exemplo no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (Lisboa, Círculo de Leitores, 2002). No entanto, mesmo que esse vocábulo não se encontrasse atestado em nenhuma obra lexicográfica, o seu uso seria sempre aceitável, pois a sua formação é perfeitamente regular (de re- + processamento).



Surgiu uma dúvida sobre a escrita correta: nenhuma - está correto - e nem uma - é correto também ou não se usa?

Ambas as grafias, nenhuma e nem uma, estão correctas; os seus usos e funções é que são distintos.

A palavra nenhuma pode funcionar como determinante (i.e., antes de um nome) ou como pronome (i.e., em vez de um nome) indefinido, indicando negação (1)-(2), ausência (3)-(4) ou reforço de negação (5)-(6). As frases dos números ímpares correspondem a exemplos de nenhuma como determinante, as dos números pares correspondem a exemplos de nenhuma como pronome:
(1) Nenhuma pedra será removida.
(2) Juntou várias pedras mas nenhuma foi removida.

(3) Nenhuma sócia compareceu à festa.
(4) Convidou várias pessoas mas nenhuma compareceu à festa.

(5) Não tenho nenhuma vontade de sair hoje à noite.
(6) Experimentou várias blusas, mas não gostou de nenhuma.

Ainda em posição pré-nominal, e ligada à partícula de negação não, nenhuma pode ser equivalente ao indefinido uma:
(7) Ela não é nenhuma especialista na matéria, mas sabe o que diz.

Note-se que nas frases (1) e (3) nenhuma pode ser substituída por nem uma sem perda de sentido, contrariamente ao que sucede com a frase (5), que gera uma frase agramatical (5a):
(1a) Nem uma pedra será removida.
(3a) Nem uma das sócias compareceu à festa.
(5a) *Não tenho nem uma vontade de sair.

A palavra nenhuma, em posição pós-nominal, tem ainda uma função adjectival, reforçando a negação (5b). Neste contexto, nenhuma nunca pode ser substituída por nem uma, uma vez que tal substituição produz frases agramaticais como (5c):
(5b) Não tenho vontade nenhuma de sair.
(5c) *Não tenho vontade nem uma de sair.

A expressão nem uma pode também significar “nem mesmo uma”:
(8) Nem uma escavadora conseguiria remover esta pedra!

A frase de (8) significa que nem sequer uma escavadora conseguiria remover a pedra. Se nenhuma fosse utilizada em (8), o sentido seria outro: escavadora alguma conseguiria remover a pedra.


pub

Palavra do dia

al·cor·que al·cor·que


(árabe al-qurq)
nome masculino

[Antigo]   [Antigo]  Calçado com sola de cortiça.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/iluda [consultado em 02-08-2021]