Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

ia

-ia-ia | suf.
1ª pess. sing. pret. imperf. ind. de irir
3ª pess. sing. pret. imperf. ind. de irir
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

-ia -ia


sufixo

Designativo de estado, profissão, indústria, etc.


ir ir 1

- ConjugarConjugar

(latim eo, ire)
verbo transitivo, intransitivo e pronominal

1. Passar ou ser levado de um lugar para outro, afastando-se.VIR

verbo transitivo

2. Deslocar-se até um lugar para lá permanecer (ex.: foi para Londres quando tinha 10 anos).VIR

3. Deslocar-se a um local para fazer algo (ex.: amanhã quero ir ao cinema).

4. Andar, caminhar, seguir.

5. Ter certo lugar como destino (ex.: o avião vai para Casablanca).

6. Ser usado com determinado propósito (ex.: o dinheiro do subsídio de férias irá para a revisão do carro).

7. Formar um conjunto harmonioso (ex.: essas cores vão bem uma com a outra). = COMBINAR, DAR

8. Abranger, estender-se (ex.: o parque vai até ao outro lado da cidade).

9. Investir, chocar (ex.: o carro foi contra o poste).

10. [Informal]   [Informal]  Tomar parte em. = PARTICIPAR

11. Ter decorrido ou passado (ex.: já lá vão cinco anos desde que a acção foi posta em tribunal).

12. Seguir junto. = ACOMPANHAR

13. Agir de determinada maneira (ex.: ir contra as regras).

14. Escolher determinada profissão ou área de estudos (ex.: ir para engenharia; ir para dentista).

15. Frequentar; ingressar (ex.: o menino já vai à escola). = ANDAR

verbo pronominal

16. Desaparecer, gastar-se (ex.: o salário foi-se; a minha paciência vai-se rápido).

17. Deixar de funcionar (ex.: o telemóvel foi-se). = AVARIAR

verbo intransitivo e pronominal

18. Morrer.

19. Deixar um local (ex.: os alunos já se foram todos). = PARTIRCHEGAR

verbo intransitivo

20. Ser enviado (ex.: a carta já foi).

verbo copulativo

21. Evoluir de determinada maneira (ex.: o trabalho vai bem). = DESENROLAR-SE

22. Dirigir-se para algum lugar em determinado estado ou situação (ex.: os miúdos foram zangados).

verbo auxiliar

23. Usa-se, seguido de um verbo no infinitivo, para indicar tempo futuro ou passado (ex.: vou telefonar; onde foste desencantar estas roupas?).

24. Usa-se, seguido de um verbo no infinitivo, precedido pela preposição a, ou seguido de um verbo no gerúndio, para indicar duração (ex.: o cão ia a saltar; o tempo vai passando).


ir abaixo
Desmoronar-se (ex.: o prédio foi abaixo com a explosão). = VIR ABAIXO

ir-se abaixo
Ficar sem energia ou sem ânimo (ex.: depois da primeira subida, foram-se abaixo).

Perder o controlo emocional (ex.: foi-se abaixo e começou a chorar).

ir dentro
[Portugal, Informal]   [Portugal, Informal]  Ser preso.

ou vai ou racha
[Informal]   [Informal]  Expressão indicativa da determinação de alguém em realizar ou concluir algo, independentemente das dificuldades ou do esforço necessários. = CUSTE O QUE CUSTAR


Ir Ir 2


símbolo

[Química]   [Química]  Símbolo químico do irídio.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "ia" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Dúvidas linguísticas


Qual o plural de social-democrata?
Podemos considerar que a palavra social-democrata admite dois plurais: sociais-democratas ou social-democratas.

O plural das palavras compostas é por vezes problemático para os utilizadores da língua, pois obedece a regras nem sempre evidentes. Por este motivo, muitos dicionários de língua preocupam-se em registar o plural destas palavras (é o caso, para o português europeu, do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo, ou do Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, do Círculo de Leitores).

Em traços muito gerais, as regras de flexão de palavras compostas hifenizadas podem resumir-se em algumas alíneas:
a) Se a palavra é formada por um substantivo seguido de preposição e de outro(s) substantivo(s) (ex.: chapéu-de-chuva, bordão-de-são-josé), flexiona apenas o primeiro substantivo (ex.: chapéus-de-chuva, bordões-de-são-josé).
b) Se a palavra é formada por um substantivo seguido de adjectivo (ex.: secretaria-geral), ou por adjectivo seguido de substantivo (ex.: segundo-cabo), ou por adjectivo seguido de adjectivo (ex.: surdo-mudo), flexionam os dois vocábulos (ex.: secretarias-gerais, segundos-cabos, surdos-mudos).
c) Se a primeira palavra do composto é invariável, por exemplo, um advérbio (ex. além-mar), um elemento de formação (ex.: auto-acusação) ou uma forma verbal (ex.: beija-flor), flexiona apenas a segunda palavra (ex.: além-mares, beija-flores, auto-acusações).
d) Se a palavra é formada por dois substantivos (ex.: balão-sonda, escola-piloto ) ambos os substantivos são flexionados (ex.: balões-sondas, escolas-pilotos), excepto se o segundo substantivo se tratar de um “determinante específico” (CUNHA e CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Edições João Sá da Costa, 1998, p. 188), caso em que a segunda palavra do composto deve ficar invariável (ex.: balões-sonda, escolas-piloto). É difícil ajuizar se se trata ou não de um determinante específico, isto é, um substantivo com a função de determinar, qualificar ou limitar características do primeiro substantivo; por este motivo, nestes casos, é frequente haver nos dicionários registo de dois plurais.

Analisando agora a palavra social-democrata verificamos que é possível considerar que se trata de dois adjectivos, equivalendo a social e democrata, ou de adjectivo (social) seguido de um substantivo (democrata), equivalendo a ‘um democrata que é social’. Neste caso, o plural deverá ser sociais-democratas, como considera o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo. Por outro lado, se social for entendido como um elemento de composição, e não como um adjectivo, o plural deverá ser social-democratas, como considera José Pedro MACHADO no seu Grande Vocabulário da Língua Portuguesa (Âncora, 2001). Esta interpretação poderá eventualmente encontrar contra-argumentação no facto de o elemento de composição mais usual para exprimir a noção de social ser socio- (ex.: socioeconómico). Por este motivo, o Dicionário Priberam (e também o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa: Círculo de Leitores, 2001) regista ambos os plurais.




Seria possível esclarecerem-me quanto à seguinte dúvida? Diz-se impresso / imprimido? E morto / morrido / matado?
Sei que só se pode usar cada uma das conjugações com uma forma dos verbos ser / estar / ter (este último não tenho a certeza). Com quais formas posso usar? Qual a regra gramatical?
Apesar de desconhecida por grande parte dos falantes, existe uma regra da gramática tradicional que estipula que os particípios irregulares (ex.: impresso, morto, pago, salvo) devem ser utilizados com os verbos ser e estar (ex.: o documento foi impresso e ele foi morto) e os regulares (geralmente terminados em -ado ou -ido) com os verbos ter e haver (ex.: ela tinha imprimido o documento e ele disse que tinha matado o coelho). Citando Lindley Cintra e Celso Cunha, “de regra, a forma regular emprega-se na constituição dos tempos compostos da VOZ ACTIVA, isto é, acompanhada dos auxiliares ter ou haver; a irregular usa-se, de preferência, na formação dos tempos da VOZ PASSIVA, ou seja acompanhada do auxiliar ser.” *

No entanto, verifica-se uma tendência para o uso exclusivo de uma das formas do particípio, como é o caso de pago, ganho, gasto e entregue, que se utilizam com qualquer um dos verbos auxiliares, em detrimento da existência de formas participiais regulares (ex.: tinha entregue a encomenda, eles têm gasto muito dinheiro, etc.).

Existe uma falta de concordância entre obras lexicográficas no que diz respeito a esta questão. Se há autores que registam certos verbos como detentores de duplos particípios, outros, para os mesmos verbos, registam apenas as formas regulares. É o caso, por exemplo, de exaurir. Alguns autores referem exausto e exaurido como particípio de exaurir, mas outros registam apenas a segunda forma.

No que diz respeito aos particípios morto, morrido e matado, estes não são todos referentes ao mesmo verbo. Morto e matado são particípios de matar (ex.: ele foi morto pelo exército inimigo e ela tinha matado a mosca); morrido é particípio de morrer (ex.: tinha morrido há mais de dois anos).

* Cunha, Celso, Lindley Cintra, Nova Gramática do Português, 14.ª ed., Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998, p. 441. A regra prevê, no entanto, excepções, como no caso do verbo imprimir: “Imprimir possui duplo particípio quando significa «estampar», «gravar». Na acepção de «produzir movimento», «infundir», usa-se apenas o particípio em -ido. Dir-se-á, por exemplo: Este livro foi impresso em Portugal. Mas, por outro lado: Foi imprimida enorme velocidade ao carro." (Celso Cunha & Lindley Cintra, Op. cit., p. 442).

pub

Palavra do dia

fi·ló fi·ló


(talvez do latim *filolum, diminutivo de filum, -i, fio)
nome masculino

Tecido leve, transparente e reticular (ex.: véu de filó). = BOBINETE

Confrontar: filhó, filo.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/ia [consultado em 06-02-2023]