Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

encartou

3ª pess. sing. pret. perf. ind. de encartarencartar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

en·car·tar en·car·tar

- ConjugarConjugar

(en- + carta + -ar)
verbo transitivo e pronominal

1. Dar ou tirar carta ou diploma de determinada profissão ou actividade.

2. [Portugal]   [Portugal]  Dar ou receber carta de condução.

verbo transitivo

3. [Artes gráficas]   [Artes gráficas]  Inserir folheto, revista, separata ou afim numa publicação.

verbo intransitivo

4. [Jogos]   [Jogos]  Fazer vaza com carta do mesmo naipe.

pub

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

...nos títulos de marquês de Sabugosa e de conde de São Lourenço, nunca se encartou ..

Em monarquiaportuguesa.blogs.sapo.pt

O Correio encartou em sua edição de 12 de janeiro deste ano o primeiro DVD da banda...

Em Rede Brasil de Noticias - O Point da Informação

a Panini encartou em duas edições da Vertigo mensal previews das séries escolhidas para dar continuidade ao...

Em Catapop!

Em um exercício premonitório encartou numa de suas edições alguns exemplares do que poderia ser o jornal no então...

Em Altamiro Borges

Em um exercício premonitório encartou numa de suas edições alguns exemplares do que poderia ser o jornal no então...

Em Com Texto Livre
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Com o novo acordo ortográfico, como fica o verbo "prover" na terceira pessoa do plural no presente do indicativo? "proveem" (assim como ver -> veem) ou "provêem"?
Segundo o ponto 7.º da base IX do Acordo Ortográfico de 1990, as formas verbais terminadas em -êem deixam de ser acentuadas. É o caso da terceira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo ver, que perde o acento circunflexo (vêem -> veem), dos verbos que se conjugam pelo mesmo paradigma (como antever, circunver, desprover, entrever, prever, prover, rever) e também dos verbos crer, ler e seus derivados (crêem -> creem, treslêem -> tresleem). Esta alteração aplica-se também à terceira pessoa do plural do presente do conjuntivo do verbo dar (dêem -> deem) e aos seus derivados (como antedar, desdar, redar, satisdar).

O conjugador online do FLiP pode ser uma ajuda a considerar nestes casos de dúvida. Funciona para português europeu e para português do Brasil, em ambos os casos com e sem o novo Acordo Ortográfico.




Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.

pub

Palavra do dia

ven·tres·ca |ê|ven·tres·ca |ê|


(latim *ventriscula, diminutivo de venter, -tris, ventre)
nome feminino

Posta de peixe imediata à cabeça. = VENTRECHA, VENTRISCA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/encartou [consultado em 25-10-2021]