Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

desvalijar

desvalijardesvalijar | v. tr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

des·va·li·jar des·va·li·jar


(espanhol desvalijar)
verbo transitivo

1. Roubar a mala ou os alforges a.

2. Retirar alguma coisa a alguém ou a algo. = DESPOJARDEVOLVER, RESTITUIR

pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

exaustar apossar-se bispar tomar salvar livrar senhorear desvalijar escamotear mamar forrar assenhorar-se obter gatunar arrapinar surrupiar assenhorear-se sobnegar rapar ensenhorerar-se libertar palmear...

Em BLOG DO MELLO

Y en una sola mañana pueden desvalijar cuatro o cinco viviendas de una misma zona..

Em LUSITÂNEA

Varias personas portan un plasma tras desvalijar una de las casas..

Em LUSITÂNEA

...apoteóse, os reis da mina e do rail, nunca fizeram outra coisa do que desvalijar o trabalho

Em galizaunidaportugal.blogs.sapo.pt

...apoteóse, os reis da mina e do rail, nunca fizeram outra coisa do que desvalijar o trabalho

Em galizaunidaportugal.blogs.sapo.pt
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Na frase dei de caras com um leão, qual a função sintáctica das expressões de caras e com um leão?
A locução verbal dar de caras corresponde a uma expressão idiomática do português, que por esse motivo não é habitualmente decomposta, equivalendo a um verbo como deparar-se ou a outra locução verbal como encontrar subitamente. Na frase apontada, pode no entanto considerar-se a expressão de caras como um modificador adverbial (designado por complemento circunstancial na gramática tradicional), indicando o modo como se processa a acção expressa pelo verbo dar (equivalente, por exemplo a subitamente numa frase como deu subitamente com um leão).
A expressão com um leão pode ser considerada complemento indirecto seleccionado pelo verbo dar, pois com um leão é um complemento nominal introduzido indirectamente pela preposição com.




A questão da regência verbal sempre foi problemática na língua portuguesa e, se calhar, em todas as outras. Mas, uma das regências mais controversas é a do verbo apelar. Uns insistem que a preposição exigida por este verbo é a, enquanto outros consideram que é para. Qual será então a forma correcta? Por exemplo, devemos dizer o padre apelou os crentes para se manterem fiéis à doutrina ou o padre apelou aos crentes a manterem-se fiéis à doutrina?
O verbo apelar pode ser intransitivo, isto é, admite uma construção sem complemento nominal obrigatório (ex.: O advogado apelou), ou transitivo indirecto, isto é, admite uma construção com um complemento nominal regido de preposição, que pode ser a, de ou para, consoante os contextos ou as acepções. A construção de apelar com a preposição de é usual no sentido que diz respeito a recurso de decisões ou sentenças (ex. O advogado apelou da sentença). As construções que parecem ser objecto de dúvida são aquelas em que se utiliza as preposições a ou para. Neste caso, ambas estão atestadas nos principais dicionários de língua e de regência verbais, sendo possíveis e correctas as construções O padre apelou aos crentes ou O padre apelou para os crentes. Esta construção pode ainda complicar-se como o exemplo apresentado sugere: O padre apelou aos crentes para se manterem fiéis.

Os dicionários e as gramáticas geralmente não se pronunciam sobre estas construções mais complexas, por haver dificuldade em descrevê-las ou designá-las. Neste caso, o complemento assinalado constitui um outro complemento indirecto que se articula com o primeiro. Do ponto de vista sintáctico, não parece existir motivo para a preposição não poder ser a mesma nos dois casos (ex.: O padre apelou aos crentes a se manterem fiéis.), mas para evitar ambiguidades ou dificuldades de percepção, a preposição deverá ser diferente. Se se entender que a construção é demasiado complexa, é possível simplificá-la apenas com um complemento indirecto, mantendo toda a informação semântica (ex.: O padre apelou a que os crentes se mantivessem fiéis ou O padre apelou para os crentes se manterem fiéis).

A construção que não respeita a regência do verbo é aquela em que existe um complemento directo, isto é, um complemento nominal não regido de preposição. Assim sendo, o exemplo *O padre apelou os crentes para se manterem fiéis à doutrina pode ser considerado agramatical, pois o verbo deve ter um complemento indirecto, logo o complemento destacado deverá ser introduzido por uma preposição: O padre apelou aos crentes para se manterem fiéis à doutrina.

pub

Palavra do dia

sar·ra·bis·car sar·ra·bis·car


(sarrabisco + -ar)
verbo transitivo e intransitivo

Fazer sarrabiscos. = GARATUJAR, RABISCAR

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/desvalijar [consultado em 28-10-2021]