Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

desmascaramento

desmascaramentodesmascaramento | n. m.
derivação masc. sing. de desmascarardesmascarar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

des·mas·ca·ra·men·to des·mas·ca·ra·men·to


(desmascarar + -mento)
nome masculino

Acto de desmascarar.


des·mas·ca·rar des·mas·ca·rar

- ConjugarConjugar

(des- + mascarar)
verbo transitivo

1. Tirar a máscara a.

2. Descobrir; dar a conhecer.

verbo pronominal

3. Tirar a própria máscara.

4. [Figurado]   [Figurado]  Mostrar os seus intuitos; dar-se a conhecer.

pub

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

É o desmascaramento do que a imprensa brasileira, prestando um desserviço inclusive aos interesses nacionais, faz, em...

Em Jornal Diz Persivo

quarentena), testes, desenvolvimento de vacinas e resultados, incluindo o desmascaramento de iniquidades de saúde nos Estados Unidos..

Em anónimo séc.xxi

...da pandemia, tenta ser uma breve reflexão sobre outras máscaras e a necessidade do desmascaramento , outro desmascaramento ..

Em Devaneios a Oriente

a confusão, o desmascaramento

Em alcatruz

-título: uma festa de máscaras e respectivo desmascaramento ..

Em sound + vision
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Tenho algumas dúvidas relativamente à posição do pronome nas seguintes estruturas gramaticais, deve dizer-se: a) gostava de o ver ou gostava de vê-lo; b) tenho o prazer de o convidar ou tenho o prazer de convidá-lo?
Nas frases apontadas, ambas as hipóteses podem ser utilizadas e nenhuma delas é considerada incorrecta. Nas hipóteses gostava de vê-lo e tenho o prazer de convidá-lo, o pronome átono o ocupa a sua posição canónica, à direita do verbo de que depende (ver e convidar, respectivamente), mas, na colocação dos clíticos, as preposições provocam geralmente a próclise, isto é, a atracção do clítico para antes do verbo (gostava de o ver e tenho o prazer de o convidar). Esta colocação proclítica é, no entanto, obrigatória quando o verbo está no infinitivo flexionado (ex.: Empresto-te o livro, mas é para o leres com atenção; Ele indignou-se por lhe omitirmos informação; e nunca *Empresto-te o livro, mas é para lere-lo com atenção; *Ele indignou-se por omitirmos-lhe informação; o asterisco indica agramaticalidade).

A descrição feita acima não se aplica à preposição a, com a qual não há geralmente atracção do clítico (ex.: Eles estavam a insultar-se; Aconselhei as crianças a reconciliarem-se; e não *Eles estavam a se insultar; Aconselhei as crianças a se reconciliarem), senão em registos dialectais do português europeu e, mais frequentemente, no português do Brasil.




Tenho uma pequena dúvida entre o emprego de pronomes. Por exemplo, na frase seguinte o correto é Isto é para eu fazer ou Isto é para mim fazer?
Os pronomes pessoais, além de se dividirem em pessoa (primeira, segunda ou terceira) e número (singular ou plural), dividem-se também consoante a sua função na frase, isto é, sujeito (ex.: tu estás doente), complemento directo (ex.: vestiste-te), complemento indirecto (ex.: entreguei-te a encomenda) ou complemento circunstancial (ex.: fez isto por ti), como poderá consultar no tópico Pronomes da Gramática do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Os pronomes eu, tu, ele/ela, você, nós, vós, eles/elas, vocês correspondem então a pronomes de sujeito, que podem desempenhar não só funções de sujeito (ex.: eu faço isso), mas também de predicativo do sujeito (ex.: o professor é ele) ou de vocativo (ex.: vocês, venham cá).

A frase referida na dúvida (Isto é para eu fazer) é composta por duas orações: a principal (Isto é) e uma oração infinitiva completiva (para eu fazer), que corresponde ao predicativo do sujeito da oração principal (por isso se chama completiva). Cada uma destas duas orações tem uma estrutura interna com os seus constituintes essenciais. Atentando apenas à oração infinitiva completiva (para eu fazer), que é a que nos interessa para a questão colocada, verificamos que o pronome eu é o sujeito da oração, como se poderá constatar transformando esta oração numa frase simples (eu faço isso) ou alterando o sujeito (isto é para eles fazerem) para conferir que esta alteração obriga à concordância do verbo (é o sujeito da frase que desencadeia a concordância com o verbo).

Pelos motivos acima apontados, a frase correcta deverá ser Isto é para eu fazer e não *Isto é para mim fazer (o asterisco indica incorrecção).

pub

Palavra do dia

cor·mo·rão cor·mo·rão


(francês cormoran)
nome masculino

[Ornitologia]   [Ornitologia]  Designação dada a várias aves aquáticas do género Phalacrocorax, de plumagem negra ou acinzentada, pescoço longo, bico comprido e recurvado e patas curtas, do tamanho aproximado de um pato. = BIGUÁ, CORVO-MARINHO, GALHETA

Plural: cormorões.Plural: cormorões.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/desmascaramento [consultado em 03-07-2022]