Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

consignar

consignarconsignar | v. tr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

con·sig·nar con·sig·nar

- ConjugarConjugar

verbo transitivo

1. Determinar ou assinalar renda ou quantia para certa despesa ou extinção de dívida.

2. Depositar uma quantia como caução de um contrato ou para ter aplicação posterior.

3. Dirigir mercadorias ou navios a um consignatário.

4. Estabelecer, indicar.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "consignar" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

2021 [texto integral aqui ], vem consignar como entendimento que o benefício do prazo do último notificado em matéria processual penal...

Em Patologia Social

...ya se puede probar en Android : así se hace: Oito anos depois de consignar o Google Reader, o seu leitor de RSS, ao cemitério de produtos populares que...

Em intergalacticrobot

Inicialmente cumpre consignar que o papel atual do Poder Judiciário

Em Blog do Paulo Noel

Através do simples ato de consignar 0,5% do IRS de cada um, inscrevendo 509259740 no IRS e ajudando, sem custos,...

Em O INDEFECTÍVEL

º 22/2017, de 12 de janeiro, qualquer cidadão poderá consignar 0,5% do seu IRS a entidades culturais que estejam inscritas para o efeito..

Em Pedra Formosa
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Inseri, no vosso corrector ortográfico, a palavra “desejante” que, há tempos, vi escrita, erradamente, em vez do adjectivo “desejoso”. Para surpresa minha, o citado corrector, no português de Portugal, não acusa o erro.
A palavra desejante, apesar de não se encontrar registada em nenhum dos dicionários de língua portuguesa à nossa disposição, está averbada no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras e apresenta-se correctamente formada (através da aposição do sufixo -ante ao verbo desejar), daí a sua inclusão no léxico do corrector ortográfico do FLiP. O adjectivo desejante, cujo uso é bastante frequente (como se pode verificar através de pesquisas em corpora e motores de busca da Internet), partilha do significado do adjectivo desejoso (ex.: ela é uma pessoa desejosa de conhecimento = ela é uma pessoa desejante de conhecimento), apesar de este ser mais frequente e estar já consagrado pelo uso. Ambos resultam de processos regulares de derivação no português, pela junção, respectivamente, do sufixo -ante ao radical de um verbo e do sufixo -oso ao radical de um substantivo.



Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.

pub

Palavra do dia

ar·tão ar·tão


(grego ártos, -ou, bolo ou pão de farinha de trigo)
nome masculino

[Pouco usado]   [Pouco usado]  Alimento feito de massa de farinha de cereais cozida num forno. = PÃO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/consignar [consultado em 16-10-2021]