Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

começo

começocomeço | n. m. | n. m. pl.
1ª pess. sing. pres. ind. de comedircomedir
1ª pess. sing. pres. ind. de começarcomeçar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

co·me·ço |ê|co·me·ço |ê|


nome masculino

1. Acto ou efeito de começar.

2. Primeiro momento ou estado inicial de algo. = INÍCIO, ORIGEM, PRINCÍPIOFIM, TERMO


começos
nome masculino plural

3. Experiência.

4. Ensaio.


co·me·dir co·me·dir

- ConjugarConjugar

(latim *commetio, -ire, por commetior, -iri, medir, confrontar)
verbo transitivo

1. Regular convenientemente.

2. Moderar.

verbo pronominal

3. Tornar-se comedido.


co·me·çar co·me·çar

- ConjugarConjugar

(latim vulgar *cominitiare, do latim cum, com + latim initio, -are, iniciar em, instruir, começar)
verbo transitivo

1. Dar começo a.

2. Principiar.

3. Encetar.

verbo intransitivo

4. Ter começo.

5. Anunciar-se, fazer prever o que há-de ser.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "começo" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 20

Em Caderno B

produzido e concretizado um pouco menos do que no começo da temporada passada, mas tem sido mais consistente e os jogadores têm estado mais...

Em O INDEFECTÍVEL

O Cenário meteorológico é muito perigoso para tempo severo neste começo de semana entre a Argentina, o Uruguai e o

Em www.rafaelnemitz.com

...a atuação de Pan Daijing (no âmbito da Bienal de Arte Contemporânea) e o começo do ciclo de concertos "Música no Panteão"..

Em avenida da salúquia 34

Bilhões de máscaras foram usadas em todo o mundo desde o começo da pandemia..

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Eu gostaria de saber se a palavra pró-atividade se escreve junto ou sem hífen e o significado da mesma.
Os dicionários de língua portuguesa não são unânimes em relação à grafia destas palavras, que alternam entre pró-actividade (pró-atividade, no português do Brasil) e proactividade (proatividade, no português do Brasil) e pró-activo (pró-ativo, no português do Brasil) e proactivo (proativo, no português do Brasil), uma vez que existem ambos os prefixos (pró- e pro-) com o sentido “a favor" ou "em defesa de”. O prefixo pró- separa-se sempre do elemento seguinte por hífen (ex.: pró-actividade, pró-americano, pró-ocidental, pró-socialista) e o prefixo pro- nunca se separa do elemento que se lhe segue (ex.: proactividade, procataléctico, procatártico), pelo que nenhuma das grafias pode ser considerada incorrecta, apesar de se notar uma tendência mais acentuada, nas obras lexicográficas, para o uso do prefixo pró-. O uso e registo das formas proactivo e proactividade podem também estar relacionados com o facto de o étimo mais próximo dessas palavras ser o inglês proactive.

Pró-actividade é um conceito utilizado frequentemente na área de gestão de empresas e designa a capacidade que alguém ou algo tem de fazer com que determinadas coisas aconteçam ou se desenvolvam.

É de referir que, pelo menos até à entrada em vigor do Acordo Ortográfico de 1990, as formas proactividade e pró-actividade são exclusivas do português europeu e as formas proatividade e pró-atividade são exclusivas do português do Brasil.




Agradecia que me dessem a vossa opinião quanto à classificação sintáctica da oração e não sei quem é que se encontra nos seguintes versos pessoanos: "É curioso que toda a vida do indivíduo que ali mora, e não sei quem é, atrai-me só por essa luz visitada de longe".
De acordo com o espólio do heterónimo pessoano Alberto Caeiro, disponibilizado on-line pela Biblioteca Nacional, o verso do poema "É noite" é ligeiramente diferente: "É curioso que toda a vida do indivíduo que ali mora, e que não sei quem é, // Atrai-me só por essa luz visitada de longe". Na expressão e que não sei quem é estão contidas duas orações: a primeira é uma oração subordinante (e que não sei) cujo verbo (saber) necessita de um complemento directo obrigatório que corresponde à segunda oração (quem é), que pode ser classificada como subordinada substantiva completiva.

A frase é complexa e a oração subordinante (e que não sei) deste pequeno excerto da frase, no âmbito dos versos transcritos (É curioso que toda a vida do indivíduo que ali mora, e que não sei quem é, atrai-me só por essa luz visitada de longe), é também uma oração subordinada relativa restritiva coordenada a outra da mesma natureza.

Para clarificar a divisão de orações, procedemos em seguida à classificação de todas as orações contidas nos dois versos de Alberto Caeiro e respectivas funções sintácticas (é de sublinhar que uma oração subordinada pode conter várias orações e dentro dela pode haver uma oração subordinante em relação às que dela dependem):
1. [É curioso] oração subordinante.
2. [que toda a vida do indivíduo que ali mora, e que não sei quem é, atrai-me só por essa luz visitada de longe] oração subordinada completiva com função de sujeito (este sujeito frásico não é muito evidente, mas pode ser testado com a concordância verbal; ex.: isso é curioso; essas coisas são curiosas).

2.1 [que toda a vida do indivíduo atrai-me só por essa luz visitada de longe] oração subordinante (relativamente às orações que dela dependem).
2.1.1 [que ali mora] oração subordinada relativa restritiva (isto é, fornece informação que restringe o antecedente indivíduo).
2.1.2 [e que não sei quem é] oração subordinada relativa explicativa (isto é, fornece informação adicional sobre o antecedente indivíduo) coordenada à oração relativa restritiva.
2.1.2.1 [e que não sei] oração subordinante (relativamente à oração que dela depende).
2.1.2.2 [quem é] oração subordinada completiva com função de complemento directo.

pub

Palavra do dia

y·oun·gui·a·no y·oun·gui·a·no


(Young, antropónimo + -iano)
adjectivo
adjetivo

1. Relativo a Arthur Young (1741-1820), economista e agrónomo inglês, ou às suas doutrinas.

2. Relativo a Edward Young (1683-1765), poeta e filósofo inglês, ou à sua escola.

3. Relativo a Thomas Young (1773-1829), médico, físico e egiptólogo inglês, ou às suas teorias.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/come%C3%A7o [consultado em 26-09-2021]