PT
BR
Pesquisar
Definições



coisa

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
coisacoisa
( coi·sa

coi·sa

)


nome feminino

1. O que existe ou pode existir.

2. Objecto ou ser inanimado.

3. Acontecimento, negócio ou facto que interessa às pessoas envolvidas (ex.: vou tratar de uma coisa; têm alguma coisa para fazer agora?).

4. Assunto de que se fala ou trata (ex.: ele que falar-lhe de umas coisas).

5. Aquilo que se desconhece ou que causa inquietação ou desconfiança. = ENIGMA, MISTÉRIO

6. [Informal] [Informal] Indisposição, mal-estar ou doença súbita (ex.: deu-lhe uma coisa e foi para o hospital).

7. Qualquer objecto que não se quer ou não se consegue nomear (ex.: essa coisa não serve para nada).

8. [Informal] [Informal] Qualquer pessoa do sexo feminino cujo nome se ignora ou não se quer nomear.

9. [Informal] [Informal] Órgão sexual feminino. = VULVA

10. [Informal] [Informal] Órgão sexual masculino. = COISO, PÉNIS

11. [Brasil: Nordeste] [Brasil: Nordeste] Cigarro de haxixe ou marijuana. = BASEADO


nome masculino

12. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Diabo.

coisas


nome feminino plural

13. Bens (ex.: separaram-se e cada um levou as suas coisas).


aqui há coisa

[Informal] [Informal] Expressão que indica que algo levanta suspeitas ou dúvidas. = AQUI HÁ GATO

coisa alguma

O mesmo que nada.

coisa de

[Informal] [Informal] Aproximadamente, cerca de.

coisa nenhuma

Usa-se para negar a ausência total de objectos, coisas, ideias, conceitos, etc. (ex.: não se lembrou de coisa nenhuma para dizer; coisa nenhuma lhe parecia interessante). = NADA

coisas da breca

[Informal] [Informal] Coisas inexplicáveis, espantosas.

coisas do arco-da-velha

[Informal] [Informal] Histórias extraordinárias, inverosímeis.

coisas e loisas

[Informal] [Informal] Grande quantidade de coisas diversificadas.

[Informal] [Informal] Conjunto de coisas indeterminadas.

como quem não quer a coisa

[Informal] [Informal] Dissimuladamente.

fazer as coisas pela metade

[Informal] [Informal] Não terminar aquilo que se começou.

mais coisa, menos coisa

[Informal] [Informal] Aproximadamente.

não dizer coisa com coisa

[Informal] [Informal] Ter um discurso desconexo; dizer disparates, coisas sem sentido.

não estar com coisas

[Informal] [Informal] Agir ou dizer prontamente, sem hesitar.

não ser grande coisa

[Informal] [Informal] Não ser particularmente bom ou extraordinário (ex.: o programa não foi lá grande coisa).

ou coisa que o valha

[Informal] [Informal] Ou algo parecido.

pôr-se com coisas

[Informal] [Informal] Arranjar problemas ou dificuldades onde não existem.

que coisa

[Informal] [Informal] Exclamação que se usa para exprimir espanto, desagrado ou irritação.

ver a coisa malparada

[Informal] [Informal] Prever insucesso ou perigo aquando da realização de algo.

etimologiaOrigem etimológica:latim causa, -ae, causa, razão.

Auxiliares de tradução

Traduzir "coisa" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.




Qual destas frases está correcta: «Ele assegurou-me que viria» ou «Ele assegurou-me de que viria»? Li que o verbo "assegurar" é regido pela preposição "de" quando é conjugado pronominalmente; no entanto, só me soa bem dessa forma quando ele é conjugado reflexivamente, como em "Eles asseguraram-se de que não eram seguidos". Afinal, como é que é? Obrigada.
Os dicionários que registam as regências verbais, como o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa ou o Dicionário sintáctico de verbos portugueses, estipulam que o verbo assegurar é regido pela preposição de apenas quando usado como pronominal (ex.: quando saiu de casa assegurou-se de que as janelas estavam fechadas). Para além do uso pronominal, o verbo assegurar pode ainda ser transitivo directo ou bitransitivo, isto é, seleccionar complementos não regidos por preposição (ex.: os testes assegurariam que o programa iria funcionar sem problemas; o filho assegurou-lhe que iria estudar muito).

Este uso preposicionado do verbo assegurar na acepção pronominal nem sempre é respeitado, havendo uma tendência generalizada para a omissão da preposição (ex.: quando saiu de casa assegurou-se que as janelas estavam fechadas). O fenómeno de elisão da preposição de como iniciadora de complementos com frases finitas não se cinge ao verbo assegurar, acontecendo também com outros verbos, como por exemplo aperceber (ex.: não se apercebeu [de] que estava a chover antes de sair de casa) ou esquecer (ex.: esquecera-se [de] que havia greve dos transportes públicos).