Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

capela

capelacapela | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ca·pe·la |é|ca·pe·la |é|


(latim cappella, -ae)
nome feminino

1. Pequena igreja em casa particular.

2. Pequena igreja que abre apenas em determinados dias do ano.

3. Cada uma das partes da igreja que formam vão e em que há um altar.

4. Conjunto de cantores adstritos a uma igreja.

5. Coroa de flores ou de folhas. = GRINALDA

6. [Antigo]   [Antigo]   [Culinária]   [Culinária]  Molho de ervas aromáticas para tempero (ex.: capela de cheiros; capela de salsa).

7. [Portugal]   [Portugal]  Folha esbranquiçada e fina que envolve a espiga de milho.Ver imagem = CAMISA, CARAPELA, FOLHELHO

8. [Portugal]   [Portugal]  Loja que vende quinquilharias ou materiais usados na costura e enfeites de vestuário, como fitas, linhas ou botões. = CAPELISTA

9. Tecto de forno.

10. [Antigo]   [Antigo]   [Religião]   [Religião]  Vínculo instituído com obrigação de sufrágios por alma do instituído.

11. [Brasil]   [Brasil]  Povoação.

12. [Brasil]   [Brasil]  Bando de macacos. = MACACADA


à capela
[Música]   [Música]  Sem acompanhamento instrumental (ex.: cantar à capela; coro à capela).

capela do olho
[Antigo]   [Antigo]  Pálpebra, em especial a pálpebra superior.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "capela" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

junta da Capela Nossa Senhora do Rosário em Mansores com concentração ás 14h00..

Em BTTArouca

Jeremy Salda e Pam Patterson (agora Salda) haviam reservado uma capela em Las Vegas para trocar seus votos de casamento em 24 de abril, quando...

Em NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO AVIATION NEWS

...de Ovar atribuiu hoje à “escassez de manutenção” a queda de um fragmento da Capela do Cireneu, pertencente ao conjunto de Passos classificados como de interesse público..

Em Not

...Hamburgo, fundada em 1195, que com o passar dos anos passou de uma simples capela a uma grande igreja (as obras

Em Fonte do Lavra

No património edificado destaca a fonte das lajes, a capela de S..

Em aguas do sul
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


No programa de hoje da R.T.P. " Bom Dia Portugal" na rubrica "Em bom português", questiona-se se deve dizer: duzentas gramas ou duzentos gramas? Afirma-se que a resposta correcta é: "duzentos gramas" porque grama é um submúltiplo do quilograma. Ora, eu tenho apenas a quarta classe do ensino primário de 1951, mas nesse tempo aprendi que grama, metro, caloria, etc. são unidades e quilograma, quilómetro, quilocaloria, etc, são múltiplos com mil unidades. Como gosto de falar o melhor Português, (dentro das minhas limitações literárias) gostaria de obter uma explicação, mais convincente ou de saber se, pela mesma razão, deve dizer-se "duzentos calorias"?
De facto, o argumento referido é pouco claro. O motivo por que a resposta é "duzentos gramas" é porque grama, enquanto unidade de medida, é um substantivo masculino, como pode verificar seguindo a hiperligação para o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. É por essa razão que quilograma, formado pela junção do prefixo quilo- ao substantivo grama, é masculino, e não o contrário.



A minha dúvida é relativa ao novo Acordo Ortográfico: gostava que me esclarecessem porque é que "lusodescendente" escreve-se sem hífen e "luso-brasileiro", "luso-americano" escreve-se com hífen. É que é um pouco difícil de se compreender, e já me informei com algumas pessoas que não me souberam dizer o porquê de ser assim. Espero uma resposta de vossa parte com a maior brevidade possível.
Não há no texto legal do Acordo Ortográfico de 1990 uma diferença clara entre as palavras que devem seguir o disposto na Base XV e o disposto na Base XVI. Em casos como euroafricano/euro-africano, indoeuropeu/indo-europeu ou lusobrasileiro/luso-brasileiro (e em outros análogos), poderá argumentar-se que se trata de "palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação e cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido" (Base XV) para justificar o uso do hífen. Por outro lado, poderá argumentar-se que não se justifica o uso do hífen uma vez que se trata de "formações com prefixos (como, por exemplo: ante-, anti-, circum-, co-, contra-, entre-, extra-, hiper-, infra-, intra-, pós-, pré-, pró-, sobre-, sub-, super-, supra-, ultra-, etc.) e de formações por recomposição, isto é, com elementos não autónomos ou falsos prefixos, de origem grega e latina (tais como: aero-, agro-, arqui-, auto-, bio-, eletro-, geo-, hidro-, inter-, macro-, maxi-, micro-, mini-, multi-, neo-, pan-, pluri-, proto-, pseudo-, retro-, semi-, tele-, etc.)" (Base XVI).

Nestes casos, e porque afro-asiático, afro-luso-brasileiro e luso-brasileiro surgem no texto legal como exemplos da Base XV, a Priberam aplicou a Base XV, considerando que "constituem uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido". Trata-se de uma estrutura morfológica de coordenação, que estabelece uma relação de equivalência entre dois elementos (ex.: luso-brasileiro = lusitano e brasileiro; sino-japonês = chinês e japonês).

São, no entanto, excepção os casos em que o primeiro elemento não é uma unidade sintagmática e semântica e se liga a outro elemento análogo, não podendo tratar-se de justaposição (ex.: lusófono), ou quando o primeiro elemento parece modificar o valor semântico do segundo elemento, numa estrutura morfológica de subordinação ou de modificação, que equivale a uma hierarquização dos elementos (ex.:  eurodeputado = deputado [que pertence ao parlamento europeu]; lusodescendente = descendente [que provém de lusitanos]).

É necessário referir ainda que o uso ou não do hífen nestes casos não é uma questão nova na língua portuguesa e já se colocava antes da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Em diversos dicionários e vocabulários anteriores à aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 já havia práticas ortográficas que distinguiam, tanto em Portugal como no Brasil, o uso do hífen entre euro-africano (sistematicamente com hífen) e eurodeputado (sistematicamente sem hífen).

pub

Palavra do dia

pi·na·co·te·ca |é|pi·na·co·te·ca |é|


(latim pinacotheca, -ae, do grego pinakothêke, -és)
nome feminino

1. Museu de obras de pintura.

2. Colecção de obras de pintura.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/capela [consultado em 18-05-2022]