Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

café-bar

café-barcafé-bar | n.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

café-bar café-bar


nome

(A definição desta palavra irá estar disponível brevemente. Envie comentários ou sugestões para dicionario@priberam.pt)
pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

NúcleoA70 em Lisboa, 6 de novembro no Ferro Bar no Porto e 13 de novembro no Café Concerto Mavy em Braga. Nenhum homem é uma ilha, escreveu John Donne em 1624. Quase quatrocentos anos depois, constatamos que os homens podem-no ser de facto, bastando para isso isolarem-se – forçadamente, ou não – do mundo

Em Portugal Rebelde

de Timor e São Tomé. Os seus chás, vendidos avulso, vêm da China e de Taiwan. Os moinhos de café são os originais. Camisaria Pitta – Rua Augusta, 195. Hoje vende também fatos, gravatas e os acessórios de que o homem elegante necessita. A fama, porém, vem-lhe das camisas. Fundada em 1885, foi a

Em TEMPO CONTADO

. Nudging para que te quero Em democracia, a aposta segura será sempre na cenoura. Nunca no chicote. No incentivo, nunca na obrigação 1.Chicote vs. Cenoura. O governo decidiu retirar alguns alimentos dos bares e cantinas das escolas. Não é uma medida consensual, apesar de poder parecer bem

Em a peida é um regalo ... do nariz a gente trata

chegar à Muda. A Muda marcava o meio caminho entre casa e a praia e eu dizia sempre num tom jocoso que o meu sonho era morar na Muda. Aquela rua de lado único com casas baixas, um cenário de filme western. Tornava-se fácil imaginar que nada mais havia para lá da fachada do solitário café restaurante “A

Em ocheirodaterramolhada.blogspot.com

Foi de trem a Perus Num bar da estação Trombou Jadir e o Zé Se achegou no balcão E viu Mariana De frente Pediu um café

Em blog0news
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Com o novo acordo ortográfico, como fica o verbo "prover" na terceira pessoa do plural no presente do indicativo? "proveem" (assim como ver -> veem) ou "provêem"?
Segundo o ponto 7.º da base IX do Acordo Ortográfico de 1990, as formas verbais terminadas em -êem deixam de ser acentuadas. É o caso da terceira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo ver, que perde o acento circunflexo (vêem -> veem), dos verbos que se conjugam pelo mesmo paradigma (como antever, circunver, desprover, entrever, prever, prover, rever) e também dos verbos crer, ler e seus derivados (crêem -> creem, treslêem -> tresleem). Esta alteração aplica-se também à terceira pessoa do plural do presente do conjuntivo do verbo dar (dêem -> deem) e aos seus derivados (como antedar, desdar, redar, satisdar).

O conjugador online do FLiP pode ser uma ajuda a considerar nestes casos de dúvida. Funciona para português europeu e para português do Brasil, em ambos os casos com e sem o novo Acordo Ortográfico.




A questão da regência verbal sempre foi problemática na língua portuguesa e, se calhar, em todas as outras. Mas, uma das regências mais controversas é a do verbo apelar. Uns insistem que a preposição exigida por este verbo é a, enquanto outros consideram que é para. Qual será então a forma correcta? Por exemplo, devemos dizer o padre apelou os crentes para se manterem fiéis à doutrina ou o padre apelou aos crentes a manterem-se fiéis à doutrina?
O verbo apelar pode ser intransitivo, isto é, admite uma construção sem complemento nominal obrigatório (ex.: O advogado apelou), ou transitivo indirecto, isto é, admite uma construção com um complemento nominal regido de preposição, que pode ser a, de ou para, consoante os contextos ou as acepções. A construção de apelar com a preposição de é usual no sentido que diz respeito a recurso de decisões ou sentenças (ex. O advogado apelou da sentença). As construções que parecem ser objecto de dúvida são aquelas em que se utiliza as preposições a ou para. Neste caso, ambas estão atestadas nos principais dicionários de língua e de regência verbais, sendo possíveis e correctas as construções O padre apelou aos crentes ou O padre apelou para os crentes. Esta construção pode ainda complicar-se como o exemplo apresentado sugere: O padre apelou aos crentes para se manterem fiéis.

Os dicionários e as gramáticas geralmente não se pronunciam sobre estas construções mais complexas, por haver dificuldade em descrevê-las ou designá-las. Neste caso, o complemento assinalado constitui um outro complemento indirecto que se articula com o primeiro. Do ponto de vista sintáctico, não parece existir motivo para a preposição não poder ser a mesma nos dois casos (ex.: O padre apelou aos crentes a se manterem fiéis.), mas para evitar ambiguidades ou dificuldades de percepção, a preposição deverá ser diferente. Se se entender que a construção é demasiado complexa, é possível simplificá-la apenas com um complemento indirecto, mantendo toda a informação semântica (ex.: O padre apelou a que os crentes se mantivessem fiéis ou O padre apelou para os crentes se manterem fiéis).

A construção que não respeita a regência do verbo é aquela em que existe um complemento directo, isto é, um complemento nominal não regido de preposição. Assim sendo, o exemplo *O padre apelou os crentes para se manterem fiéis à doutrina pode ser considerado agramatical, pois o verbo deve ter um complemento indirecto, logo o complemento destacado deverá ser introduzido por uma preposição: O padre apelou aos crentes para se manterem fiéis à doutrina.

pub

Palavra do dia

ven·tres·ca |ê|ven·tres·ca |ê|


(latim *ventriscula, diminutivo de venter, -tris, ventre)
nome feminino

Posta de peixe imediata à cabeça e que corresponde a parte do ventre do animal (ex.: ventresca de atum). = VENTRECHA, VENTRISCA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/caf%C3%A9-bar [consultado em 25-10-2021]