PT
BR
Pesquisar
Definições



branco

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
brancobranco
( bran·co

bran·co

)
Imagem

Cor branca.


adjectivoadjetivo

1. Que tem a cor da neve ou do leite.

2. Descorado, pálido.

3. Que tem cãs. = ENCANECIDO

4. Relativo a uma divisão da espécie humana caracterizada pela pele clara ou morena.

5. [Figurado] [Figurado] Que encerra todas as cores.

6. Que não teve prémio, geralmente bilhete de rifa ou lotaria.

7. [Versificação] [Versificação] Não rimado (ex.: verso branco). = LIVRE, SOLTO


nome masculino

8. Cor branca.Imagem

9. Roupa branca (ex.: estava de branco).

10. Tinta branca.

11. Espaço não preenchido num impresso ou num texto escrito. = CLARO

12. [Jogos] [Jogos] Pedra ou quadrado do dominó sem pinta marcada.Imagem

13. [Tipografia] [Tipografia] Espaço maior que o entrelinhas ordinário (em impressos).

14. [Anatomia] [Anatomia] Membrana externa branca do olho. = ESCLERÓTICA

15. Clara do ovo.

16. Alburno; alvo.

17. Boletim de voto sem qualquer preenchimento (ex.: contaram os brancos e os nulos).

18. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Esquecimento passageiro. = CLARO


adjectivo e nome masculinoadjetivo e nome masculino

19. Que ou quem pertence a uma divisão da espécie humana caracterizada pela pele clara ou morena.

20. [Enologia] [Enologia] Diz-se de ou vinho de cor variável entre vários tons de amarelado, produzido a partir da fermentação da polpa de uvas brancas ou tintas separadas das grainhas e das cascas.


branco do olho

[Anatomia] [Anatomia]  Membrana externa branca do olho. = ESCLERÓTICA

branco do ovo

Albumina que envolve a gema do ovo.Imagem = CLARA

em branco

Sem preencher, na escrita (ex.: deixe esse espaço em branco; votar em branco).

Sem ter estudado, sem ter lido, sem ter tido conhecimento ou sem ter percebido.

Sem dormir (ex.: noites em branco). = EM CLARO

etimologiaOrigem etimológica:germânico blank.
Confrontar: brando.

Auxiliares de tradução

Traduzir "branco" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Gostaria de saber se em palavras nas quais o prefixo termina com a mesma vogal que inicia a outra palavra (como anti+inflamatório; poli+insaturado, etc...) há necessidade de se usar hífen ou se é possível fusionar as duas vogais (e.g., antiinflamatório; poliinsaturado).
Esta questão tem uma resposta diferente se pretender a ortografia antes ou depois do Acordo Ortográfico de 1990 (AO de 1990).

Segundo o Acordo Ortográfico de 1945 (válido para a norma portuguesa antes do AO de 1990) e também segundo o Formulário Ortográfico de 1943 (válido para a norma brasileira antes do AO de 1990), o elemento de formação anti- apenas deve ser ligado por hífen a palavras que comecem por h (ex.: anti-higiénico), i (ex.: anti-ibérico), r (ex.: anti-rugas) ou s (ex.: anti-semita).

Relativamente ao emprego do prefixo poli-, não é tão fácil chegar a uma resposta conclusiva e peremptória para a ortografia antes da aplicação do AO de 1990. Este prefixo não é expressamente referido no Acordo Ortográfico de 1945 (vd. bases XXVIII a XXXII, sobre o uso do hífen), nem no Formulário Ortográfico de 1943, pelo que só se pode inferir o comportamento de poli- a partir do registo lexicográfico de outras palavras com o mesmo prefixo. Assim sendo, a consulta de obras de referência revela um comportamento análogo ao de outros prefixos que nunca são seguidos de hífen, como mono- ou bi- (ex: monoinsaturado, biebdomadário, poliarticular, polirrítmico, polissacarídeo, poliúria), o que valida a forma poliinsaturado, que é, aliás, a forma registada pelo Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa.
Outra opção tomam o Grande Dicionário Língua Portuguesa, da Porto Editora, e o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências, que registam a forma polinsaturado, com a elisão da vogal (i oral) em que termina o prefixo. A este respeito, Rebelo Gonçalves, no seu Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa (Coimbra: Atlântida, 1947, pp. 252-253), refere que se deve prever também esta opção com estes prefixos que nunca são seguidos de hífen, isto é, "o caso de um prefixo não aparecer em forma plena, por terminar em vogal e esta se elidir ante uma vogal do elemento imediato: endartrite, etc".

Nas obras consultadas, é de referir que não há registo de nenhuma outra forma com o mesmo contexto de poli-+insaturado (poli- seguido de i nasal), mas apenas com um contexto de poli- seguido de i oral: formas como poliide (género de algas) ou poliidrite (mineral) surgem averbadas no Grande Dicionário da Língua Portuguesa (12 vol., Porto, Amigos do Livro Editores, 1981), de José Pedro Machado. Pesquisas em corpora e em motores de busca da Internet revelam uma maior ocorrência de poliinsaturado (e suas flexões) no português do Brasil e de polinsaturado (e suas flexões) no português europeu, provável reflexo do diferente registo lexicográfico nas duas normas do português, não podendo, no entanto, nenhuma destas duas formas ser considerada incorrecta.

Com a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, estes dois prefixos terão tratamento idêntico, uma vez que passa a haver regras mais gerais e contextuais do que nos textos legais anteriores. Assim, segundo a Base XVI, 1º, alínea b), quando um prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento deverá usar-se hífen, pelo que deverá escrever-se anti-inflamatório e poli-insaturado (a par de polinsaturado).




Qual o superlativo absoluto sintético do adjectivo maníaco?
Como é referido na resposta superlativos eruditos, o grau superlativo absoluto sintético é geralmente formado pela adjunção do sufixo -íssimo ao adjectivo. Em alguns casos, são necessárias as devidas adequações ortográficas para manter as características fonéticas do adjectivo no grau normal. Por analogia com outros adjectivos terminados em -aco (ex.: fraco - fraquíssimo; velhaco - velhaquíssimo), o superlativo absoluto sintético de maníaco parece ser maniaquíssimo. Os adjectivos terminados em -aco, tal como os terminados em -eco (ex.: seco - sequíssimo), formam este superlativo com adequação ortográfica para manter o som /k/ da sílaba final (é de referir que as formas consideradas irregulares advêm da existência de um superlativo latino como, por exemplo, opaco - opacíssimo). Os adjectivos terminados em -ico formam este superlativo geralmente sem manutenção do som /k/ da sílaba final (ex.: público - publicíssimo), embora, por vezes, haja manutenção desse som (ex.: simpático - simpatiquíssimo - simpaticíssimo).