Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

adereço

adereçoadereço | n. m. | n. m. pl.
1ª pess. sing. pres. ind. de adereçaradereçar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

a·de·re·ço |ê|a·de·re·ço |ê|


(derivação regressiva de adereçar)
nome masculino

1. Objecto de que se faz uso sem ser de necessidade.

2. Ornato de ouro ou prata com pedraria.

3. Endereço.


adereços
nome masculino plural

4. Pertences de cena.


a·de·re·çar a·de·re·çar

- ConjugarConjugar

(latim vulgar *addirectiare, do latim directus, -a, -um, particípio passado de dirigo, -ere, pôr em linha recta, alinhar, dirigir)
verbo transitivo e pronominal

1. Ornar ou ornar-se com adereços. = ENFEITAR

verbo transitivo

2. [Portugal]   [Portugal]  Enviar correspondência ou mensagem a um destinatário. = ENDEREÇAR

pub

Parecidas

Anagramas

Dúvidas linguísticas


Qual o plural de social-democrata?
Podemos considerar que a palavra social-democrata admite dois plurais: sociais-democratas ou social-democratas.

O plural das palavras compostas é por vezes problemático para os utilizadores da língua, pois obedece a regras nem sempre evidentes. Por este motivo, muitos dicionários de língua preocupam-se em registar o plural destas palavras (é o caso, para o português europeu, do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo, ou do Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, do Círculo de Leitores).

Em traços muito gerais, as regras de flexão de palavras compostas hifenizadas podem resumir-se em algumas alíneas:
a) Se a palavra é formada por um substantivo seguido de preposição e de outro(s) substantivo(s) (ex.: chapéu-de-chuva, bordão-de-são-josé), flexiona apenas o primeiro substantivo (ex.: chapéus-de-chuva, bordões-de-são-josé).
b) Se a palavra é formada por um substantivo seguido de adjectivo (ex.: secretaria-geral), ou por adjectivo seguido de substantivo (ex.: segundo-cabo), ou por adjectivo seguido de adjectivo (ex.: surdo-mudo), flexionam os dois vocábulos (ex.: secretarias-gerais, segundos-cabos, surdos-mudos).
c) Se a primeira palavra do composto é invariável, por exemplo, um advérbio (ex. além-mar), um elemento de formação (ex.: auto-acusação) ou uma forma verbal (ex.: beija-flor), flexiona apenas a segunda palavra (ex.: além-mares, beija-flores, auto-acusações).
d) Se a palavra é formada por dois substantivos (ex.: balão-sonda, escola-piloto ) ambos os substantivos são flexionados (ex.: balões-sondas, escolas-pilotos), excepto se o segundo substantivo se tratar de um “determinante específico” (CUNHA e CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Edições João Sá da Costa, 1998, p. 188), caso em que a segunda palavra do composto deve ficar invariável (ex.: balões-sonda, escolas-piloto). É difícil ajuizar se se trata ou não de um determinante específico, isto é, um substantivo com a função de determinar, qualificar ou limitar características do primeiro substantivo; por este motivo, nestes casos, é frequente haver nos dicionários registo de dois plurais.

Analisando agora a palavra social-democrata verificamos que é possível considerar que se trata de dois adjectivos, equivalendo a social e democrata, ou de adjectivo (social) seguido de um substantivo (democrata), equivalendo a ‘um democrata que é social’. Neste caso, o plural deverá ser sociais-democratas, como considera o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo. Por outro lado, se social for entendido como um elemento de composição, e não como um adjectivo, o plural deverá ser social-democratas, como considera José Pedro MACHADO no seu Grande Vocabulário da Língua Portuguesa (Âncora, 2001). Esta interpretação poderá eventualmente encontrar contra-argumentação no facto de o elemento de composição mais usual para exprimir a noção de social ser socio- (ex.: socioeconómico). Por este motivo, o Dicionário Priberam (e também o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa: Círculo de Leitores, 2001) regista ambos os plurais.




Já percebi que, com a entrada em vigor do acordo ortográfico de 1990, os nomes dos meses e das estações do ano passarão a ser escritos em minúsculas. O que eu não percebi é a razão dessa alteração. Alguém me pode esclarecer? Diga-se de passagem que também nunca percebi porque é que, desde o acordo ortográfico de 1945, os nomes dos dias da semana passaram a ser escritos com minúsculas... Será pela mesma razão?
O uso de maiúsculas está integrado num conjunto de regras ortográficas convencionadas. Neste caso, os nomes de meses e estações do ano passaram a ser considerados nomes comuns com o Acordo Ortográfico de 1990, atendendo ao seu paradigma morfológico e à aproximação ao paradigma dos dias da semana.

Relativamente aos nomes dos dias da semana e da sua grafia com minúscula já segundo o Acordo Ortográfico de 1945, Rebelo Gonçalves (Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, Coimbra: Atlântida Livraria Editora, 1947, p. 301) referia como único argumento que “ao contrário dos demais cronónimos, os nomes dos dias da semana escrevem-se, em obediência à tradição, com minúscula inicial”, o que não é minimamente esclarecedor, mas nos elucida sobre o tipo de lógica subjacente às convenções ortográficas.

pub

Palavra do dia

fi·ló fi·ló


(talvez do latim *filolum, diminutivo de filum, -i, fio)
nome masculino

Tecido leve, transparente e reticular (ex.: véu de filó). = BOBINETE

Confrontar: filhó, filo.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/adere%C3%A7o [consultado em 06-02-2023]